Experiências vivenciadas em uma farmácia de manipulação: um relato de experiência

  • Francisco Patricio de Andrade Júnior
  • Júlia Beatriz Pereira de Souza

Resumo

Introdução: A realização de estágios permite que o futuro profissional farmacêutico possa ter um contato mais precoce com situações cotidianas que ocorrem diariamente na jornada laboral. Ademais, esse tipo de experiência contribui para por em práticas conhecimentos teórico-práticos anteriormente adquiridos. Contudo, na literatura existem poucos estudos que relatem a experiência vivenciada em estágios, sobretudo, em farmácia magistral. Objetivo: Assim, o presente trabalho teve como objetivo relatar as experiências adquiridas durante o estágio em farmácia com manipulação. Materiais e métodos: Tratou-se de um estudo descritivo, do tipo relato de experiência realizado entre setembro a novembro de 2018. Resultados: Durante o estágio foi possível produzir cápsulas contendo hormônios, antimicrobianos e medicamentos em geral, assim como sachês, além de xampus, condicionadores, hidratantes, clareadores e algumas suspensões. Ainda ficava como encargo do estagiário fazer a calibração de todas as balanças, diariamente e de produzir o álcool a 70% utilizado para a limpeza de bancadas, equipamentos e materiais. Conclusão: Assim, conclui-se que a experiência de realizar estágio em farmácia com manipulação pode contribuir para o desenvolvimento de novas habilidades e conhecimentos e possibilita que o estudante de farmácia se sinta mais seguro e preparado para atuar com a manipulação de medicamentos.

Descritores: Educação Farmacêutica; Estágios; Preparações Farmacêuticas.

Referências

  1. UFCG. Universidade Federal de Campina Grande. Resolução nº08/2009. 2009. Disponível em: <http://www.ufcg.edu.br/~costa/resolucoes/res_16082009.pdf>. Acesso em: 16 nov. 2018.
  2. CFF. Conselho Federal de Farmácia. Guia prático do farmacêutico magistral. Brasília: CFF; 2017.
  3. BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da diretoria colegiada – RDC nº 67, de 8 de outubro de 2007. 2007. Disponível em:< https://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/legislacao/item/rdc-67-de-8-de-outubro-de-2007 >. Acesso em: 05 fev. 2019.
  4. Busanello C, Gomes E, Galina KJ, Gamara Júnior JS, Provasi M, Hashimoto MSM, Hoffmann RAG. Farmácia com manipulação: guia da profissão farmacêutica. Curitiba: CRF- PR; 2017.
  5. Alves AP, Moura A, Neutgem ERV, Silva JM, Cunha NS, Oka SK et al. Avaliação das boas práticas de manipulação nas farmácias com manipulação de Cuiabá e Várzea Grande, Estado de Mato Grosso. Rev Bras Farm. 2009;90(1):75-80.
  6. Santos DCFS. Revisão da qualidade na farmácia magistral. 2013. Disponível em: < http://www.anfarmag.com.br/files/artigo-tecnico/20130725_111837_02519.pdf>. Acesso em: 17 nov. 2018.
  7. Andrade Júnior FP, Barbosa VSA. Monitoria acadêmica em parasitologia humana: um relato de experiência. Rev Saúde Com. 2017;13(3):972-75.
  8. Neves HCC, Souza ACS, Medeiros M, Munari DB, Ribeiro LCM, Tipple AFV. Segurança dos trabalhadores de enfermagem e fatores determinantes para adesão aos equipamentos de proteção individual. Rev Latino-Am Enfermagem. 2011;19(2):354-61. 
  9. Maia Neto JF. Farmácia hospitalar e suas interfaces com a saúde. Editora RX: São Paulo; 2005
  10. SBRT. Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas. Dossiê técnico - Manipulação de cápsulas. 2012. Disponível em: <http://www.respostatecnica.org.br/dossie-tecnico/downloadsDT/NjEwOQ>. Acesso em: 20 nov. 2018.
  11. Allen Júnior LV.  Introdução à farmácia de Remington. Artmed: Porto Alegre; 2016.
  12. BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Farmacopeia Brasileira. Brasília: Anvisa; 2010.
  13. USP. Universidade de São Paulo. Formas Farmacêuticas. 2016. Disponível em: <https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4152593/mod_resource/content/9/FORMAS%20FARMACEUTICAS%20aula%20atual.pdf>. Acesso em: 30 nov. 2018.
  14. Angonesi D, Rennó MUP. Dispensação farmacêutica: proposta de um modelo para a prática. Ciênc saúde coletiva. 2011;16(9):3883-91.
  15. IPEM-PR. Instituto de Pesos e Medidas do Estado do Paraná. Calibração de Equipamentos. 2014. Disponível em: < http://www.saude.pr.gov.br/arquivos/File/apresentacao_calibracao_de_equipamentos_2014.pdf>. Acesso em: 06 dez. 2018.
  16. Tiyo R, Torquato AS, Jacques FO, Colombo TC. Determinação do álcool 70% utilizado para antissepsia em drogarias e farmácia de Maringá-Paraná. Rev Bras Farm. 2009;90(3):231-35.
  17. Ribeiro MM, Neumann VA, Padoveze MC, Graziano KU. Eficácia e efetividade do álcool na desinfecção de materiais semicríticos: revisão sistemática. Rev Latino-Am Enfermagem. 2015;23(4):741-52.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-08-25
Como Citar
Andrade Júnior, F. P. de, & Souza, J. B. P. de. (2020). Experiências vivenciadas em uma farmácia de manipulação: um relato de experiência. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 9(3). https://doi.org/10.21270/archi.v9i3.4669
Seção
Relatos de Experiência