Abordagem preventiva e educativa em paciente odontológico com microcefalia associada ao Zika virus: relato de caso

Bruna Satiko de Oliveira Kohashi, Eliana de Oliveira Aranha Ribeiro, Keuly Souza Soares, Gimol Benchimol de Resende Prestes

Resumo


A microcefalia é uma condição onde o perímetro cefálico do bebê encontra-se consideravelmente menor quando comparada com o de outras crianças do mesmo sexo e idade. Em 2015 registrou-se um aumento no número de crianças nascidas com  microcefalia, sendo esta associada ao Zika vírus (ZIKV). Os pacientes com microcefalia normalmente manifestam alterações neurológicas, craniofaciais e  bucais. O objetivo deste estudo é descrever as características clínicas da microcefalia associada ao ZIKV e apresentar a abordagem odontológica preventiva e educativa em um paciente com esta patologia. Paciente do gênero masculino, 1 ano e 11 meses de idade, compareceu à Policlínica Odontológica da Universidade do Estado do Amazonas para atendimento. Na anamnese, o responsável relatou que o paciente apresentava microcefalia com atraso no desenvolvimento neuropsicomotor, diagnosticado desde o nascimento. No exame físico foi observada falta de sustentação e encurtamento do pescoço, testa estreita e nariz amplo. Ao exame intrabucal apresentava boa condição de higiene e sem cáries. Foi realizado tratamento preventivo com profilaxia e aplicação tópica de flúor e o responsável recebeu orientações educativas sobre higiene oral. O crescimento do número de pacientes com microcefalia, associado ao fato de que  pacientes  especiais têm um risco aumentado para desenvolver doenças bucais, mostram a importância da prevenção  e educação em saúde odontológica pois estas possibilitarão o condicionamento do paciente, manutenção da saúde bucal, estreitamento do vínculo família-paciente-profissional além de novas perspectivas para a atuação profissional de outros colegas.

Descritores: Microcefalia; Pessoas com Deficiência; Promoção da Saúde; Saúde Bucal; Educação em Saúde.

