Análise métrica das marcas de mordidas impressas em alimentos acondicionados em diferentes temperaturas: perspectivas periciais de um estudo piloto

Cléa Adas Saliba Garbin, Jeidson Antônio Morais Marques, Naiana de Melo Belila, Artênio José Ísper Garbin

Resumo


Introdução: Existe uma área significativa de estudos e análises no campo da Odontologia Forense, que é o reconhecimento e a interpretação de sinais e lesões produzidas por mordidas humanas, que podem ser observadas tanto na pele como em alimentos. Objetivo: Avaliar a técnica da análise métrica das impressões dentárias em alimentos utilizados como prova pericial, bem como a melhor forma de conservação desses alimentos mordidos de acordo com a variação de temperatura e a influência do tempo para a identificação do autor. Metodologia: Estudo do tipo duplo-cego. Realizou-se um sorteio, obtendo uma amostra de quatro indivíduos. Para cada um, foi solicitado que mordesse uma barra de chocolate e uma goma de mascar, usando apenas os dentes anteriores. Os alimentos coletados foram divididos em 2 grupos e acondicionados em recipientes plásticos hermeticamente fechados, sob temperaturas de 4°C e o outro sob -10°C. Com o uso de um paquímetro digital, realizaram-se mensurações das marcas impressas nos alimentos a cada três meses, durante um ano. Resultados: As marcas equivalentes a cada dente por meio da Análise Métrica verificada a cada três meses, não apresentaram variações significativas (p>0,05). Apesar das diferentes temperaturas estudadas e do tempo transcorrido, as proporções foram mantidas, não comprometendo a investigação e possibilitando a identificação dos autores com 100% de êxito. Conclusão: A técnica da análise métrica das impressões dentárias em alimentos e o acondicionamento a baixas temperaturas, mesmo após o tempo de um ano transcorrido, preservou as proporções entre as marcas desejadas por cada dente.

Descritores: Odontologia Legal; Violência; Prova Pericial.

Referências

  1. Galvão LCC. Estudos médicos legais. Porto Alegre: Sagra;1996.
  2. Amorim HPL, Melo BMS, Musse JO, Silva MLCA, Costa COM, Marques JAM. Levantamento de marcas de mordidas humanas em vítimas de violência periciadas no Instituto Médico Legal de Feira de Santana-BA, entre 2007 e 2014. Arq Odontol. 2016;52(3):165-74.
  3. Coutinho CGV, Ferreira CA, Queiroz LR, Gomes LO, Silva UA. O papel do odontolegista nas perícias criminais. RFO UPF. 2013;18(2):217-23.
  4. Nascimento MM, Sarmento VA, Beal VE, Galvão LCC, Marques JAM. Identificação de indivíduos por meio das marcas de mordida em alimentos utilizando a engenharia reversa e a prototipagem rápida: caso simulado. Arq Odontol. 2012;48(3):134-41.
  5. American Board of Forensic Odontology, Inc. Diplomates Reference Manual Section I: Preface, Acknowledgments, Background, Functions & Purposes. March 2017 Edition.
  6. Pretty IA, Hall RC. Forensic dentistry and human bite marks: issues for doctors. Hosp Med. 2002;63(8):476-82.
  7. Goetten FS. Avaliação de lesões corporais em vítimas de mordeduras: uma revisão da literatura. Rev Bras Crimin. 2014;3(2):41-5.
  8. Melani RFH. Marcas de mordidas. In: Silva M. Compêndio de Odontologia Legal. São Paulo: Medis;1997.
  9. França G. Medicina Legal. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan;2004.
  10. Garbin CAS, Lima TJV, Garbin AJI, Rovida TAS, Saliba O. Conhecimento e percepção dos educadores do ensino infantil sobre violência. Ciência Plural. 2015;1(2):37-47.
  11. Wright FD, Dailey JC. Human bite marks in forensic dentistry. Dent Clin North Am. 2001;45(2):365-97.
  12. Santos KRR, Pereira PZ. Verificação do potencial de atuação do cirurgião-dentista nas necrópsias realizadas pelo imol de campo grande (MS). RBOL. 2017;4(1):46-52.
  13. Carvalho CM, Nazar RJ, Moreira AMC, Bouchardet FCH. Identificação humana pelo exame da arcada dentária. Relato de caso. Arq bras odontol. 2008;4(21):67-9.
  14. Rawson RD, Ommen RK, Kinard G, Johnson J, Yfantis A. Statistical evidence for the individuality of the humam dentition. J Forensic Sci. 1984;29(1):245-53.
  15. Bush AM, Bush PJ, Sheets HD. Statistical Evidence for the Similarity of the Human Dentition. Journal of forensic sciences, 2011;56(1):118-23.
  16. Nambiar P, Carson G, Taylor JA, Brown KA. Identification from a bitemark in a wad of chewing gum. J Forensic Odonto-Stomatol. 2001;19(1):5-8.
  17. Oliveira DCA, Simões PS, Marques JAM, Galvão LCC, Oliveira RN, Musse JO. Avaliação de marcas de mordidas em alimentos produzidas por próteses dentárias. Arq Odontol. 2010;46(1):38-42.
  18. Marques JAM, Galvão LCC, Silva M. Marcas de mordidas. Feira de Santana: Universidade Estadual Feira de Santana;2007.
  19. Nascimento M, Sarmento VA, Beal VE, Galvão LCC, Marques JAM. Identificação de indivíduos por meio das marcas de mordida em alimentos utilizando a engenharia reversa e a prototipagem rápida: caso simulado. Arq Odontol. 2012;48(3):134-41.
  20. Figueira Júnior E, Moura LCL. A importância dos arcos dentários na identificação humana. Rev bras Odontol. 2014;71(1):22-7.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.21270/archi.v8i5.3211

Indexação em Base de Dados (Catálogo de Revistas Científicas)
  • BBO - Bibliografia Brasileira de Odontologia
  • BVS – Biblioteca Virtual em Saúde
  • BIREME - Portal de Revistas Científicas em Ciências da Saúde
  • LATINDEX - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe
  • SEER - Diretório de Revistas Brasileiras em SEER
  • DIADORIM - Diretório de Políticas de Acesso Aberto das Revistas Científicas Brasileiras
  • PKP - Public Knowledge Project
  • SCHOLAR GOOGLE