Percepção dos moradores do distrito de Eleutério, município de Itapira-SP, acerca da utilização de plantas medicinais

Anderson Martelli, Lucas Alan Hamaguti Bernardes de Carvalho

Resumo


A fitoterapia e o uso de plantas medicinais fazem parte da prática da medicina popular, que complementa o tratamento usualmente empregado para a população de menor renda. Essa utilização tem merecido crescente interesse, assim, a presente pesquisa investigou a percepção dos moradores de Eleutério, um Distrito Municipal de Itapira-SP, estritamente rural acerca da utilização de plantas medicinais. Participaram desta pesquisa 40 moradores de ambos os sexos, escolhidos de forma aleatória, com idade acima de 18 anos, residentes neste Distrito. Para tanto, a pesquisa foi realizada por meio de uma entrevista estruturada empregando um questionário, sendo os dados anotados em planilha para análise e comparação. Em relação ao uso de plantas medicinais, foram verificados que 80% da amostra fazem uso de alguma planta medicinal e 28% não seguem nenhum protocolo de preparo. Quanto aos possíveis efeitos tóxicos, 50% relatam que por serem natural não apresentam efeitos colaterais indesejáveis. Este estudo demonstra que a população deste distrito realiza a utilização de plantas medicinais com certa frequência, havendo a necessidade de uma maior divulgação quanto a essa prática, uma vez que, as pessoas em geral tem demonstrado interesse na fitoterapia como alternativa para o tratamento de diversas afecções.

Descritores: Fitoterapia; Plantas Medicinais; População Rural.

