Influência ambiental de um fragmento arbóreo localizado numa área urbana na qualidade de vida dos seus moradores

Anderson Martelli, Luís Rogério Oliveira, Lucas Delbim

Resumo


O aumento da urbanização das cidades brasileiras, muitas vezes sem planejamento, têm provocado sérios danos ambientais e prejuízos à saúde dos seus moradores. As áreas arborizadas apresentam inúmeros efeitos benéficos no microclima – temperatura e umidade do ar, fatores que contribuem na melhoria do conforto térmico e qualidade de vida dos munícipes. O objetivo deste trabalho foi realizar um estudo descritivo e quantitativo quanto às diferenças de temperatura e umidade relativa do ar em dois locais de um conjunto habitacional denominado Braz Cavenaghi, município de Itapira-SP, com características semelhantes de área, destacando-se pela diferença da vegetação arbórea existente e como essa vegetação pode favorecer conforto térmico dos moradores. Os dados foram coletados em uma área bem arborizada e em um local desprovido de vegetação. Os resultados mostraram que a arborização urbana influencia os valores de temperatura e umidade relativa do ar favorecendo a redução do calor gerado nesse ambiente, ampliação das taxas de evapotranspiração com aumento da umidade do ar desempenhando assim, um importante papel na melhoria das condições ambientais das cidades e qualidade de vida de seus habitantes.

Descritores: Microclima; Planejamento de Cidades; Nascentes Naturais.

Referências

  1. Pinheiro CR, Souza DD. A importância da arborização nas cidades e sua influência no microclima. R gest Sust Ambient. Florianópolis. 2017;6(1):67-82.
  2. Labaki LC. Vegetação e conforto térmico em espaços urbanos abertos. Fórum Patrimônio. 2011;4(1):23-42.
  3. Oliveira MM, Alves WS. A influência da vegetação no clima urbano de cidades pequenas: um estudo sobre as praças públicas de Iporá-GO. Rev Territorial. 2013;2(2):61-77.
  4. Abreu LV. Avaliação da escala de influência da vegetação no microclima por diferentes espécies arbóreas [dissertação]. Campinas: Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo – UNICAMP; 2008.
  5. Ribeiro FABS. Arborização urbana em Uberlândia: Percepção da população. Rev Católica. 2009;1(1):224-37.
  6. Bomfim SS, Giotto AC, Silva AG. Câncer de pele: conhecendo e prevenindo a população. Rev Cient Sena Aires. 2018;7(3):255-59.
  7. Gonçalves A, Camargo LS, Soares PF. Influência da vegetação no conforto térmico urbano: Estudo de caso na cidade de Maringá – Paraná. Anais do III Seminário de Pós-Graduação em Engenharia Urbana, 2012.
  8. Gomes MAS, Amorim MCCT. Arborização e conforto térmico no espaço urbano: estudo de caso nas praças públicas de Presidente Prudente (SP). Caminhos de Geografia. 2003;7(10):94-106.
  9. Bartholomei CLB. Influência da vegetação no conforto térmico urbano e no ambiente construído [tese]. Campinas: Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo – UNICAMP; 2003.
  10. Nicodemo MLF, Primavesi O. Por que manter árvores na área urbana? São Carlos: Embrapa Pecuária Sudeste; 2009.
  11. Cruz GCF, Lombardo MA. A importância da arborização para o clima urbano. In: II Seminário Nacional sobre Regeneração Ambiental de Cidades; 2007; Londrina;2007.
  12. Barreto AP, Mathias Filho JM, Felisbino RM, Hunger MS, Delbin LR, Magalhães R et al. Arborização urbana e microclima e a percepção dos acadêmicos de educação física quanto a essa vegetação. Uniciências. 2017;21(2):99-104.
  13. Dacanal C, Labaki LC, Silva TML. Vamos passear na floresta! O conforto térmico em fragmentos florestais urbanos. Ambient constr. 2010;10(2):115-32.
  14. Lima EM. Aplicação do sistema de informações geográficas para o inventário da arborização de ruas de Curitiba, PR [dissertação]. Curitiba: Universidade Federal do Paraná - UFPR; 2011.
  15. Amorim MCCT. Climatologia e gestão do espaço urbano. Mercator. 2010;9(1):71-90.
  16. França MS. Microclimas e suas relações com o uso do solo no entorno de escolas públicas na cidade de Cuiabá/MT. ECS. 2012;2(2):148-161.
  17. Coltri, PP, Velasco GDN, Polizel JL, Demétrio VA, Ferreira NJ.  Ilhas de Calor da estação de inverno da área urbana do município de Piracicaba, SP. In: Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Florianópolis, 2007. Anais.Florianópolis, 2007.
  18. Holbrook NM. Water and Plant Cells. In: Taiz , Zeiger E. (eds.). Plant Physiology. 5. ed. Sunderland: Sinauer Associates, Inc., 2010:67-84.
  19. Oke TR, Sproken Smith RA, Jáureghi E, Grimmond CBS. The energy balance of central Mexico City during the dry season. Atmospheric Environment. 1999; 33:3919-30.
  20. Martelli A, Santos Jr AR. Arborização Urbana do município de Itapira – SP: perspectivas para educação ambiental e sua influência no conforto térmico. REGET 2015;19(2):1018-31.
  21. Specian V, Silva Junior UP, Vecchia FAS. Padrão térmico e higrométrico para dois ambientes de estudo: área urbanizada e remanescente de cerrado na cidade de Iporá-GO. Espaço & Geografia, 2013;16(1):255-77.
  22. Freitas AF, Melo BCB, Cevada CM, Santos JS, Araújo LE. Avaliação microclimática em dois fragmentos urbanos situados no Campus I e IV da Universidade Federal da Paraíba. Rev Bras Geo Fís. 2013;6(4):777-92.
  23. Amato-Lourenço LF, Moreira TCL, Arantes BL, Silva-Filho DF, Mauad T. Metrópoles, cobertura vegetal, áreas verdes e saúde Estudos Avançados. 2016;30(86):113-30.
  24. Dadvand P, Villanueva CM, Font-Ribera L, Martinez D, Basagna X, Belmonte J et al. Risks and benefits of green spaces for children: a cross-sectional study of associations with sedentary behavior, obesity, asthma, and allergy. Environ Health Perspect. 2014;122(12):1329-35.
  25. Wilker EH, Wu CD, McNeely E, Mostofsky E, Spengler J, Wellenius GA, Mitleman MA. Green space and mortality following ischemic stroke. Environ Res. 2014;133:42-8.
  26. Pereira LBP. O profissional de Educação Física e o meio ambiente: uma experiência de educação ambiental e a melhora da qualidade de vida dos moradores dos centros urbanos Arch Health Invest. 2016;5(4):223-28.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21270/archi.v8i12.3912

Indexação em Base de Dados (Catálogo de Revistas Científicas)
  • BBO - Bibliografia Brasileira de Odontologia
  • BVS – Biblioteca Virtual em Saúde
  • BIREME - Portal de Revistas Científicas em Ciências da Saúde
  • LATINDEX - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe
  • SEER - Diretório de Revistas Brasileiras em SEER
  • DIADORIM - Diretório de Políticas de Acesso Aberto das Revistas Científicas Brasileiras
  • PKP - Public Knowledge Project
  • SCHOLAR GOOGLE