Esquema terapêutico e consumo alimentar em pessoas vivendo com HIV/Aids

Maria Devany Pereira, Nayra do Socorro Caldas Carvalho de Alme Teixeira, Iara Katrynne Fonsêca Oliveira, Carlos Henrique Ribeiro Lima, Adriana de Azevedo Paiva

Resumo


Introdução: O HIV é o vírus responsável por destruir os linfócitos T CD4+, sua evolução ocorre a partir de distúrbios que causam infecções oportunistas, alterações nutricionais e até a morte. Uma infecção sexualmente transmissível que atualmente ainda acomete milhares de pessoas no Brasil e no mundo, independente de sexo, raça e condição econômica. A terapia antirretroviral prolonga a vida de Pessoas Vivendo com HIV/Aids diminuindo também a chance de transmissão. Atenção nutricional a esse público é essencial, devido alterações fisiológicas que interferem desde a mastigação até a absorção, assim como interações medicamentosas. Objetivo: Elencar a relação entre o esquema terapêutico e o consumo alimentar de pessoas vivendo com HIV/Aids. Material e Método: Trata-se de um estudo transversal com 42 pacientes diagnosticados com HIV/Aids, de ambos os sexos, com idade superior a 20 anos em tratamento antirretroviral em um hospital de referência de Teresina Piauí, que atendessem os critérios de elegibilidade. Os dados foram coletados a partir de questionário socioeconômico e demográfico, aspectos clínicos e da terapêutica e consumo alimentar, a partir do Recordatório de 24 horas. Resultados e Conclusão: A maioria faz uso do esquema “3 em 1”, Tenofovir, lamivudina e efavirenz. E a ingestão média energética e macronutrientes da população da pesquisa encontram-se dentro dos limites referido pelas DRIs (2005), não foi possível estabelecer relação entre os esquemas antirretrovirais e o consumo alimentar. Isto posto destacamos a necessidade de mais estudos com este público em tratamento antirretroviral quanto à relação do consumo, padrão e perfil alimentar.

Descritores: HIV; Terapia Antirretroviral de Alta Atividade; Consumo de Alimentos.

