Descrição de tratamento para pênfigo vulgar: relato de caso

  • George Borja de Freitas Departamento de Implantodontia, Faculdade de São Leopoldo Mandic, SLMANDIC, 13045-755, Campinas - SP, Brasil
  • Jaqueline Oliveira Barreto Departamento de Odontologia, Centro de Saúde e Tecnologia Rural, Universidade Federal de Campina Grande – UFCG, 58708-110 Patos – PB - Brasil
  • José Luiz Cintra Junqueira Departamento de Odontologia, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP, 12.245-000 São José dos Campos - SP, Brasil
  • Luiz Roberto Coutinho Manhães Júnior Departamento de Radiologia, Faculdade de São Leopoldo Mandic - SLMANDIC, 13045-755 Campinas - SP, Brasil
  • Julierme Ferreira Rocha Departamento de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial, Universidade Federal de Campina Grande - UFCG, 58708-110 Patos – PB - Brasil
  • Paula Bernardon Departamento de Clínicas Odontológicas, Faculdade de São Leopoldo Mandic - SLMANDIC, 13045-755 Campinas - SP, Brasil
Palavras-chave: Pênfigo, Terapia, Fármacos

Resumo

O pênfigo vulgar é uma doença dermatológica, a qual é ativada pelo o sistema imunológico contra constituintes do próprio organismo. Sabe-se que esta doença tem relevância por sua gravidade e cronicidade, tendo o tratamento como objetivo evitar a sua evolução letal, além de devolver a qualidade de vida ao paciente através de corticoterapia sistêmica combinado com imunossupressores. O objetivo deste estudo é relatar um caso clínico de pênfigo vulgar em um paciente sistemicamente saudável e sem hábitos nocivos, bem com sua terapia afim de contribuir com o conhecimento do cirurgião dentista em relação a essa patologia. Paciente de 32 anos, sexo feminino, leucoderma, não etilista, não fumante, sem comorbidades sistêmicas. Ao exame clínico intra-oral foram vistas lesões ulceradas sintomáticas localizadas em região de palato duro e região posterior e retromolar da mandíbula e histórico de recidiva das lesões. O diagnóstico histopatológico confirmou-se com o clínico de pênfigo vulgar. A conduta terapêutica foi corticosteroide sistêmico (prednisona, de 80 mg) e tópico (acetonida de triancinolona 1 mg) e mais o agente imunossupressor (azatioprina 100 mg/dia). Após 30 dias de terapia medicamentosa, os sinais e sintomas desapareceram.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Gonçalo RI, Severo MLB, MedeiroS AMC, Oliveira PT, Silveira EJD. Vesiculobullous autoimmune diseases with oral mucosa manifestations:retrospective and follow-up study. Rev Gaúch Odontol. 2018;66(1):42-49.

Carvalho CHP, Santos BRM, Vieira CC, Lima ENA, Santos PPA, Freitas RA. Estudo epidemiológico das doenças dermatológicas imunologicamente mediadas na cavidade oral. An Bras Dermatol. 2011;86(5):905-9.

Murrell DF, Marinovic B, Caux F, Prost C, Ahmed R, Wozniak K, et al. Definitions and outcome measures for mucous membrane pemphigoid: Recommendations of an international panel of experts. J Am Acad Dermatol. 2015; 72(1):168-174.

Suliman NM, Johannessen AC, Ali RW, Salman H, Åstrøm AN. Influence of oral mucosal lesions and oral symptoms on oral health related quality of life in dermatological patients: a cross sectional study in Sudan. BMC Oral Health. 2012;12:19.

Ramos-Silva M, Ferreira A, Jacques CMC. Oral involvement in autoimmune bullous diseases. J Clin Dermatol. 2011;29(4):443-54.

Kazatchkine MD, Michel D, Kaveri SV. Advances in Immunology: Immunomodulation of Autoimmune and Inflammatory Diseases with Intravenous Immune Globulin. N Engl J Med. 2001;345:747-55.

Nunes RL, Moresco VR, Marley G, et al. Pênfigo vulgar. Caso clínico. Av. Odontoestomatol 2005; 21(4):189-93.

Matos-Cruz R, Bascones-Martínez A. Pênfigo: uma revisão da literatura. Av Odontoestomatol, 2009, 25(2): 67-82.

