Fisiopatologia da pneumonia nosocomial: uma breve revisão

  • Elaine Roberta Leite de Souza
  • José Henrique de Araújo Cruz
  • Nílvia Maria Lima Gomes
  • Júlia Tavares Palmeira
  • Heloisa Mara Batista Fernandes de Oliveira
  • Gymenna Maria Tenório Guênes
  • Maria Angélica Sátyro Gomes Alves
  • Abrahão Alves de Oliveira Filho

Resumo

Introdução: A pneumonia nosocomial é definida como infecção do parênquima pulmonar que ocorre depois de aproximadamente 48 horas de internação e os principais microrganismos envolvidos nessa infecção são bastonetes Gram-negativos, é a complicação mais comum que ocorre entre os pacientes internados em UTIs, e os microrganismos que podem gerar essas infecções respiratórias estão predispostos à colonizar do biofilme bucal. Objetivo: Realizar uma revisão de literatura acerca da Pneumonia Nosocomial relacionada à odontologia, a fim de compreender fatores como aspectos gerais, tipos de bactérias mais frequentes, fisiopatologia, epidemiologia e o tratamento. Metodologia: As buscas foram realizadas no período de 10 de Janeiro a 10 de Maio de 2019, foram utilizados artigos científicos retirados das bases de dados:  SCIELO, MEDLINE, LILACS, e monografias que atendiam aos requisitos. Os artigos utilizados como referências bibliográficas foram do período entre 2008 a 2018, com exceção de artigos clássicos. A pesquisa foi realizada tanto na língua portuguesa, como em inglês e espanhol. Foram utilizados como descritores para a busca: "Pneumonia Nosocomial", "Pneumoia Hospitalar”, “Pneumonia Hospitalar e Odontologia”, “Odontologia Hospitalar”, “Pneumonia associada à ventilação mecânica,e com um resultado de 43 artigos utilizados. Conclusão: Portanto, a Pneumonia nosocomial pode ter relação com a cavidade bucal, deste modo é necessário a implantação do cirurgião dentista no âmbito hospitalar e na Unidade Terapia Intensiva (UTI) para o melhor controle dos microrganismos que colonizam a boca na forma de biofilme bucal e que se proliferam rapidamente quando não é feita higiene adequada e/ou fazem uso de medicações que geram hipossalivação.

Descritores: Pneumonia Nosocomial; Unidade Terapia Intensiva; Odontologia.

