Interações medicamentosas: fitoterápicos utilizados na Odontologia e fármacos de uso contínuo dos pacientes

  • Ana Mozzer Medeiros Nóbrega D’ávila Curso de Graduação em Odontologia. Centro de Saúde e Tecnologia Rural, Universidade Federal de Campina Grande - UFCG, 58708-110 Patos - PB, Brasil
  • José Henrique de Araújo Cruz Curso de Graduação em Odontologia. Centro de Saúde e Tecnologia Rural, Universidade Federal de Campina Grande - UFCG, 58708-110 Patos - PB, Brasil
  • Gymenna Maria Tenório Guênes Professora Doutora do Curso de Graduação em Odontologia. Centro de Saúde e Tecnologia Rural, Universidade Federal de Campina Grande - UFCG, 58708-110 Patos - PB, Brasil
  • Abrahão Alves de Oliveira Filho Professor Doutor do Curso de Graduação em Odontologia. Centro de Saúde e Tecnologia Rural, Universidade Federal de Campina Grande - UFCG, 58708-110 Patos - PB, Brasil
  • Raline Mendonça dos Anjos Professora Doutora do Curso de Graduação em Odontologia. Centro de Saúde e Tecnologia Rural, Universidade Federal de Campina Grande - UFCG, 58708-110 Patos - PB, Brasil
Palavras-chave: Odontologia, Fitoterapia, Interações Ervas-Drogas

Resumo

A Fitoterapia caracteriza-se como a prática terapêutica que utiliza as plantas medicinais em suas variadas elaborações farmacêuticas, com finalidade curativa, e está presente em nossa cultura desde os primórdios. A utilização dos fitoterápicos na odontologia apresenta um variado leque de alternativas de substâncias que atuam sobre as afecções/doenças que acometem a cavidade oral, proporcionando assim uma opção terapêutica. O objetivo desse trabalho é apresentar interações planta-medicamento através de levantamento bibliográfico em base de dados Scielo, Google Acadêmico e livros, contribuindo assim para a prática clínica. Alguns fitoterápicos como Allium sativum (Alho), Uncaria tomentosa Linn (unha de gato), Matricaria camomila L (camomila), Cymbopogon citratus (capim santo) e Valeriana officinalis (Valeriana) apresentam importante utilização na odontologia, tais como atividade anti-inflamatória, antimicrobiana, antifúngica e sedativa. Entretanto, a literatura cientifica reporta diversas interações entre essas plantas e medicamentos, que em diferentes níveis de gravidade podem comprometer a saúde dos pacientes, tais como potencialização da depressão do sistema nervoso central, causada por benzodiazepínicos e antidepressivos e sangramento por AINES. O conhecimento dessas interações é fundamental para que o cirurgião-dentista possa realizar o tratamento dos pacientes com o uso racional dos medicamentos e fitoterápicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Araújo Neto AP, Gomes NML, Souza ERL, Cruz JHA, Sousa MLA, Nunes IS, Oliveira Filho AA. Fitoterapia como opção de tratamento para a mucosite oral: uma revisão da literatura. Arch Health Invest. 2018;7(Spec Iss 7):62

Santos GAB, Andreani DIK. Utilização de extratos de plantas no controle in vitrode micro-organismos componentes da microbiota oral. Arch Health Invest 2015:4(Special Issue 4):50

Lima Júnior JF, Dimenstein MA. Fitoterapia na Saúde Pública em Natal/RN: visão do odontólogo. Rev Saúde. 2006;8(19):1937-44.

Bettega PVC, Czlusniak GR, Piva R, Namba EL, Ribas CR, Grégio AMT. Phytotherapy: from greenhouses to drugstore’s bench. Arch Oral Res. 2011;7(1):89-97.

Francisco KSF. Fitoterapia: Uma opção para o tratamento odontológico. Rev Saúde. 2010;4(1):18-24.

Bachmann KA, Lewis JD, Fuller MA, Bonfiglio MF. Interações medicamentosas. Barueri: Manole; 2006.

Pereira MSV. Plantas medicinais e produtos bioativos na Odontologia. João Pessoa: CCTA; 2016.

Lorenzi H, Matos FJA. Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas. São Paulo: Instituto Plantarum; 2008.

Matos FJA. Farmácias vivas: sistema de utilização de plantas medicinais projetado para pequenas comunidades. 3. ed. Fortaleza: UFC; 1998.

Oliveira FQ, Gobira B, Guimarães C, Batista J, Barreto M, Souza M. Espécies vegetais indicadas na odontologia. Braz J Pharmacogn. 2007;17(3):466-76.