Bascones CI, Gonzáles MA M, Campo JT, Bascones AM. Liquen plano oral (II). Mecanismos apoptóticos e posible malignización. Av Odontoestomatol. 2006;22:21-31.

Eisen D, Carrozzo M, Bagan Sebastian JV, Thongprasom K. Oral lichen planus: clinical features and management. Oral Dis. 2005;11:338-49.

Smith RJ, Manche EE, Mondino BJ. Penfigóide cicatricial ocular e manifestações oculares de pênfigo vulgar. Int Ophthalmol Clin 1997;37: 63-75.

Martínez AB, Menéndez FL. Medicina Oral Madri Avances Médico-Dentales, 1991.

Becker BA, Gaspari AA. Pênfigo vulgar e vegetantes. Dermatol Clin. 1993;11:429-52.

Joly P. Incidência de penfigóide bolhoso e pênfigo vulgar. BMJ. 9 de julho de 2008;337: a209.

Martínez AM, Figuero ER, Gómez GE. Úlceras orais. Med Clin (Barc) 2005; 125 (15):590-97.

Soriano YJ, Fernández JMD. Doenças da bolha na cavidade oral: pênfigo. RCOE 2004;9(4):439-47.

Robinson ND, Hashimoto T, M Amagai, Chan LS. As novas variantes do phephigus. J Am Acad Dermatol 1999;40:649-71.

Scully PA, Porter G. Pênfigo vulgar: as manifestações e managenência a longo prazo de 55 pacientes com lesões orais. British J Dermatol 1999;140:84-92.

Robinson JC, Lozada-Nur F, Frieden I. pênfigo vulgar oral: uma revisão da literatura e um relatório sobre a gestão de 12 casos. Oral Surg Oral Oral Oral Pathol Oral Radiol Endod 1997;84:349-55.

Nunes RL, Moresco VR, Marley G, et al. Pênfigo vulgar. Caso clínico. Av Odontoestomatol 2005;21(4):189-93.

Abdolsomadi HR, Abdollahzadeh S, Vaziri PB, Beheshti A, Shafigh E, Vahedi M. epidemiology of pemphigus in Tehran, Iran: a 20-year retrospective study. J Dent Res Dent Clin Dent Prospects. 2007;1(3):108-113.

Tenner E, Koch PJ, Mahoney MG. Pemphigus and ocular involvement. Euro J Dermatol 2001;11:141-43.

Guillen S, Khachemoune A. Pênfigo vulgar: uma breve revisão para o praticante. Dermatol Nurs. 2007;19(3):269-72.

Gonçalves LM, Bezerra Júnior JRS, Cruz MCFN. Avaliação clínica das lesões orais associadas a doenças dermatológicas. An Bras Dermatol. 2010;85:150-6.

Neville BW, Damm DD, Allen CM, Bouquot JE. Patologia Oral e Maxilofacial. 2 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2004. p.617-70.

Miziara ID. Acometimento oral no pênfigo vulgar. Rev Bras Otorrinolaringol. 2003;69:27-31.

Arundhathi S, Ragunatha S, Mahadeva KC. A cross-sectional study of clinical, histopathological and direct immunofluorescence spectrum of vesiculobullous disorders. J Clin Diagn Res. 2013;7(12):2788-92.

Xu HH, Werthet VP, Parisi E, Sollecito TP. Mucous membrane pemphigoid. Dent Clin N Am. 2013;57(4):611-30.

Bernabé DG, Moraes NP, Correia CM, Furuse CF, Crivelini MM. Tratamento do pênfigo vulgar oral com corticosteróides tópico e sistêmico associados a dapsona e pentoxifilina. Rev Odontol UNESP. 2005;34(1):49-55.

Schmidt E, Zillikens D. Pemphigoid diseases. Lancet. 2013;381(9863):320-32.

Melo MN, Pegas E. Acometimento neonatal do pênfigo vulgar: relato de caso. Arch Health Invest. 2020; 9(2):174-75.

Publicado
2021-05-04
Como Citar
Freitas, G. B. de, Barreto, J. O., Junqueira, J. L. C., Manhães Júnior, L. R. C., Rocha, J. F., & Bernardon, P. (2021). Descrição de tratamento para pênfigo vulgar: relato de caso. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 10(5), 696-699. https://doi.org/10.21270/archi.v10i5.4788
Seção
Original Articles