Impacto da anatomia do rebordo residual sobre a eficiência mastigatória em usuários de prótese total convencional

  • Campos MFTP, Araujo RFF, Melo LA, Medeiros AKB, Aguiar GB, Carreiro AFP

Resumo

Objetivou-se correlacionar a anatomia de rebordos residuais e a eficiência mastigatória em usuários de prótese total. Para esse estudo transversal com série temporal, medições foram realizadas em 74 modelos superiores e inferiores com compasso de ponta seca e régua milimetrada, classificando-se os arcos e rebordos em pequenos, medianos e grandes. A eficiência mastigatória foi obtida pelo método das tamises com próteses antigas e novas, após 3 meses de instalação. Para as correlações das variáveis anatômicas dos rebordos (altura, largura e tamanho das cristas, além do comprimento, largura e tamanho dos arcos maxilares e mandibulares) e a eficiência mastigatória, utilizou-se o teste Correlação de Spearman. Diferença entre médias das eficiências mastigatórias foram verificadas com o teste Wilcoxon. Todos com nível de significância de 5%. Como resultados verificou-se que maiores alturas da crista maxilar, obtiveram melhor eficiência mastigatória nas próteses antigas (p=0,026) e novas (p=0,041). Não houve correlação entre a largura e tamanho da crista maxilar. A correlação foi significativa para a largura do arco maxilar com as próteses antigas (p=0,004) e com as próteses novas ficou no limiar de significância (p=0,087). Não houve correlação das eficiências mastigatórias no rebordo inferior nem diferença entre médias das eficiências mastigatórias com as próteses antigas e novas. Concluiu-se que a altura da crista e a largura do arco maxilar influenciaram na eficiência mastigatória, enquanto que a anatomia do rebordo inferior, pouco influenciou.

Descritores: Retenção da Prótese; Mastigação.

Referências

  1. Stjernfeldt PE, Wardh I, Trulsson M, Irving GFBoström AM. Methods for objectively assessing clinical masticatory performance: protocol for a systematic review. Syst Rev. 2017; 6:20.
  2. Pietrokovski J, Harfin J, Levy F. The influence of age and denture wear on the size of edentulous structures. Gerodontology. 2003; 20(2):100-5.
  3. Slagter AP, Olthoff LW, Bosman F, Steen WH. Masticatory ability, denture quality, and oral conditions in Edentulous subjects. J Prosthet Dent. 1992; 68(2):299-307.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-10-11
Como Citar
Medeiros AKB, Aguiar GB, Carreiro AFP, C. M. A. R. M. L. (2018). Impacto da anatomia do rebordo residual sobre a eficiência mastigatória em usuários de prótese total convencional. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 7. Recuperado de https://archhealthinvestigation.com.br/ArcHI/article/view/3327