Soyama P. Plantas medicinais são pouco exploradas pelos dentistas. Cienc Cult. 2007;59(1):12-13.

Lustosa LJ, Mesquita MA, Quelhas OLG, Oliveira RJ. Planejamento e controle da produção. Rio de Janeiro: Campus; 2008.

Varoni EM, Lodi G, Sardella A, Carrassi A, Iriti M. Plant polyphenols and oral health: old phytochemicals for new fields. Curr Med Chem. 2012;19(11):1706-20.

Albuquerque UP, Hanazaki N. As pesquisas etnodirigidas na descoberta de novos fármacos de interesse médico e farmacêutico: fragilidades e perspectivas. Rev Bras Farmacogn. 2006;16(Suppl):678-89.

Brasil. Conselho Federal de Odontologia (CFO). Resolução CFO nº .82/2008 de 25 de setembro de 2018- Reconhece e regulamenta o uso pelo cirurgião-dentista de práticas integrativas e complementares à saúde bucal. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 01 de outubro de 2008.

Cavalcante R. As plantas na Odontologia: um guia prático. Rio Branco: Expressão; 2008.

Andrade ED. Terapêutica medicamentosa em Odontologia: procedimentos clínicos e uso de medicamentos nas principais situações da prática odontológica. 2. ed. São Paulo: Artes Médicas; 2006.

Pivello VL. Cirurgião-Dentista pode prescrever qualquer tipo de medicamento?APCD março de 2009. Disponível em:http://www.apcd.org.br/noticias.asp?idnoticia=3007. Acesso: 30 de maio de 2019.

Silva BBM, Santos MVD, Ferreira FES; Medeiros CAC, Freitas JCR. Interação medicamentosa entre plantas medicinais/fitoterápicos e fármacos. Campina Grande: Conbracis; 2018.

Sehn R, Camargo AL, Heineck I, Ferreira MBC. Interações medicamentosas potenciais em prescrições de pacientes hospitalizados. Infarma. 2003;15(9/10):77-81.

Aleluia CM, Procópio VC, Oliveira MTG, Furtado PGS, Giovannini JFG, Mendonça SMS. Fitoterápicos Na Odontologia. Rev Odontol Univ Cid São Paulo. 2015;27(2):126-34.

Ccahuana-Vasquez RA, Santos SS, Koga-Lto CY, Jorge AO. Antimicrobial activity of Uncaria tomentosa against oral human pathogens. Braz Oral Res. 2007;21(1):46-50.

Bieski IGC. Utilização de medicamentos fitoterápicos com ênfase na Urticaria tomentosa (Will) DC, dispensados em farmácias de manipulação na grande Cuiabá [monografia] Lavras: Universidade Federal de Lavras; 2006

Akesson C, Lindgren H, Pero RW, Leanderson T, Ivars F. Quinic acid is a biologically active component of the Uncaria tomentosa extract C-Med 100. Int Immunopharmacol. 2005;5(1):219-29.

Felten RD, Magnus K, Santos L, Souza AH. Interações medicamentosas associadas a fitoterápicos fornecidos pelo Sistema Único de Saúde. Inova Saúde. 2015;4(1):46-64.

Cunha AP, Silva A, Roque O. Plantas e Produtos Vegetais em Fitoterapia. 3 ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian; 2009.

Cavaco, JSAP. Interações entre produtos à base de plantas com os medicamentos usados em cardiologia. [dissertação]. Algarve: Universidade do Algarve; 2014.

Cavalcante ALFA. Plantas medicinais e saúde bucal: estudo etnobotânico, atividade antimicrobiana e potencial para interação medicamentosa [dissertação] João Pessoa: Curso de Programa de Pós Graduação em Odontologia, Diagnóstico Bucal, UFPB; 2010.

Dias M, Salgueiro L. Interações entre preparações à base de plantas medicinais e medicamentos. Rev Fitoter. 2009;9(1):5-22.

Caetano NLB, Ferreira TF, Reis MRO, NEO GGA, Carvalho AA. Plantas medicinais utilizadas pela população do município de Lagarto- SE, Brasil – ênfase em pacientes oncológicos Rev Bras Pl Med. 2015;17(4):748-56.

Publicado
2021-03-23
Como Citar
D’ávila, A. M. M. N., Cruz, J. H. de A., Guênes, G. M. T., Oliveira Filho, A. A. de, & Anjos, R. M. dos. (2021). Interações medicamentosas: fitoterápicos utilizados na Odontologia e fármacos de uso contínuo dos pacientes. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 10(3), 468-473. https://doi.org/10.21270/archi.v10i3.4717
Seção
Original Articles