Caracterização dos recém-nascidos pré-termo nascidos no estado do Piauí entre 2011 a 2015

Ruan Luiz Rodrigues de Jesus, Gleyson Moura dos Santos, Maryanna Tallyta Silva Barreto, Mísia Joyner de Sousa Dias Monteiro, Renata Vieira de Sousa Silva, Higo José Neri da Silva

Resumo


O parto pré-termo, é aquele que ocorre antes da 37ª semana de gestação, e é o problema perinatal atual mais importante, pois está associado à morbidade e mortalidade significativas no início da vida. O objetivo do estudo foi caracterizar o nascimento de pré-termos entre mulheres residentes no Estado do Piauí, no período entre 2011 a 2015. Trata-se de estudo descritivo utilizando os dados do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (SINASC) coletados do banco de dados do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS). A população foi constituída por 23.754 nascidos vivos, sendo 26.182 pré-termos. Houve aumento percentual do número de recém-nascidos pré-termos entre os anos estudados. Observou-se que idade materna variou entre 20 e 34 anos, a maioria das mães eram casadas, com escolaridade de 8 a 11 anos, de gravidez única, com 7 consultas pré-natal ou mais, recém-nascido de raça/cor parda relacionaram-se com o nascimento pré-termo. Partos vaginais, recém-nascidos do sexo masculino, também se relacionaram à prematuridade, assim como, a influência da situação socioeconômica. Os recém-nascidos pré-termos caracterizaram-se principalmente por serem de 32 a 36 semanas, sexo masculino, pardos e peso normal ao nascer. Assim, os dados obtidos permitem concluir que o conhecimento e a avaliação do perfil das mães e o número e a situação do nascimento dessas crianças é importante no planejamento de estratégias de saúde eficazes na atenção materno-infantil, objetivando aprimorar políticas públicas para a sobrevivência do recém-nascido e a consequente redução da ocorrência da prematuridade.

Descritores: Recém-Nascido Prematuro; Declaração de Nascimento; Sistemas de Saúde.

