Avaliação microbiológica de cones de guta-percha: estudo in vitro

  • Mariana Ramos Guedes Cirurgiã-Dentista. Departamento de Odontologia, Centro Universitário – UNIFIP 58704-000 Patos/PB, Brasil
  • Péricles Natanael Fernandes de Medeiros Curso de Graduação em Odontologia. Departamento de Odontologia, Centro Universitário – UNIFIP 58704-000 Patos/PB, Brasil
  • Mayanne Leite da Costa Curso de Graduação em Odontologia. Departamento de Odontologia, Centro Universitário – UNIFIP 58704-000 Patos/PB, Brasil
  • Ingryd Sales Morais Curso de Graduação em Odontologia. Departamento de Odontologia, Centro Universitário – UNIFIP 58704-000 Patos/PB, Brasil
  • Jéssica Lucena Freitas Cirurgiã-Dentista. Departamento de Odontologia, Centro Universitário – UNIFIP 58704-000 Patos/PB, Brasil
  • Gabriel Leite Rafael de Aragão Cirurgião-Dentista. Departamento de Odontologia, Centro Universitário – UNIFIP 58704-000 Patos/PB, Brasil
  • José Henrique de Araújo Cruz Cirurgião-Dentista. Centro de Saúde e Tecnologia Rural, Universidade Federal de Campina Grande, UFCG 58708-110 Patos/PB, Brasil
  • Priscila Medeiros Bezerra Professora Mestre do Curso de Graduação em Odontologia. Departamento em Odontologia, Faculdades Integradas de Patos, FIP 58416-440 Campina Grande-PB, Brasil
  • Paula Vanessa da Silva Professora Doutora do Curso de Graduação em Odontologia. Departamento em Odontologia, Faculdades Integradas de Patos, FIP 58416-440 Campina Grande-PB, Brasil
Palavras-chave: Endodontia, Guta-Percha, Desinfecção

Resumo

A maior causa da necessidade de retratamento endodôntico é a resistência microbiana ao preparo químico-mecânico e aos materiais obturadores. Sendo importante avaliar o padrão de desinfecção dos cones de guta-percha utilizadas na obturação endodôntica, para que se obtenha a máxima desinfecção durante o tratamento. O objetivo do presente trabalho foi verificar a desinfecção dos cones de guta-percha utilizados na obturação endodôntica através de um estudo in vitro. Para tal, utilizou-se a seguinte metodologia: a amostra foi constituída por 45 cones de guta-percha, da 2° série (Dentsply®), dividida em duas coletas, uma inicial e outra final, a qual foi dividida em três grupos G1 (água destilada), G2 (hipoclorito de sódio) e G3 (clorexidina). Em cada grupo, foi utilizada uma substância de desinfecção, exceto no G1 (grupo controle). Inicialmente a análise foi realizada para verificar a esterilização dos cones em embalagens lacradas e posteriormente verificar a redução de microrganismos presentes nos cones de guta-percha, após o uso das soluções desinfectante. Os resultados dessa pesquisa evidenciaram que mesmo embalagens lacradas podem apresentar insucesso na esterilização dos cones, e que soluções de Hipoclorito de Sódio 2,5% e Clorexidina 2% foram eficazes em 75% dos casos, na desinfecção dos cones de guta-percha. Concluiu-se que, é necessária a desinfecção dos cones de guta-percha apesar de serem conduzidos em condições assépticas, e que ambas as soluções desinfectante foram eficazes na descontaminação prévia dos cones de guta-percha.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Amaral G, Carraz R, Freitas LF, Fidel SR, Castro AJR. Efetividade de três soluções na descontaminação de cones de guta-percha e de resilon. Rev bras odontol. 2013;70(1):54-8.

Siqueira JRJF, Rôças IN, Lopes HP, Alves FRF, Oliveira JCM, Armada L, et al. Princípios biológicos do tratamento endodôntico de dentes com polpa viva. Rev bras odontol. 2011;68(2);161-65.

Lopes HP, Siqueira Jr JF. Endodontia: biologia e técnica. 4 ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2015.

Fagundes FS, Leonardi DP, Baratto Filho F, Haragushiku GA, Tomazinho LF, Tomazinho PH. Eficiência de diferentes soluções na descontaminação de cones de guta-percha expostos ao Enterococus faecalis. RSBO. 2005;2(2):7-11.

Prado M, Gusman H, Gomes BP, Simão RA. The importance of final rinse after disinfection of gutta-percha and Resilon cones. Oral surg oral med oral pathol oral radiol endod. 2011;111(6):e21-4.

Faul F, Erdfelder E, Lang AG, Buchner A. G*Power 3: a flexible statistical power analysis program for the social, behavioral, and biomedical sciences. Behav Res Methods. 2007;39(2):175-91.

Soares MM, Ribeiro MC. Microbiologia prática roteiro e manual: bactérias e fungos. São Paulo: Atheneu;2002.

Larson R, Farber B. Estatística Aplicada. 6 ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall; 2016.

Benítez SR, Guelfand CS. Uso clínico del Resilon: um nuevo material adhesivo para la obturacíon de los conductos radiculares. Gaceta dental: Industria y profesiones. 2006;167:92-108.

Gahyva SM, Siqueira Junior JF. Avaliação da contaminação de cones de gutapercha disponíveis comercialmente. J Bras Endo/Pério. 2001;4(6):193-95.

Maki DG, Weise CE, Sarafin HW. A semiquantitative culture method for identifying intravenous-catheter-related infection. N Engl J Med. 1977;296(23):1305-9.

Cardoso Celso L, Redmerski R, Bittencourt NLR, Kotaka CR. Effectiveness of different chemical agents in rapid decontamination of gutta-percha cones. Braz J Microbiol. 2000;31(1):67-71.

Rocha EALS, Limeira FIR, Carvalho AVOR, Santos KSA, Medeiros ACD. Avaliação da eficácia de diversas substâncias químicas na descontaminação de cones de guta-percha. Odontol clín-cient. 2013;12(1):35-8.

Michelotto ALC, Andrade BM, Silva Júnior JA, Sydney GB. Clorexidina na terapia endodôntica. RSBO. 2008;5(1):125-39.

Pinheiro GR. Análise comparativa da eficiência dos agentes químicos na desinfecção e esterilização dos cones de guta-percha – estudo in vitro [Monografia]. Campina Grande: Universidade Estadual da Paraíba; 2012.

Redmerski R, Bulla JR, Moreno T, Garcia LB, Cardoso CL. Disinfection of gutta-percha cones with chlorhexidine. Braz J Microbiol. 2007;38(4):649–55.

Silva LJG, Santos ACM. Esterilidade de cones de guta-percha. Rev biociênc. 2002;8(1):71-5.

Publicado
2021-04-05
Como Citar
Guedes, M. R., Medeiros, P. N. F. de, Costa, M. L. da, Morais, I. S., Freitas, J. L., Aragão, G. L. R. de, Cruz, J. H. de A., Bezerra, P. M., & Silva, P. V. da. (2021). Avaliação microbiológica de cones de guta-percha: estudo in vitro. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 10(4), 515-521. https://doi.org/10.21270/archi.v10i4.4772
Seção
Original Articles