A influência do lúdico no processo de hospitalização infantil: a visão do palhaço

  • Gabriela Bovo Simioni
  • Jussiara de Almeida
  • Larissa de Fátima Silva
  • Tamara Aparecida de Souza Leite
  • Sergio Fernando Zavarize Brasil
  • Anderson Martelli

Resumo

A internação hospitalar pode afetar o desenvolvimento da criança uma vez que esta se depara com um ambiente insalubre, causador de estresse e ansiedade, que a retira de seu cotidiano, apresentando uma situação de estranheza e abandono. Desta forma, considerando que tais fatores sejam mais relevantes no contexto infantil, este trabalho propôs a averiguação da visão humanizadora do palhaço, frente a sua atuação lúdica na tentativa de promover a integração de fatores essenciais para o bem-estar psíquico, físico e social da criança e do acompanhante no ambiente hospitalar. A metodologia utilizada foi uma pesquisa de natureza aplicada, sendo indutiva qualitativa, cujo objetivo foi coletar, por meio de questionário, relatos dos palhaços e médicos quanto às alterações emocionais e comportamentais ocorridas com os pacientes e acompanhantes durante as atuações e se são capazes de influenciar no tratamento desses pacientes. Participaram da pesquisa cinco indivíduos com idade entre 21 a 30 anos, de ambos os sexos que atuam como palhaços nos hospitais do município de Mogi Guaçu(SP)-Brasil e dois médicos que atuam na área pediátrica hospitalar. Nos resultados foi possível observar uma percepção positiva sobre os efeitos da atuação dos palhaços sobre a criança internada; concluindo que o ato de brincar pode ser extremamente benéfico na recuperação da criança e para a execução dos procedimentos clínicos nos leitos hospitalares.

Descritores: Hospitalização; Saúde da Criança; Ludoterapia; Jogos e Brinquedos; Adaptação Psicológica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Carvalho AM, Begnis JG. Brincar em unidades de atendimento pediátrico: aplicações e perspectivas. Psicologia em Estudo. 2006;11(1):109-17.

Parcianello AT, Felin RB. E agora doutor, onde vou brincar? Considerações sobre a hospitalização infantil. Barbarói. 2008; 28(1):147-66.

Vitorino SC, Linhares MBM, Minardi MRFL. Interações entre crianças hospitalizadas e uma psicóloga, durante atendimento psicopedagógico em enfermaria de pediatria. Estud Psicol. 2005; 10(2):267-77.

Bersch AAS. O brincar como fator potencializador da saúde ambiental no microssistema pediatria: uma análise bioecológica [dissertação]. Rio Grande: Universidade Federal do Rio Grande; 2005.

Oliveira SSG, Dias MGBB, Roazzi A. O lúdico e suas implicações nas estratégias de regulação das emoções em crianças hospitalizadas. Psicol Reflex Crit. 2003; 16(1):1-13.

Garbino A, Assis CR, Carmo DS, Meister D, Silva ECS, Acorci P. Brincar é coisa séria. Disponível em: https://psicologado.com/atuacao/psicologia-hospitalar/ brincar-e-coisa-seria. Acesso em: 04 de outubro 2016.

Machado MMP, Gioia-Martins D. A criança hospitalizada: espaço potencial e o palhaço. Bol Iniciação Científica Psicol. 2002, 3(1): 34-52.

Straub R. Nutrição, obesidade e transtorno da alimentação. In: Psicologia da saúde. Porto Alegre: Artmed, 2005. cap.7.

CONANDA. Resoluções do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente. Disponível em: <http://dh.sdh.gov.br/download/resolucoes-conanda/res-1-a-99.pdf> Acesso em: 12 outubro 2016.

Kumamoto LHMCC, Gadelha ECM, Monteiiro FR, Silva LRMS, Leite MC, Santos RGC. Apoio à criança hospitalizada: uma proposta de intervenção lúdica. Rev Extensão Cidadã. 2006;1.

Valle ER, Ramalho MAN. O câncer na criança: a difícil trajetória. In Carvalho VA. (Org.). Temas em Psico-oncologia. São Paulo: Summus; 2008.

Araújo TCCF, Guimarães TB. Interações entre voluntários e usuários em onco-hematologia pediátrica: um estudo sobre os “palhaços-doutores”. Est Pesqui Psicol. 2009;9(3):632-47.

Ventura AF, Bobillo FS, Gil MD. A brincadeira que virou solidariedade – Os doutores da Alegria. Disponível em: http://www.unimep.br/ phpg/ mostraacademica/anais/4mostra/pdfs/289.pdf. Acesso em: 11 de outubro 2016.

Soares ALM. Palhaço de hospital: proposta metodológica de formação. [tese].Rio de Janeiro: PPGT–Unirio; 2007.

Warren B, Chodzinski R. An interview with Dr. Bernie Warren, clown doctor and founder of fools for health. Teaching and Learning. 2005; 2(3):7-10.

Jeammet P. Reynaud M. Consoli S. Manual de psicologia médica. Rio de Janeiro: Medsi; 2000.

Carmo MRC. O brincar no hospital: possibilidade de recuperação da saúde da criança e do adolescente. Disponível em: http://editorarealize.com.br/ revistas/fiped/trabalhos/Trabalho_Comunicacao_oral_idinscrito_1258_3bc07d0d116e6e025a6470a4ff9a973e.pd. Acesso em 20 de agosto 2015.

Motta AB, Enumo SRF. Brincar no hospital: estratégia de enfrentamento da hospitalização infantil. Psicologia em Estudo. 2004; 9(1):19-28.

Publicado
2017-01-23
Como Citar
Simioni, G. B., Almeida, J. de, Silva, L. de F., Leite, T. A. de S., Zavarize, S. F., & Martelli, A. (2017). A influência do lúdico no processo de hospitalização infantil: a visão do palhaço. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 6(1). https://doi.org/10.21270/archi.v6i1.1773
Seção
Artigos