Complicações associadas a restaurações realizadas em áreas de contato interproximal

Sandson Cleyton Ferreira da Silva Oliveira, Rauhan Gomes de Queiroz, Basilio Rodrigues Vieira, Elizandra Silva Penha, Luanna Abílio Diniz Melquíades de Madeiros, Gymenna Maria Tenório Guenes

Resumo


Introdução: Diversas complicações estão associadas a restaurações realizadas em áreas de contato interproximal levando a tratamentos restauradores insatisfatórios, que poderão acarretar o surgimento de diversas complicações, desde retenção alimentar até formação de bolsas periodontais com perda óssea. Objetivo: Avaliar na literatura quais as principais complicações associadas a restaurações realizadas em áreas de contato interproximal. Metodologia: Realizou-se uma pesquisa de trabalhos nas seguintes bases de dados eletrônica: Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), Biblioteca Eletrônica Scientific Electronic Library Online (SciELO), PubMed e Bibliografia Brasileira de Odontologia (BBO), entre os anos de 2000 a 2018. Resultados: A busca das bases de dados eletrônicas recuperou 97 artigos. Após a leitura do título e resumo, leitura na íntegra e aplicação dos critérios de inclusão e exclusão foi selecionado um total de 14 estudos. Conclusão: Complicações estão associadas às diferentes etapas do tratamento restaurador interproximal, indo desde o difícil diagnóstico à verificação da adaptação marginal. O estabelecimento de ponto de contato com dispositivos foi a complicação mais encontrada.

Descritores: Adaptação Marginal Dentária; Falha de Restauração Dentária; Restauração Dentária Permanente.

Referências

  1. Fejerskov O, Nyvad B, Kidds E. Dental caries: the disease and its clinical management. Oxford: Wiley-Blackwell; 2015.
  2. Hopcraft MS, Morgan MV. Pattern of dental caries experience on tooth surfaces in an adult population. Community Dent Oral Epidemiol. 2006;34(3):174–83.
  3. Skold UM. On caries prevalence and schoo-based fluoride programmes in Swedish adolescente. Swed Dent J Suppl. 2005;1(178):11-75.
  4. Scholtanus JD, Özcan M. Clinical longevity of extensive direct composite restorations in amalgam replacement: up to 3.5 years follow-up. J Dent. 2014;42(11):1404-10.
  5. Melo P, Manarte P, Domingues J, Coelho S, Teixeira L. Técnica para obtenção do ponto de contacto em restaurações de classe II com compósito. Rev Fac Ciênc Sáude. 2005;2(1):63-72.
  6. Santos MJMC. A restorative approach for class ii resin composite restorations: a two-year follow-up. Oper Dent. 2015;40(1):19-24.
  7. Dörfer CE, von Bethlenfalvy ER, Staehle HJ, Pioch T. Factors influencing proximal dental contact strengths. Eur J Oral Sci. 2000;108(5):368-77.
  8. Loomans BAC, Opdam NJM, Roeters FJM, Brinkhorst EM, Plasschaert AJM. The long-term effect of a composite resin restoration on proximal contact tightness. J Dent. 2007;35(2):104-08.
  9. Cho SD; Browning WD, Walton KS. Clinical use of a sectional matrix and ring. Oper Dent. 2010;35(5):587-91.
  10. Meneghel LL, Wang L, Lopes MB, Gonini Junior A.  Interproximal space recovery using an orthodontic elastic separator before prosthetic restoration: a case report. Braz Dent J. 2011;22(1):79-82.
  11. Wirsching E, Loomans BAC, Klaiber B, Dörfer CE. Influence of matrix systems on proximal contact tightness of 2-and 3-surface posterior composite restorations in vivo. J Dent. 2011;39(5):386-90.
  12. Saber MH, El-Bradawy W, Loomans BAC, Ahamed DR, Dörfer CE, El Zohairy A. Creating tight proximal contacts for MOD resin composite restorations. Oper Dent, 2011;36(3):304-10.
  13. Costa TA, Raitz R, Belan LC, Matson MR. Análise do contorno da face proximal obtido em restaurações classe II de resina composta utilizando-se dois tipos diferentes de matrizes metálicas. Rev Odontol Univ São Paulo. 2009;21(1):31-7.
  14. Patras M, Doukoudakis S. Class II composite restorations and proximal concavities: clinical implications and management. Oper Dent. 2013;38(2):119-24.
  15. Prakki A, Cilli R, Saad JOC; Rodrigues JR. Clinical evaluation of proximal contacts of Class II esthetic direct restorations. Quintessence Int. 2004;35(10):785-89.
  16. Kim HS, Na HJ, Kim HJ, Kang DW, Oh SH. Evaluation of proximal contact strength by postural changes. J Adv Prosthodont. 2009;1(3):118-23.
  17. El-Shamy H, Saber M, Dörfer CE, El-Bradawy W, Loomans BAC. Influence of volumetric shrinkage and curing light intensity on proximal contact tightness of class II resin composite restorations: in vitro study. Oper Dent. 2012;37(2):205-10.
  18. Teich ST, Joseph J, Sartori N, Heima M, Duarte S. Dental floss selection and its impact on evaluation of interproximal contacts in licensure exams. J Dent Educ, 2014;78(6):921-26.
  19. Moreira MA, Larentis NL, Arossi GA, Rodruigues ED, Bortoli FR, Haas MF. A radiografia interproximal é necessária para confirmar a adaptação clínica de restaurações proximais com resinas compostas em dentes posteriores? RFO UPF. 2015;20(1):69-74.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.21270/archi.v8i2.3159

Indexação em Base de Dados (Catálogo de Revistas Científicas)
  • BBO - Bibliografia Brasileira de Odontologia
  • BVS – Biblioteca Virtual em Saúde
  • BIREME - Portal de Revistas Científicas em Ciências da Saúde
  • LATINDEX - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe
  • SEER - Diretório de Revistas Brasileiras em SEER
  • DIADORIM - Diretório de Políticas de Acesso Aberto das Revistas Científicas Brasileiras
  • PKP - Public Knowledge Project
  • SCHOLAR GOOGLE