Referências

  1. Maciel MA, Pinto AC, Veiga Jr VF, Grinberg NF, Echevarria A. Plantas medicinais: a necessidade de estudos multidisciplinares. Quim Nova. 2002;15(3):429-38.
  2. Alvim NAT, Ferreira MA, Cabral IE, Almeida Filho AJ. . et al. O uso de plantas medicinais como recurso terapêutico: das influências da formação profissional às implicações éticas e legais de sua aplicabilidade como extensão da prática de cuidar realizada pela enfermeira. Rev Latino-Am Enfermagem. 2006;14(3):316-23.
  3. Carvalho ACB, Silveira D. Drogas vegetais: uma antiga nova forma de utilização de plantas medicinais. Brasília Med. 2010;48(2):219-37.
  4. Melo JG, Martins JDGR, Amorim ELC, Albuquerque UP. Qualidade de produtos a base de plantas medicinais comercializados no Brasil: castanha-da-índia (Aesculus hippocastanum (L.), capim-limão (Cymbopogon citratus (DC.) Stapf e centela (Centella asiatica (L.) Urban). Acta Bot Bras. 2007;21(1):27-36.
  5. Secretaria Municipal de Saúde de Londrina: Protocolo De Fitoterapia. 3. Ed; 2012.
  6. Silva LAF, Silva JA, Lima CRO, Dambros CE, Cardoso VS. Uso popular do barbatimão. In: Silva LAF, Eurides D, Paula JR, Lima CRO, Moura MI. Manual do barbatimão. Goiânia: Kelps;2010.
  7. Corrêa VS, Cerdeira AL, Fachin AL, Bertoni BW, Pereira PS, França SC et al. Geographical variation and quality assessment of Stryphnodendron adstringens (Mart.) Coville within Brazil. Genet Resour Crop Evol. 2012;59(7):1349-56.
  8. Silva DM, Mocelin KR. O cuidado de enfermagem ao cliente portador de feridas sob a ótica do cuidado transcultural. Nursing. 2007;9(105):8188.
  9. Rodrigues DF, et al. O extrato da casca de barbatimão, Stryphnodendron adstringens (Martius) Coville, na cicatrização de feridas em animais. Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer – Goiânia. 2013;9(16):1583-1601.
  10. Carvalho ACB, Nunes DSG, Baratelli TG, Shuqair NSMSAQ, Machado Netto E. Aspectos da legislação no controle dos medicamentos fitoterápicos. T & C Amazônia. 2007;5(11):26-32.
  11. Dutra RC, Campos MM, Santos AR, Calixto JB. Medicinal plants in Brazil: Pharmacological studies, drug discovery, challenges and perspectives. Pharmacol Res. 2016;112:4-29.
  12. Ferrão BH, Oliveira HB, Molinari RF Teixeira MB, Fontes GG, Amaro MOF et al. Importância do conhecimento tradicional no uso de plantas medicinais em Buritis, MG. Brasil. Ciência e Natura. 2014;36(Ed Especial):321-34.
  13. Turolla    MSR,     Nascimento   ES.   Informações toxicológicas de alguns fitoterápicos utilizados no Brasil. Rev Bras Ciênc Farm. 2006;42(2):289-306.
  14. Arnous AH, Santos AS, Beinner RPC. Plantas medicinais de uso caseiro - conhecimento popular e interesse por cultivo comunitário. Espaç Saúde. 2005;6(2):1-6.
  15. Araújo EJF, Araújo DYML, Freitas R, Ferreira PMP. Aspectos toxicológicos da planta medicinal Casearia sylvestris Swartz: revisão de literatura. Rev Ciênc Farm Básica Apl. 2014;35(3):355-61.
  16. Veiga Júnior FV, Pinto AC, Maciel MAM. Plantas medicinais: cura segura? Quim Nova. 2005;28(3):519-28.
  17. Oliveira AE, Dalla Costa T. Interações farmacocinéticas entre as plantas medicinais Hypericum perforatum, Gingko biloba e Panax gingseng e fármacos tradicionais. Acta Farm Bonaerense. 2004;23(4):567-78.
  18. Maravai SG, Costa CS, Lefchako FJ, Martinello OB, Becker IRT, Rossato AE. Plantas medicinais: percepção, utilização e indicações terapêuticas de usuários da estratégia saúde da família do município de Criciúma- SC vinculados ao PET- Saúde. Arq Catarin Med. 2011;40(4):69-75.
  19. Zeni ALB, Parisotto AV, Matos GM, Helena ETS. Utilização de plantas medicinais como remédio caseiro na Atenção Primária em Blumenau, Santa Catarina, Brasil Ciênc saúde coletiva. 2017;22(8):2703-12.
  20. Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopéia Brasileira / Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília: Anvisa, 2011.
  21. Chiovatto RD, Fukuda EY, Feder D, Nassis CZ. Fluoxetina ou Hypericum perforatum no tratamento de pacientes portadores de transtorno depressivo maior leve a moderado? Uma revisão. Arq Bras Ci Saúde. 2011;36(3):168-75.
  22. Alves DL, Silva CR. Fitohormônios: abordagem natural da terapia hormonal. São Paulo: Atheneu; 2002.
  23. Costa FGC, Nunes FCP, Peres V. Mapeamento etnofarmacológico e etnobotânico de espécies de cerrado, na microrregião de Patos de Minas. Perquirere. Patos de Minas: UNIPAM. 2010;7(2):93‐111.
  24. Lima SCS, Arruda GO, Renovato RD, Alvarenga MRM. Representations and uses of medicinal plants in elderly men. Rev Latino-Am Enfermagem. 2012;20(4):778-86.
  25. Feijó AM, Bueno MEN, Ceolin T, Linck CL, Schwartz E, Lange C et al. Plantas medicinais utilizadas por idosos com diagnóstico de Diabetes mellitus no tratamento dos sintomas da doença. Rev bras plantas med. 2012;14(1):50-6.
  26. Brasileiro BG, Pizziolo VR, Matos DS, Germano AM, Jamal CM. Plantas medicinais utilizadas pela população atendida no “Programa de Saúde da Família”, Governador Valadares, MG, Brasil. Braz J Pharm Sci. 2008;44(4):629-36.
  27. Medeiros MFT, Fonseca VS, Andreata RHP. Plantas medicinais e seus usos pelos sitiantes da Reserva Rio das Pedras, Mangaratiba, RJ, Brasil. Acta Bot Bras. 2004;18(2):391-99.
  28. Lorenzetti ER, Conceição DM, Rigotti M, Vieiralves G, Soriano F, Câmara FLA. Estímulo ao Cultivo de Plantas Medicinais e Aromáticas em Botucatu – SP. São Paulo; 2011.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.21270/archi.v8i2.3164

Indexação em Base de Dados (Catálogo de Revistas Científicas)
  • BBO - Bibliografia Brasileira de Odontologia
  • BVS – Biblioteca Virtual em Saúde
  • BIREME - Portal de Revistas Científicas em Ciências da Saúde
  • LATINDEX - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe
  • SEER - Diretório de Revistas Brasileiras em SEER
  • DIADORIM - Diretório de Políticas de Acesso Aberto das Revistas Científicas Brasileiras
  • PKP - Public Knowledge Project
  • SCHOLAR GOOGLE