Referências

  1. Batista SA, Silva Junior A, Ferreira MF, Agostini M, Torres SR. Alterações orais em pacientes internados em unidades de terapia intensiva. Rev Bras Odontol. 2015;71(2):156-59.
  2. Padovani MCRL, Souza SAB, Santanna GR, Guaré RO. Protocolo de cuidados bucais na unidade de tratamento intensivo (UTI) neonatal. Rev Bras Pesq Saúde.2012;14(1):71-80.
  3. Gandolfo MC, Pessole T, Mendes G, Albara MF, Fontana A, Freisleben EV et al. Uso dos colutórios em Odontologia. Ação Odonto.2017;2:21.
  4. Muniz KGG. Atividade antimicrobiana in vitro de enxaguatórios bucais sobre bactérias do biofilme dentário [Mmonografia]. Campina Grande: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - Universidade Estadual da Paraíba; 2014.
  5. Andrade DP, Pallos D, Forte LFBP, Ricardo LH. A doxiciclina como adjuvante no tratamento da periodontite. IJD. Int J Dent. 2009;8(4):202-10.
  6. Morais TMN, Silva A, Avi ALRO, Souza PHR, Knobel E, Camargo LFH. A importância da atuação odontológica em pacientes internados em unidade de terapia intensiva. Rev Bras Ter Intensiva. 2010; 18(4):412-17.
  7. Soh KL, Shariff Ghazali S, Soh KG, Abdul Raman R, Sharif Abdullah SS, Ong SL. Oral care practice for the ventilated patients in intensive care units: a pilot survey. J Infect Dev Ctries. 2012;6(4):333-39. 
  8. ANVISA − Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Ministério da Saúde. Pediatria: Prevenção e controle de infecção hospitalar/ Ministério da Saúde, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. – Brasília: Ministério da Saúde, 2011.
  9. Oliveira LCBS, Carneiro PPM, Fischer RG, Tinoco BEM. A presença de patógenos respiratórios no biofilme bucal de pacientes com pneumonia nosocomial. Rev bras ter intensiva. 2010;19(4):428-33.
  10. Bernardo WM, Nobre MRC, Jatene FB. A prática clinica baseada em evidências. Parte II: buscando as evidências em fontes de informação. Rev Assoc Med Bras. 2004;50(1):104-8.
  11. Sachdev M, Ready D, Brealey D, Ryu J, Bercades G, Nagle J, Borja-Boluda S, Agudo E, Petrie A, Suvan J, Donos N, Singer M, Needleman I. Changes in dental plaque following hospitalisation in a critical care unit: an observational study. Crit Care. 2013;17(5):R189.
  12. Dewhirst FE, Chen T, Izard J, Paster BJ, Tanner AC, Yu WH, Lakshmanan A, Wade WG. The human oral microbiome. J Bacteriol. 2010; 192(19):5002-17.
  13. Palmer RJ Jr. Composition and development of oral bacterial communities. Periodontol 2000. 2014;64(1):20-39. 
  14. Pina-Vaz I, Barros J, Noites R, Villa-Vigil A, Pintado M, Carvalho MF. Estratégias anti-microbianas na prevenção e tratamento da infecção oral. Universidade Católica Portuguesa. Ciências da Saúde. 2011;14(55):1-12.
  15. Culler HF, Mota CM, Abe CM, Elias WP, Sircili MP, Franzolin MR. Atypical enteropathogenic Escherichia coli strains form biofilm on abiotic surfaces regardless of their adherence pattern on cultured epithelial cells. Biomed Res Int. 2014;2014:845147.
  16. Silva ACB, Cruz JS, Sampaio FC, Araújo DAM. Detecção de estreptococos orais em biofilme dental de crianças cárie-ativas e livres de cárie. Braz J Microbiol. 2008;39(4):648-51.
  17. Romeiro RL, Majewski M, Molina F, Junqueira JC, Oliveira L, Jorge AOC. Aderência de C. albicans, C. dubliniensis e C. glabrata à superfície de implantes lisos e rugosos. ImplantNews, 2009;6(1):33-37.
  18. Cruz MK, Morais TMN, Trevisani DM. Clinical assessment of the oral cavity of patients hospitalized in an intensive care unit of an emergency hospital. Rev bras ter intensiva. 2014;26(4):379-83.
  19. Bellissimo-Rodrigues F, Bellissimo-Rodrigues WT, Viana JM, Teixeira GC, Nicolini E, Auxiliadora-Martins M et al. Effectiveness of oral rinse with chlorhexidine in preventing nosocomial respiratory tract infections among intensive care unit patients. Infect Control Hosp Epidemiol. 2009;30(10):952-8.
  20. Alotaibi AK, Alshayiqi M, Ramalingam S. Does the presence of oral care guidelines affect oral care delivery by intensive care unit nurses? A survey of Saudi intensive care unit nurses. Am J Infect Control. 2014;42(8):921-22. 
  21. Oliveira AC, Kovner CT, Silva RS. Infecção hospitalar em unidade de tratamento intensivo de um hospital universitário brasileiro Rev Latinoam Enfermagem. 2010;18(2):97-104.
  22. Figueiredo DA, Vianna RPT, Nascimento JA. Epidemiologia da infecção hospitalar em uma unidade de terapia intensiva de um hospital público municipal de João Pessoa-PB. Rev Bras Ciênc Saúde. 2013;17:233-40.