Referências

  1. Montenegro RF. Obstetrícia fundamental. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2008.
  2. Saigal S, Doyle LW. An overview of mortality and sequelae of preterm birth from infancy to adulthood. Lancet. 2008;371(9608):261-69.
  3. Goldenberg RL, Culhane JF, Iams JD, Romero R. Epidemiology and causes of preterm birth. Lancet. 2008;371(9606):75-84.
  4. Bettiol H, Rona RJ, Chinn S, Goldani M, Barbieri MA. Factors associated with preterm births in southeast Brazil: a comparison of two birth cohorts born 15 years apart. Paediatr Perinat Epidemiol. 2000;14(1):30-8.
  5. Barros FC, Victora CG, Barros AJ, Santos IS, Albernaz E, Matijasevich A, et al. The challenge of reducing neonatal mortality in middle-income  countries: findings from three Brazilian birth cohorts in 1982, 1993, and 2004. Lancet. 2005;365(9462):847-54.
  6. De Farias Aragão VM, Barbieri MA, Moura Da Silva AA, Bettiol H, Ribeiro VS. Risk factors for intrauterine growth restriction: a comparison  between two Brazilian cities. Pediatr Res. 2005;57(5 Pt 1):674-79.
  7. Blencowe H, Cousens S, Chou D, Oestergaard M, Say L, Moller AB et al. Born Too Soon: The global epidemiology of 15 million preterm births. Reprod Health. 2013;10(Suppl 1):S2.  
  8. Martins MG, Santos GHN, Sousa MS, Costa JEFB, Simões VMF. Associação da gravidez na adolescência e prematuridade. Rev Bras Ginecol Obstet. 2011;33(11):354-60.
  9. Almeida MVL. Prematuridade. In: Chaves Netto H, Moreira de Sá RA. Obstetrícia básica. São Paulo: Atheneu; 2007.
  10. Kilsztajn S, Rossbach A, Carmo MSN, Sugahara GTL. Assistência pré-natal, baixo peso e prematuridade no Estado de São Paulo. Rev Saúde Pública. 2003;37(3):303-10.
  11. Cascaes AM, Gauche H, Baramarchi FM, Borges CM, Peres KG. Prematuridade e fatores associados no Estado de Santa Catarina, Brasil, no ano de 2005: análise dos dados do Sistema de Informações Sobre Nascidos Vivos. Cad Saúde Pública. 2008;24(5):1024-32.
  12. Silva LA, Silva RGA, Rojas PFB, Laus FF, Sakae TM. Fatores de risco associados ao parto pré-termo em hospital de referência de Santa Catarina. Rev AMRIGS. 2009;53(4):354-60.
  13. Costa CE, Gotlieb SLD. Estudo epidemiológico do peso ao nascer a partir da Declaração de Nascido Vivo. Rev Saude Publica. 1998;       32(4):328-34.
  14. Uchimura TT, Pelissari DM, Soares DFPP, Uchimura NS, Santana RG, Moraes CMS. Fatores de risco para o baixo peso ao nascer segundo as variáveis da mãe e do recém-nascido, em Maringá-PR, no período de 1996 a 2002. Cienc Cuid Saude. 2007;6(1):51-8.
  15. Brasil. Fundação Nacional de Saúde. Manual de instruções para o preenchimento da declaração de nascidos vivos. Brasília-DF; 2001.
  16. Silveira MF, Santos IS, Barros AJD, Matijasevich A, Barros FC, Victora CG. Aumento da prematuridade no Brasil: revisão de estudos de base populacional. Rev Saúde Pública. 2008;42(5):957-64.
  17. Silveira MF, Santos IS, Matijasevich A, Malta DC, Duarte EC. Nascimentos pré-termo no Brasil entre 1994 e 2005 conforme o Sistema de Informações Sobre Nascidos Vivos (SINASC). Cad Saúde Pública 2009;25(6):1267-75.
  18. Wen SW, Smith G, Yang Q, Walker M. Epidemiology of preterm birth and neonatal outcome. Semin Fetal Neonatal Med. 2004;9(6):429-35.
  19. Rodrigues LS, Batista RFL, Sousa ACV, Cantanhede JV, Costa LC. Caracterização dos recém-nascidos pré-termos nascidos em São Luís – MA no período de 2006 a 2010: análise do SINASC. Cad Pesq. 2012; 19(3):95-104.
  20. Giglio MRP, Lamounier JA, Morais Neto OL. Via de parto e mortalidade neonatal em Goiânia em 2000. Rev Saúde Pública. 2005; 39(3):350-57.
  21. Barros AJD, Santos IS, Victora CG, Albernaz EP, Domingues MR, Timm IK et al. Coorte de nascimentos de Pelotas, 2004: metodologia e descrição. Rev Saúde Pública. 2006;40(3):402-13.
  22. Silva RP, Caires BR, Nogueira DA, Moreira DS, Gradim CVC, Leite EPRC. Prematuridade: características maternas e neonatais segundo dados do sistema de informações sobre nascidos vivos. Rev enferm UFPE online. 2013;7(5):1349-55.
  23. Almeida MF, Guinsburg R, Martinez FE, Procianoy RS, Leone CR, Marba ST et al. Perinatal factors associated with early deaths of preterm infants born in Brazilian Networkon Neonatal Research centers. J Pediatr. 2008;84(4):300-7.
  24. Ramos HAC, Cuman RKN. Prematuridade e fatores de risco: pesquisa documental. Anna Nery. 2009;13(2):297-304.
  25. Aragão VMF, Silva AAM, Aragão LF, Barbieri MA, Bettiol H, Coimbra LC et al. Fatores de risco para prematuridade em São Luís, Maranhão, Brasil. Cad Saúde Pública 2004;20(1):57-63.
  26. Sampaio RMM, Pinto FJM, Sampaio JC. Fatores de risco associados à prematuridade em nascidos vivos no estado do Ceará. Rev baiana saúde pública. 2012;36(4):969-78.
  27. Dadorian D. Gravidez na adolescência: um novo olhar. Psicol cienc prof. 2003;23(1):84-91.
  28. Ferraz RT, Neves ET. Fatores de risco para baixo peso ao nascer em maternidades públicas. Rev Gaúcha Enferm. 2011;32(1):86-92.
  29. Almeida AC, Jesus ACP, Lima PFT, Araújo MFM, Araújo TM. Fatores de risco maternos para prematuridade em uma maternidade pública de Imperatriz- MA. Rev Gaúcha Enferm. 2012;33(2):86-94.
  30. Silva AAM, Ribeiro VS, Borba Júnior AF, Coimbra LC, Silva RA. Avaliação da qualidade dos dados do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos em 1997-1998. Rev Saúde Pública. 2001; 35(6):508-14.
  31. Salge AKM, Vieira AVC, Aguiar AKA, Lobo SF, Xavier RM et al. Fatores maternos e neonatais associados à prematuridade. Rev Eletr Enf.  2009;11(3):642-46.
  32. Caixeta FF, Corrêa MSNP. Os defeitos do esmalte e a erupção dentária em crianças prematuras. Rev Assoc Med Bras. 2005;51(4):195-99.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.21270/archi.v8i4.3193

Indexação em Base de Dados (Catálogo de Revistas Científicas)
  • BBO - Bibliografia Brasileira de Odontologia
  • BVS – Biblioteca Virtual em Saúde
  • BIREME - Portal de Revistas Científicas em Ciências da Saúde
  • LATINDEX - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe
  • SEER - Diretório de Revistas Brasileiras em SEER
  • DIADORIM - Diretório de Políticas de Acesso Aberto das Revistas Científicas Brasileiras
  • PKP - Public Knowledge Project
  • SCHOLAR GOOGLE