Terapia Bioprogressiva e utilização do arco base: revisão de literatura

  • Gabriela Peres Teruel Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Odontologia Preventiva e Social da Universidade Estadual de São Paulo (UNESP), Faculdade de Odontologia de Araçatuba 16015-050 Araçatuba – SP, Brasil
  • Tania Adas Saliba Professora Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Odontologia Preventiva e Social da Universidade Estadual de São Paulo (UNESP), Faculdade de Odontologia de Araçatuba 16015-050 Araçatuba – SP, Brasil
  • Clea Adas Saliba Garbin Professora Titular do Programa de Pós-Graduação em Odontologia Preventiva e Social da Universidade Estadual de São Paulo (UNESP), Faculdade de Odontologia de Araçatuba 16015-050 Araçatuba – SP, Brasil
  • Artênio José Ísper Garbin Professor Associado do Programa de Pós-Graduação em Odontologia Preventiva e Social da Universidade Estadual de São Paulo (UNESP), Faculdade de Odontologia de Araçatuba 16015-050 Araçatuba – SP, Brasil
Palavras-chave: Epidemiologia, Ortodontia, Movimentação Dentária

Resumo

As oclusopatias estão entre os problemas de saúde pública e são consideradas pela Organização Mundial de Saúde o terceiro problema odontológico, sendo precedido pela doença periodontal e pela cárie dentária. Para correção das oclusopatias existem muitas técnicas, entre elas, o arco base de Ricketts. O arco base é a unidade mecânica da terapia bioprogressiva a partir do qual se originam todos os demais arcos. Dessa forma, objetivou-se nesse estudo discutir a importância do arco base ou arco utilidade de Ricketts segundo a experiência de vários autores por meio de uma breve revisão de literatura. Para a realização deste trabalho foi realizado um levantamento bibliográfico nas bases de dados Pubmed, SciELO e Bireme (BVS). Por ser uma revisão bibliográfica, os dados presentes foram coletados somente de documentos já existentes, não sendo necessário aplicar nenhuma pesquisa para levantamento de resultados. Os termos utilizados foram: “Arco base” e “Ricketts” e os critérios de inclusão foram: estudos epidemiológicos, estudos clínicos em humanos e relatos de caso clínico. Concluiu-se que o Arco Base constitui símbolo de uma mecânica ortodôntica extremamente inteligente. É capaz de realizar as ações necessárias para o posicionamento dos dentes segundo uma planificação detalhada, possibilitando o trabalho muitas vezes simultâneo nos três planos de espaço.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Dimberg L, Arnrup K, Bondemark L. The impact of malocclusion on the quality of life among children and adolescents: a systematic review of quantitative studies. Eur J Orthod. 2015;37(3):238-47.

Fields HW. Craniofacial growth from infancy through adulthood. Background and clinical implications. Pediatric Clinics of North America. 1991;38(5):1053-88.

Peres KG, Traebert ESA, Marcenes W. Differences between normative criteria and self-perception in the assessment of malocclusion. Rev Saúde Pública. 2002;36(2):230-36.

Garbin AJI, Wakayama B, Rovida TAS, Garbin CAS. Neurocclusal rehabilitation as a treatment for posterior crossbite: case report. Braz J Surg Clin Res. 2015;11(4):21-4.

Primozic J, Richmond S, Kau CH, Zhurov A, Ovsenik M.Three-dimensional evaluation of early crossbite correction: a longitudinal study. Eur J Orthod. 2013;35(1):7-13.

Chibinski ACR, Czlusniak GD, Melo MD. Planas direct tracks: orthopedic treatment to correct functional crossbite. R Clin Ortodon Dental Press. 2005;4(3):64-72

Garbin AJI, Wakayama B, Santos RR, Rovida TAS, Garbin CAS. Planas direct tracks for the treatment of posterior crossbite. Rev Cubana Estomatol. 2014;51(1):113-20.

