Tratamento cirúrgico de fraturas Le Fort I e Le Fort II em vítima de trauma por acidente motociclístico: relato de caso

  • Maria Eloise de Sá Simon
  • Gustavo Antonio Correa Momesso
  • William Phillip Pereira da Silva
  • Leonardo Alan Delanora
  • Leonardo Alan Delanora
  • Anderson Maikon de Sousa Santos
  • Tiburtino José de Lima Neto
  • Leonardo Perez Faverani
  • Leonardo Costa de Almeida Paiva

Resumo

O terço médio da face é funcional e esteticamente importante. De acordo com a classificação Le Fort, existem três níveis mais fracos desta região da face quando traumatizados a partir de uma direção frontal, sendo que os acidentes motociclísticos, atualmente, correspondem a causa de aproximadamente 29% destes traumas. O presente trabalho tem como objetivo relatar um caso clínico de tratamento cirúrgico de fraturas do tipo Le Fort I e Le Fort II em um paciente de 29 anos de idade, sexo masculino, vítima de acidente motociclístico, atendido no Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena (João Pessoa – PB). Ao exame físico observou-se mobilidade de maxila, degrau palpável em pilar zigomático e pilar canino, alteração oclusal com leve mordida aberta e degrau em rebordo infraorbitário direito, entretanto o paciente não apresentava nenhuma alteração ocular. Foi solicitada tomografia computadorizada como exame complementar para confirmação do diagnóstico e planejamento cirúrgico, o qual se deu como fratura Le Fort I e Le Fort II no lado direito. O paciente foi submetido à cirurgia sob anestesia geral para fixação dos pilares zigomático e canino através do acesso vestibular maxilar e rebordo infraorbitário através do acesso subciliar. Inicialmente foi feito o bloqueio maxilo – mandibular para a utilização da oclusão como ponto de referência, seguido da redução das fraturas e fixação com placas e parafusos do sistema 2.0. Sob acompanhamento pós – operatório o paciente apresentou retorno da oclusão dentro dos padrões de normalidade, recuperou a projeção da região zigomática fraturada e então recebeu alta.

Descritores: Fraturas Ósseas; Fixação de Fratura; Traumatismos Faciais.

Referências

  1. Organização das Nações Unidas no Brasil. Traumas matam mais que malária, tuberculose e AIDS, alerta OMS. Disponível em: <http://www.onu.org.br/traumas-matam-mais-que-malaria-tuberculose-e-aids-alerta-oms/>. Acesso em: 22 julho 2019
  2. Ansari MH. Maxillofacial fractures in Hamedan province, Iran: a retrospective study (1987-2001). J Craniomaxillofac Surg. 2004;32(1):28-34. 
  3. Kostakis G, Stathopoulos P, Dais P, Gkinis G, Igoumenakis D, Mezitis M, Rallis G. An epidemiologic analysis of 1,142 maxillofacial fractures and concomitant injuries. Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol. 2012;114(5 Suppl):S69-73. 
  4. Li Z, Li ZB. Characteristic changes of pediatric maxillofacial fractures in China during the past 20 years. J Oral Maxillofac Surg 2008;66:2239-42.
  5. Fonseca RJ. Trauma Bucomaxilofacial 4. ed. Rio de Janeiro : Elsevier; 2015.
  6. Wulkan M, Parreira Junior JG, Botter DA. Epidemiologia do trauma facial. Rev Assoc Med Bras. 2005;51(5):290-95.
  7. Scherer M, Sullivan WG, Smith DJ Jr, Phillips LG, Robson MC. An analysis of 1,423 facial fractures in 788 patients at an urban trauma center. J Trauma. 1989;29(3):388-90. 
  8. Cohen RS, Pacios AR. Facial and cranio-facial trauma: epidemiology, experience and treatment. F Med. 1995;111(suppl):111-16.
  9. de Birolini D, Utiyama E, Steinman E. Cirurgia de Emergência. São Paulo: Atheneu; 1997.
  10. Tessier P. The classic reprint: experimental study of fractures of the upper jaw. 3. René Le Fort, M.D., Lille, France. Plast Reconstr Surg. 1972;50(6):600-7. 
  11. Buehler JA, Tannyhill RJ 3rd. Complications in the treatment of midfacial fractures. Oral Maxillofac Surg Clin North Am. 2003;15(2):195-212.
  12. Manson PN, Clark N, Robertson B, Slezak S, Wheatly M, Vander Kolk C, Iliff N. Subunit principles in midface fractures: the importance of sagittal buttresses, soft-tissue reductions, and sequencing treatment of segmental fractures. Plast Reconstr Surg. 1999;103(4):1287-306;
  13. Carr RM, Mathog RH. Early and delayed repair of orbitozygomatic complex fractures. J Oral Maxillofac Surg. 1997;55(3):253-8; 258-9. 

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-04-20
Como Citar
Simon, M. E. de S., Momesso, G. A. C. ., Silva, W. P. P. da ., Delanora, L. A. ., Delanora, L. A. ., Santos, A. M. de S. ., Lima Neto, T. J. de ., Faverani, L. P. ., & Paiva, L. C. de A. . (2020). Tratamento cirúrgico de fraturas Le Fort I e Le Fort II em vítima de trauma por acidente motociclístico: relato de caso. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 9(6), 546-549. https://doi.org/10.21270/archi.v9i6.4777
Seção
Artigos Originais