Caracterização das internações por intoxicação medicamentosa, São Paulo, 2004 a 2006

  • Janessa de Fátima Morgado de Oliveira
  • Gabriela Arantes Wagner
  • Nicolina Silvana Romano-Lieber
  • José Leopoldo Ferreira Antunes

Resumo

Introdução: Os medicamentos representam um instrumento essencial para a capacidade resolutiva dos serviços de saúde por estarem associados a finalidades profiláticas, curativas, paliativas ou diagnósticas, mas sua grande utilização favorece o surgimento de problemas e riscos. As intoxicações são um exemplo e constituem um problema de saúde pública no país. Objetivo: As internações por intoxicação medicamentosa no município de São Paulo entre os anos 2004 e 2006 foram caracterizadas quanto à frequência em relação ao total de casos por faixa etária, sexo, tempo de internação, intenção e medicamentos envolvidos. Material e métodos: Os coeficientes de internação foram calculados segundo faixa etária e sexo. Resultados: O tempo total de internação para os casos estudados foi de 14.852 dias (média de 4,4 dias). A idade média dos internados foi de 33,5 anos, com maior frequência para mulheres (60,5%). Houve maior prevalência de intoxicações por benzodiazepínicos (7,5%) e antibióticos sistêmicos não especificados (7%). Os maiores coeficientes  de internação foram observados entre idosos (≥ 70 anos) e sexo feminino em todos os anos de estudo. Conclusão: São necessárias ações para diminuição do número de casos de intoxicações entre idosos e mulheres (alta prevalência do uso de medicamentos), e para os jovens (tentativas de suicídio).

Descritores: Admissão do Paciente; Hospitalização; Envenenamento; Preparações Farmacêuticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Romano-Lieber NS. Farmacoepidemiologia. In: Cordeiro BC, Leite SN. O Farmacêutico na Atenção à Saúde. Univali. São Paulo, 2005.

Mota DM, Melo JRR, Freitas DRC, Machado M. Perfil de mortalidade por intoxicação com medicamentos no Brasil, 1996-2005: retrato de uma década. Ciênc saúde coletiva. 2012; 17(1):61-70.

OPAS. Avaliação da assistência farmacêutica no Brasil: estrutura, processo e resultados. Brasília (DF): Organização Panamericana de Saúde, Ministério da Saúde, 2005.

Silvério MS, Leite ICG. Qualidade das prescrições em município de Minas Gerais: uma abordagem farmacoepidemiológica. Rev Assoc Med Bras. 2010; 56(6):675-80.

WHO. How to investigate drug use in health facilities – selected use drug indicators. Action Programme on Essential Drugs. Genebra, 1993..

Santos SA, Legay LF, Aguiar FP, Lovis GM, Abelha L,

Oliveira SP. Tentativas e suicídio por intoxicação exógena no Rio de Janeiro, Brasil: análise das informações através de linkage probabilístico. Cad Saúde Pública. 2014; 30(5):1057-66.

Margonato FB, Thomson Z, Paoliello MMB. Acute intentional and accidental poisoning with medications in a southern Brazilian city. Cad Saúde Pública. 2008; 25(4):849-56.

Bernardes SS, Turini CA, Matsuo T. Perfil das tentativas de suicídio por sobredose intencional de medicamentos atendidas por um Centro de Intoxicações do Paraná, Brasil. Cad Saúde Pública. 2010; 26(7):1366-72.

WHO. Public Health action for the prevention of suicide – a framework. Genebra, 2012.

Rozenfeld S. Agravos provocados por medicamentos em hospitais do Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Rev Saúde Pública. 2007; 41(1)108-15.

Gawryszewski VP, Jorge MHPM, Koizumi MS. Mortes e internações por causas externas entre os idosos no Brasil: o desafio de integrar a saúde coletiva e atenção individual. Rev Assoc Med Bras. 2004; 50(1):97-103.

Loyola Filho AI, Uchoa E, Lima-Costa MF. Estudo epidemiológico de base populacional sobre consumo de medicamentos entre idosos na Região Metropolitana de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Cad Saúde Pública. 2006; 22(12): 2657-67.

Flores VB, Benvegnú LA. Perfil de utilização de medicamentos em idosos da zona urbana de Santa Rosa, Rio Grande do Sul, Brasil. Cad Saúde Pública. 2008; 24(6): 1439-46.

Flores LM, Mengue SS. Uso de medicamentos por idosos em região do sul do Brasil. Rev Saúde Pública. 2005; 39(6):924-9.

Pizzol TSD, Pons ES, Hugo FN, Bozzetti MC, Souza MLR, Hilgert JB. Uso de medicamentos entre idosos residentes em áreas urbanas e rurais de município no Sul do Brasil: um estudo de base populacional. Cad Saúde Pública. 2012; 28(1):104-14.

Ribeiro AQ, Rozenfeld S, Klein CH, César CC, Acurcio FA. Inquérito sobre uso de medicamentos por idosos aposentados, Belo Horizonte, MG. Rev Saúde Pública. 2008; 42(4):724-32.

Rozenfeld S. Prevalência, fatores associados e mau uso de medicamentos entre idosos: uma revisão. Cad Saúde Pública. 2003; 19(3):717-24.

Marin MJS, Cecílio LCO, Perez AEWUF, Santella F, Silva CBA, Gonçalves Filho JR et al. Caracterização do uso de medicamentos entre idosos de uma unidade do Programa Saúde da Família. Cad Saúde Pública. 2008; 24(7):1545-55.

Villela W, Monteiro S, Vargas E. A incorporação de novos temas e saberes nos estudos em saúde coletiva: o caso do uso da categoria gênero. Ciênc saúde coletiva. 2009; 14(4):997-1006.

WHO. World report on child injury prevention. WHO Library Cataloguing-in-Publication. Genebra, 2008.

Francisco PMSB, Bastos TF, Costa KS, Prado MAMB, Barros MBA. The use of medication and associated factors among adults living in Campinas, São Paulo, Brazil: differences between men and women. Ciênc saúde coletiva. 2014; 19(12):4909-21

Galduróz JCF, Noto AR, Nappo AS, Carlini EA. Uso de drogas psicotrópicas no Brasil: pesquisa domiciliar envolvendo as 107 maiores cidades do país – 2001. Rev Latino-am Enfermagem. 2005; 13(número especial): 888-95.

Paula TC, Bochner R, Montilla DER. Análise clínica e epidemiológica das internações hospitalares de idosos decorrentes de intoxicações e efeitos adversos de medicamentos, Brasil, de 2004 a 2008. Rev Bras

Epidemiol. 2012; 15(4):828-44.

WHO. International Statistical Classification of Diseases and Related Health Problems. 10th Revision. Volume 2: Instruction Manual. 2010 ed. Genebra, 2011.

Publicado
2018-07-17
Como Citar
de Oliveira, J. de F. M., Wagner, G. A., Romano-Lieber, N. S., & Antunes, J. L. F. (2018). Caracterização das internações por intoxicação medicamentosa, São Paulo, 2004 a 2006. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 7(6). https://doi.org/10.21270/archi.v7i6.3029
Seção
Artigos