Camargo MCF, Mariani R. A Maloclusão e seus efeitos na articulação: o terceiro maior problema de saúde bucal. http://odontologika.uol.com.br/maloclusao.htm.

Ricketts RM. Logic and Keys to Bio Philosophy and Treatment Mechanics. Scottsdale AZ: American Institute for Bioprogresive Education; 1986. p. 98.

Reitan K, Rygh P. Principios e reações biomecânicas. In: Graber TM, Vanarsdall Júnior RL. Ortodontia: Princípios e técnicas atuais. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1996.

Garbin AJI, Pinto EG, Grieco FAD. Bioprogressiva e reabilitação neuro-oclusal: a evolução da ortodontia. Araçatuba: Somos; 2009.

Weiland FJ, Bantleon HP, Droschl H. Evaluation of continuous arch and segmented arch leveling techniques in adult patients--a clinical study. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1996;110(6):647-52.

Strang RHW. Tratado de ortodontia. Buenos Aires: Bibliografia Argentina; 1957.

Angle EH. Classification of Malocclusion: Dental Cosmos. 1899;41:248-64.

Minomi FM. A importância do tratamento ortodôntico precoce [monografia]. Piracicaba: Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Odontologia de Piracicaba; 2014.

Souza CC, Coura PE, Coura LC, Oliveira SS. Prevalência de maloclusão Classe I, II e III de Angle em um Curso de Especialização em Ortodontia da Cidade de Anápolis. Sci Invest Dent. 2016;21(1):29-33.

Sfalsini, AS. Diferenças e semelhanças entre a técnica do arco contínuo e a terapia bioprogressiva [monografia]. São Paulo: Curso de Especialização em Ortodontia, Universidade Cruzeiro do Sul; 2008

Figueiredo MA, Figueiredo CTP, Nobuyasu M, Gondo GY, Siqueira DF. A versatilidade clínica do arco utilidade. Rev. Dent. Press Ortodon. Ortop. Facial. 2008;13(4):127-56.

Ricketts RW, Bench CF, Gugino JJH, Schulhof RJ. Denver: Rocky Mountain Orrhodonrics; 1979

Almeida MR, Vieira GM, Guimarães Jr. CH, Amad Neto M, Nanda R. Emprego racional da Biomecânica em Ortodontia: "arcos inteligentes". Rev Dent Press Ortodon Ortop Facial. 2006;11(1):122-56.

Vaz CM. Arco Ricketts base in intrusion dental - report of case. Rev Odontol Araçatuba. 2015;36(1):14-23.

Otto RL, Anholm JM, Engel GA. A comparative analysis of intrusion of incisor teeth achieved in adults and children according to facial type. Am J Orthod. 1980;77(4):437-46.

Mcnamara Jr JA. Ordinary Orthodontics: starting with the end in mind. World. J Orthod Carol Stream. 2000;1:45-54.

Sellke TA. Zero base bioprogressive: unlocking the door to the future. Semin Orthod. 1998;4(4):210-18.

Gurgel JA, Ramos AL, Kerr SD. Fios ortodônticos. Rev Dental Press Ortod Ortop Facial. 2001;6(4):103-14.

Preston CB, Kozlowski J, Evans B. Adaptation of the bioprogressive philosophy to use brackets with .022" slots. Semin Orthod. 1998;4(4):238-45.

Garbin AJI, Wakayama B, Martin IM. Filosofia Bioprogressiva de Ricketts e Arco Seccionado de Forças Paralelas no Tratamento da Classe II: relato de caso. Arch Health Invest (2020) 9(1):49-54.

Publicado
2021-05-04
Como Citar
Teruel, G. P., Saliba, T. A., Garbin, C. A. S., & Garbin, A. J. Ísper. (2021). Terapia Bioprogressiva e utilização do arco base: revisão de literatura. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 10(5), 713-716. https://doi.org/10.21270/archi.v10i5.5005
Seção
Original Articles