  23. Ribas RM, Gontijo Filho PP, Cezário RC, Silva PF, Langoni DRP, Duque AS. Fatores de risco para colonização por bactérias hospitalares multiresistentes em pacientes críticos, cirúrgicos e clínicos em um hospital universitário brasileiro. Rev Med Minas Gerais. 2009;19:193-7.
  24. Douglas IS, Price CS, Overdier KH, Wolken RF, Metzger SW, Hance KR, Howson DC. Rapid automated microscopy for microbiological surveillance of ventilator-associated pneumonia. Am J Respir Crit Care Med. 2015;191(5):566-73.
  25. Moreira BSG, Silva RMO, Esquivel DN, Fernandes JD. Pneumonia associada à ventilação mecânica: medidas preventivas conhecidas pelo enfermeiro. Rev Baiana Enferm.2011;25:99-106.
  26. Rodrigues PMA, Carmo NE, Santos LRC, Knibel MF. Pneumonia associada à ventilação mecânica: epidemiologia e impacto na evolução clínica de pacientes em uma unidade de terapia intensiva. J bras pneumol. 2009;35(11):1084-91.
  27. Palomar MÁLF, Olaechea P, López Pueyo MJ, Gimeno R, Gracia Arnillas MP, et al. Estudio nacional de vigilancia de infección nosocomial en servicios de medicina intensiva. Sociedad Española de Medicina Intensiva Crítica y Unidades Coronarias (SEMICYUC) Grupo de trabajo de enfermedades infecciosas y sepsis. 2015.
  28. Klepser ME. Aerosolized antibiotics for the treatment of nosocomial pneumonia. Medscape Medical News. 2012.
  29. Vardakas KZ, Matthaiou DK, Falagas ME. Incidence, characteristics and outcomes of patients with severe community acquired-MRSA pneumonia. Eur Respir J. 2009;34(5):1148-58. 
  30. Écila CM, Silvânia PO, Beatriz RMS, Patrick LNS, Adriana CO. Incidência da pneumonia associada à ventilação mecânica em unidade de terapia intensiva. Medicina (Ribeirão Preto, Online), 2017;50(1):39-46.
  31. Souza AS. Prevalência de pneumonia associada à assistência à saúde em unidades de terapia intensiva [dissertação]. Campo Grande: Universidade Federal de Mato Grosso de Sul; 2012.
  32. Favarin SS, Camponogara S. Perfil dos pacientes internados na unidade de terapia intensiva adulto de um hospital universitário. Rev Enferm UFSM. 2012; 2:320-9.
  33. Souza AF, Guimarães AC, Ferreira EF. Avaliação da implementação de novo protocolo de higiene bucal em um centro de terapia intensiva para prevenção de pneumonia associada à ventilação mecânica. REME Rev Min Enferm. 2013;17:177-84.
  34. Amaral SM, Cortês Ade Q, Pires FR. Nosocomial pneumonia: importance of the oral environment. J Bras Pneumol. 2009;35(11):1116-24. 
  35. Munro CL, Grap MJ, Jones DJ, McClish DK, Sessler CN. Chlorhexidine, toothbrushing, and preventing ventilator-associated pneumonia in critically ill adults. Am J Crit Care. 2009;18(5):428-37.
  36. Scannapieco FA, Yu J, Raghavendran K, Vacanti A, Owens SI, Wood K, Mylotte JM. A randomized trial of chlorhexidine gluconate on oral bacterial pathogens in mechanically ventilated patients. Crit Care. 2009;13(4):R117.
  37. Lorente L, Lecuona M, Jiménez A, Palmero S, Pastor E, Lafuente N, Ramos MJ, Mora ML, Sierra A. Ventilator-associated pneumonia with or without toothbrushing: a randomized controlled trial. Eur J Clin Microbiol Infect Dis. 2012;31(10):2621-29. 
  38. Özçaka Ö, Başoğlu OK, Buduneli N, Taşbakan MS, Bacakoğlu F, Kinane DF. Chlorhexidine decreases the risk of ventilator-associated pneumonia in intensive care unit patients: a randomized clinical trial. J Periodontal Res. 2012;47(5):584-92.  
  39. Bezerra EL, Lima AIF, Nóbrega ARR, Barroso DN, Donadi HA, Santos JGS et al. Prevalência de pneumonia em pacientes de uma unidade de terapia intensiva de um hospital- escola de fortaleza – CE. Rev Bras Promoç Saúde. 2012;25(2):20-4.
  40. Rosenthal VD, Rodrigues C, Álvarez-Moreno C, Madani N, Mitrev Z, Ye G et al. Effectiveness of a multidimensional approach for prevention of ventilator-associated pneumonia in adult intensive care units from 14 developing countries of four continents: findings of the International Nosocomial Infection Control Consortium. Crit Care Med. 2012;40(12):3121-28. 
  41. Resende MM, Monteiro SG, Callegari B, Figueiredo PM, Monteiro CR, Monteiro-Neto V. Epidemiology and outcomes of ventilator-associated pneumonia in northern Brazil: an analytical descriptive prospective cohort study. BMC Infect Dis. 2013;13:119. 

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-04-20
Como Citar
Souza, E. R. L. de, Cruz, J. H. de A., Gomes, N. M. L., Palmeira, J. T., Oliveira, H. M. B. F. de, Guênes, G. M. T., Alves, M. A. S. G., & Oliveira Filho, A. A. de. (2020). Fisiopatologia da pneumonia nosocomial: uma breve revisão. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 9(5), 485-492. https://doi.org/10.21270/archi.v9i5.4728
Seção
Artigos de Revisão