Referências

  1. Reis L. Perfil nutricional de crianças e adolescentes portadores de HIV em acompanhamento ambulatorial [dissertação]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública – USP;2008.
  2. Armentano TC, Silva AR, Ferrari LV, Mateus NG, Mello R. A lipodistrofia em pacientes que vivem com HIV/AIDS. Rev pesqui cuid fundam. 2013;5(5esp):173-81.
  3. Joint United Nations Programme on HIV/AIDS (UNAIDS). Global report: UNAIDS report on the global AIDS epidemic. Geneva: WHO Library Cataloguing-in-Publication Data;2012
  4. Ministério da Saúde. Boletim epidemiológico AIDS-DST. Semanas Epidemiológicas. Brasília:Ministério da Saúde 2013.
  5. Barros SG, Vieira-da-Silva LM. Terapia antirretroviral combinada, a política de controle da Aids e as transformações do Espaço Aids no Brasil dos anos 1990. Saúde Debate. 2017;41(esp3):114-28.
  6. Tse WF, Yang W, Huang W. A narrative review of cost-effectiveness analysis of people living with HIVtreated with HAART: from interventions to outcomes. Clinicoeconom Outcomes Res. 2015;7:431-39.
  7. Braga LA, Silva CAB. Avaliação nutricional e metabólica de pacientes com Hiv em uso da terapia antirretroviral no nordeste do Brasil. RBPS. 2010;23(4):368-73.
  8. Freitas JP, Sousa LRM, Cruz MCMA, Caldeira NMVP, Gir E. Terapia com antirretrovirais: grau de adesão e a percepção dos indivíduos com HIV/Aids. Acta paul enferm. 2018;31(3):327-33.
  9. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde - Departamento de DST, AIDS e Hepatites Virais. Boletim Epidemiológico - AIDS e DST. Brasília (DF), Ano V - nº 1, jan. a jun. de 2017.
  10. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Síndrome Lipodistrófica em HIV. Brasília:MS,2011.
  11. Banco Mundial. HIV/SIDA, nutrição e segurança alimentar: o que podemos fazer - uma síntese de princípios de orientação internacionais. Washington DC, Banco Mundial, 2008.
  12. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST/AIDS. Manual clínico de alimentação e nutrição na assistência a adultos infectados pelo HIV / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Programa Nacional de DST/Aids. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.
  13. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST/AIDS. Alimentação e nutrição para pessoas que vivem com HIV e AIDS / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Programa Nacional de DST/AIDS. Brasília: Ministério da Saúde,2006.
  14. IBGE. Censo demográfico 2010. IBGE: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística,2010.
  15. Moshfegh AJ, Rhodes DG, Baer DJ, Murayi T, Clemens JC, Rumpler WV et al. The US Department of Agriculture Automated Multiple-Pass Method reduces bias in the collection of energy intakes. Am J Clin Nutr. 2008;88(2):324-32.
  16. Pinheiro ABV, Lacerda EMA, Benzecry EH, Gomes MCS, Costa VM. Tabela para avaliação de consumo alimentar em medidas caseiras. 5. ed. São Paulo: Atheneu;2005.
  17. Bombem KCM, Canella DS,‎ Bandoni DH, Jaime PC. Manual de medidas caseiras e receitas para cálculos dietéticos. In: Manual de medidas caseiras e receitas para cálculos dietéticos. São Paulo: M Books; 2012.
  18. Freitas AMP, Philippi ST, Ribeiro, SML. Food lists from the diet of a group of elderly individuals: analysis and perspectives. Rev Bras Epidemiol. 2011;14(1):1-16.
  19. Trumbo P, Schlicker  S, Yates AA, Poos M, Food and Nutrition Board of the Institute of Medicine, The National Academies. Dietary reference intakes for energy, carbohydrate, fiber, fat, fatty acids, cholesterol, protein and amino acids. J Am Diet Assoc. 2002;102(11):1621-30.
  20. Ladeira POC, Silva DCG. Estado Nutricional e perfil alimentar de pacientes assistidos pelo programa de DST/AIDS e hepatites virais de um centro de saúde de Itaperuna-RJ. DST J bras Doenças Sex Transm. 2012;24(1):28-31.
  21. Kauffmann LKO, Miranda RNA, Guterresc AS, Pinto AF. Perfil nutricional e alimentar de portadores de HIV-1/AIDS internados em um hospital universitário. Ciência&Saúde. 2017;10(2):82-8.
  22. Galvão JMV, Costa ACM, Jaime VG. Perfil sócio demográfico de portadores de HIV/AIDS de um serviço de atendimento especializado. Rev Enferm UFPI. 2017;6(1):4-8.
