A Influência da Alteração de Temperatura da Resina Acrílica Autopolimerizável na Resistência Adesiva

  • Kelly Andrade Castillo
  • Saulo Roberto Mioto da Costa
  • Daisilene Baena Castillo
  • Danilo Mathias Zanello Guerisoli
  • José Luiz Guimarães de Figueiredo

Resumo

Para o estudo da avaliação de infiltração são realizados testes mecânicos e leituras microscópicas. O embutimento dos corpos de prova pode ser feito com a resina acrílica autopolimerizável. O presente trabalho tem o objetivo de avaliar se a alteração da temperatura da resina acrílica autopolimerizável durante sua polimerização influência na resistência adesiva. Para o desenvolvimento do estudo in vitro foram utilizados 30 incisivos bovinos, sendo divididos em dois grupos: Grupo Resina Acrílica, embutido em resina acrílica autopolimerizável rosa e Grupo Controle, o qual não foi embutido, tendo ambos o esmalte desgastado expondo a dentina, foram aplicados o sistema adesivo frasco único de acordo com as normas do fabricante e confeccionados os cones de resina composta sobre a dentina. Foi realizado o teste de tração na Máquina Universal de Ensaio Microprocessada. Para mensuração de temperatura da polimerização da resina acrílica foi utilizado um termômetro digital que tem funções de medir a temperatura interna e externa e a máxima e mínima. A análise estatística revelou diferenças significantes entre os grupos testados (P<0,05), sendo o grupo embutido com resina acrílica apresentou valores de adesão semelhantes (15,68 ± 7,88) ao grupo controle (21,78 ± 4,19). Com base nos dados obtidos, pode-se verificar que a alteração de temperatura que a resina acrílica sofre durante sua polimerização influenciou no embutimento dos corpos de prova, isso mostra que essa variação térmica interferiu significativamente na resistência adesiva.

Palavras chave: Resistência à tração; Adesividade; Odontologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Buonocore MG. A simple method of increasing the adhesion of acrylic to enamel surfaces. J Dent Rest. 1955; 34 (6):849-53.

Ferreira MC. Preparo de amostras para realização do teste de microdureza. Florianópolis: [s.n]. 2004. 32p.

Donassollo TA, Romano AR, Demarco FF, Della-Bona A. Avaliação da microdureza superficial do esmalte e da dentina de dentes bovinos e humanos (permanentes e decíduos). Rev Odonto Ciênc. 2007; 22(58):311-16.

Matos IC, Sab TBB, Juliboni NC, Guerra RF, Miranda MS. Utilização de dentes bovines como possível substituto aos dentes humanos nos teste in vitro: revisão de literatura. Rev Odontol. 2008; 10(2): 58-63.

Ando F, Komori A, Kojima I. Tensile bond strength of light-cured resin-reinforced glass-ionomer cement with delayed light exposure. Odonology. 2001; 89(1):45-48.

Mussolino ZM, Borsatto MC, Turbino ML. Resistência ao cisalhamento de um selante associado a componentes de um sistema adesivo dental. Rev Odontol Univ São Paulo. 1998; 12(4): 389-94.

Garci FCP, D’Alpino PHP, Terada RSS, Carvalho RM. Testes mecânicos para a avaliação laboratorial da união resina/dentina. Rev Fac Odontol Bauru. 2002; 10(3):118-27.

Pashley DH, Sano H, Ciucchi B, Yoshiyama M, Carvalho RM. Adhesion testing of dentin bonding agents: a review. Dent Mater. 1995; 11(2): 117-25.

Sano H, Shono T, Sonoda H, Takatsu T, Ciuchi B, Carvalho RM. Relationship between surface area for adhesion and tensile bond strength – evaluation of a micro-tensile bond test. Dent Mater. 1994; 10(4): 236-40.

Kemper K, KillianR. New test systems of tensile bond strength testing [abstrac 308]. J Dent Res. 1976; 55(Spec Iss), Resumo n. 308.

Martín CL, López AG, Mondelo JMNR. The effect of various surface treatment and bonding agents on the repaired strength of heat-treated composites. J Prosthet Dent. 2001; 86(5): 481-8.

Nakabayashi N, Pashely DH. Hibridização dos tecidos dentais duros: a qualidade da dentina hibridizada. São Paulo: Quintessence; 2000. p. 85-93.

Fumiaki K, Takafumi O, Tetsuo I, Naoyuki M. Influence of thermal cycles water on flexural strength of laboratory – processed composite resin. J Oral Rehabil. 2001; 28: 703-7.

Wendt SL, Mcinnes PM, Dickinson GL. The effect of thermo-cycling in microleakage analysis. Dent Mater. 1992; 8: 181-4.

Huang MS, Li MT, Huang FM, Dong SJ. The effect of thermocycling and dentine pre-treatment on the durability of the bond between composite resin and dentine. J Oral Rehabil. 2004; 31: 492-9.

Mizunuma, T. Relationship between bond strength of resin to dentin and structural change of dentin collagen during etching. Influence of ferric chloride to structure of the collagen. J Jpn Dent Mater. 1986; 5: 54-64.

Publicado
2013-06-09
Como Citar
Castillo, K. A., Costa, S. R. M. da, Castillo, D. B., Guerisoli, D. M. Z., & Figueiredo, J. L. G. de. (2013). A Influência da Alteração de Temperatura da Resina Acrílica Autopolimerizável na Resistência Adesiva. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 2(3). Recuperado de https://archhealthinvestigation.com.br/ArcHI/article/view/199
Seção
Artigos