Referências

  1. World Health Organization. Screening, assessment and management of neonates and infants with complications associated with Zika virus exposure in utero: rapid advice guideline. WHO 2016: 1-15.
  2. Ashwal S, Michelson D, Plawner L, Dobyns WB, Quality Standards Subcommittee of the American Academy of Neurology and the Practice Committee of the Child Neurology Society.  Practice parameter: Evaluation of the child with microcephaly (an evidence-based review): report of the Quality Standards Subcommittee of the American Academy of Neurology and the Practice Committee of the Child Neurology Society. Neurology 2009;73(11):887-97.
  3. BRASIL. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Orientações integradas de vigilância e atenção à saúde no âmbito da Emergência de Saúde Pública de Importância Nacional: procedimentos para o monitoramento das alterações no crescimento e desenvolvimento a partir da gestação até a primeira infância, relacionadas à infecção pelo vírus Zika e outras etiologias infeciosas dentro da capacidade operacional do SUS. Brasília: Ministério da Saúde 2017.
  4. Lopez-Camelo JS, Orioli IM, Castilla E. Documento ECLAMC Final: Resumo e Conclusões dos Documentos 1-5. Buenos Aires 2015; 3.
  5. Butler D. Microcephaly surge in doubt. Nature. 2016; 530(7588):13-15.
  6. Veiga SA, Nunes CR, Andrade CCF. Assistência de enfermagem à criança com microcefalia. Múltiplos Acessos 2017;2(2):116-28.
  7. COFFITO. Sistema COFFITO/CREFITOs. Diagnóstico: Microcefalia. E agora?. 2016: 1-12.
  8. Oliveira Melo AS, Malinger G, Ximenes R, Szejnfeld PO, Alves Sampaio S, Bispo de Filippis AM. Zika virus intrauterine infection causes fetal brain abnormality and microcephaly: tip of the iceberg? Ultrasound Obstet Gynecol. 2016;47(1):6-7.
  9. Campos GS,  Bandeira AC,   Sardi SI.  Zika Virus Outbreak, Bahia, Brazil. Emerg Infect Dis. 2015; 21(10):1885-86.
  10. BRASIL. Secretaria   de   Vigilância   em   Saúde. Vírus Zika no Brasil: a resposta do SUS. Brasília: Ministério da Saúde 2017.
  11. BRASIL. Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde. Ministério da Saúde 2018; 49(6): 1-10.
  12. Besnard M, Lastére S, Teissier A, Cao-Lormeau V, Musso D. Evidence of perinatal transmission of Zika vírus, French Poliynesia, December 2013 and February 2014. Euro Survell. 2014;19(13): pii 20751.
  13. Henriques CMP, Duarte E, Garcia LP. Desafios para o enfrentamento da epidemia de microcefalia. Epidemiol Serv Saúde. 2016; 25(1):7-10.
  14. Oliveira ALBM, Giro EMA Importância da abordagem precoce no tratamento odontológico de pacientes com necessidades especiais. Odonto. 2011; 19(38):45-51.
  15. Glassman P, Caputo A, Dougherty N, Lyons R, Messieha Z, Miler C et al. Special Care Dentistry Association consensus statement on sedation, anesthesia and alternative techniques for people with special needs. Spec Care Dentist. 2009;29(1):2-8.
  16. Andrade APP, Eleutéio ASL. Pacientes portadores de necessidades especiais: abordagem odontológica e anestesia geral. Revista bras odontol.. 2016;72(1/2):66-9.
  17. Zarvos ML. Microcefalia: um desafio (também) para a Odontologia Brasileira. Disponível em: http://www. cfo.org.br/todas-as-noticias/artigo-2. Acesso em: 06 ago. 2018.
  18. Storhaugh K, Holst D. Caries experience of disabled school-aged children. Community Dent Oral Epidemiol. 1987;15(3):144-48.
  19. Guaré Rde O, Ciamponi AL. Dental caries prevalence in the primary dentition of cerebral palsied children. J Clin Pediatr Dent. 2003; 27(3):287-92.
  20. Leite CN, Varellis MLZ. Microcefalia e a odontologia brasileira. J Health NPEPS. 2016; 1(2):297-304.
  21. Camargo MAR. Estudo da prevalência da cárie em pacientes portadores de paralisia cerebral [dissertação]. São Paulo: Faculdade de Odontologia da USP; 2005.
  22. Abreu MHNG, Castilho LS, Resende VL. Assistência odontológica a indivíduos portadores de deficiências: o caso da Associação Mineira de Reabilitação e Escola Estadual João Moreira Salles. Arq Odontol. 2001;37(2):153-61.
  23. Marcelino G, Parrilha VA. Educação em saúde bucal para mães de crianças especiais: um espaço para a prática dos profissionais de enfermagem. Cogitare Enferm. 2007;12(1):37-43.
  24. Bova VBR, Wall ML. Educação em saúde no trânsito: uma contribuição da enfermagem. Cogitare Enferm. 2005;10(1):60-5.
  25. Figueiredo MC, Leonardi F, Ecke V. Avaliação do perfil dos pacientes com deficiência atendidos na Faculdade de Odontologia da UFRGS. Rev ACBO. 2016;5(1):1-21.
  26. Dao LP, Zwetchkenbaum S, Inglehart MR. General dentists and special needs patients: does dental education matter? J Dent Educ. 2005; 69(10): 1107-15.
  27. Lemos CAA, Giorgi JDSJ. Zika X Microcefalia-Consequências Bucais, e Agora Odontologia o que Fazer? II Simpósio de Produção Docente e Discente Universidade Anhanguera de São Paulo; 2017.
  28. Morava E, Zeevaert R, Korsch E, Huijben K, WopereisS, Matthijs G et al. A common mutation in the COG7 gene with a consistent phenotype including microcephaly, adducted thumbs, growth retardation, VSD and episodes of hyperthermia. Eur J Hum Genet. 2007;15(6):638-45.
  29. Morava E, Lefeber DJ, Urban Z, de Meirleir L, Meinecke P, Gillessen Kaesbach GG et al. Defining the phenotype in an autosomal recessive cutis laxa syndrome with a combined congenital defect of glycosylation. Eur J Hum Genet. 2008;16(1):28-35.
  30. Pereira SMS, Borba ASM, Rosa JFL, Carvalho CN, Maia Filho EM, Ferreira MC et al. Zika Vírus e o futuro da Odontologia no atendimento a pacientes com microcefalia. Rev Investig Bioméd São Luís. 2017;9(1):58-66.
  31. Abreu KCS, Franco SBO, Calheiros PR. Abordagem odontológica para pacientes portadores de distúrbios neuropsicomotores. FACIMED. 2009. Disponível em: http://www.facimed.edu.br/o/revista/pdfs/31b1d0bc6502190f69ab2e62163d9a2b.pdf. Acesso em: 06 ago. 2018.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.21270/archi.v8i1.3229

Indexação em Base de Dados (Catálogo de Revistas Científicas)
  • BBO - Bibliografia Brasileira de Odontologia
  • BVS – Biblioteca Virtual em Saúde
  • BIREME - Portal de Revistas Científicas em Ciências da Saúde
  • LATINDEX - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe
  • SEER - Diretório de Revistas Brasileiras em SEER
  • DIADORIM - Diretório de Políticas de Acesso Aberto das Revistas Científicas Brasileiras
  • PKP - Public Knowledge Project
  • SCHOLAR GOOGLE