  23. Furini AAC, Lima TAM, Rodrigues JF, Borges MSB, Carmo, EGB, Cecchim MC et al. Análise de interações medicamentosas e alimentares em pacientes com AIDS em uso da TARV associada à terapia de resgate. Rev Ciênc Farm Básica Apl., 2015;36(3):427-34.
  24. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Manejo da Infecção pelo HIV em Adultos / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais. Brasília: Ministério da Saúde,2018.
  25. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Protocolo de assistência farmacêutica em DST/HIV/Aids: recomendações do Grupo de Trabalho de Assistência Farmacêutica. Brasília: Ministério da Saúde,2010.
  26. Walmsley S, Baumgarten A, Berenguer J, Felizarta F, Florence E, Khuong-Josses MA et al. Dolutegravir Plus Abacavir/ Lamivudine for the Treatment of HIV-1 Infection in Antiretroviral Ó erapy-Naive Patients: Week 96 and Week 144 Results From the SINGLE Randomized Clinical Trial. J Acquir Immune Defic Syndr. 2015;70(5):515-19.
  27. Castagna A, Maggiolo F, Penco G, Wright D, Mills A, Grossberg R et al. Dolutegravir in antiretroviralexperienced patients with raltegravir- and/or elvitegravir-resistant HIV-1: 24-week results of the phase III VIKING-3 study. J  Infect Dis. 2014;210(3):354-62.
  28. Smith KY, Patel P, Fine D, Bello N, Sloan L, Lackey P et al. Randomized, double-blind, placebo-matched, multicenter trial of abacavir/lamivudine or tenofovir/emtricitabine with lopinavir/ritonavir for initial HIV treatment. AIDS. 2009;23(12):1547-56.
  29. Sax PE, Tierney C, Collier AC, Fischl MA, Mollan K, Peeples L et al. Abacavir-lamivudine versus tenofoviremtricitabine for initial HIV-1 therapy. N Engl J Med. 2009;361(23):2230-40.
  30. Costa FD. Síndrome lipodistrófica do hiv em pacientes da URE DIPE em Belém do Pará.[dissertação]. Belém: Programa de Mestrado Multidisciplinar em Saúde - UFPA;2014.
  31. Dutra CDT, Salla LCN, Marques MCM, Libonati RMF. Avaliação do consumo alimentar em pacientes HIV positivos com lipodistrofia. Rev Ciênc Saúde. 2011;4(2):59-65.
  32. Santo RE, Grinsztejn E, Peres WAF, Brito PD. Bioimpedância e antropometria na determinação da composição corporal em homens portadores de HIV. Rev Bras Nutr Clin. 2016;31(1):60-4.
  33. Silva EFR, Lewi DS, Vedovato GM, Garcia VRS, Tenore SB, Bassichetto KC. Estado nutricional, clínico e padrão alimentar de pessoas vivendo com HIV/Aids em assistência ambulatorial no município de São Paulo. Rev Bras Epidemiol. 2010;13(4):677-88.
  34. Brito DMS. Guia de cuidados aos pacientes em uso de terapia antirretroviral. Fortaleza;2012.
  35. Silva MCA, Burgos MGPA, Silva RA. Alterações nutricionais e metabólicas em pacientes com AIDS em uso de terapia anti-retroviral. DST J bras Doenças Sex Transm. 2010;22(3):118-22.
  36. Souza DS, Hora TF, Padilha PC, Gonçalves JCS, Peres WAF. Efeito dos alimentos na biodisponibilidade de medicamentos antirretrovirais: uma revisão sistemática da literatura. Nutrire. 2014;39(2):243-51.
  37. Savi LGGFS. Importância da intervenção nutricional em pacientes com Síndrome Consumptiva proveniente da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida [monografia]. Brasília: Faculdade de Ciências de Educação e Saúde - UNICEUB;2013.
  38. Fisberg RM, Marchioni DML, Colucci ACA. Avaliação do consumo alimentar e da ingestão de nutrientes na prática clínica. Arq Bras Endocrinol  Metab. 2009;53(5):617-24.
  39. Rocha PB. Perfil alimentar e nutricional dos pacientes HIV positivo atendidos em um serviço público de saúde de Porto Alegre/RS [monografia]. Porto Alegre: Universidade Federal de Rio Grande do Sul;2007.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.21270/archi.v8i7.4625

Indexação em Base de Dados (Catálogo de Revistas Científicas)
  • BBO - Bibliografia Brasileira de Odontologia
  • BVS – Biblioteca Virtual em Saúde
  • BIREME - Portal de Revistas Científicas em Ciências da Saúde
  • LATINDEX - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe
  • SEER - Diretório de Revistas Brasileiras em SEER
  • DIADORIM - Diretório de Políticas de Acesso Aberto das Revistas Científicas Brasileiras
  • PKP - Public Knowledge Project
  • SCHOLAR GOOGLE