Prontuário eletrônico do cidadão: aceitação e facilidade de uso pelos cirurgiões-dentistas da atenção básica

Resumo

Objetivo: Avaliar a aceitação e facilidade de uso do Prontuário Eletrônico do Cidadão pelos Cirurgiões Dentistas da Atenção Básica. Metodologia: O estudo foi do tipo transversal, descritivo e analítico, tendo como população alvo os Cirurgiões Dentistas que atuam nas Unidades Básicas de Saúde de uma cidade do interior do Nordeste. Para coleta de dados foi utilizado um formulário estruturado, com questões objetivas e autoadministradas. Os dados obtidos através dos questionários respondidos foram digitados e tabulados no software SPSS 22.0 e analisados com base em estatísticas descritivas e análise inferencial através do teste qui-quadrado admitindo-se significância de 5% (p≤0,05). Resultados: A maioria dos entrevistados era do sexo feminino (63%), com idade entre 31-50 anos (44,4%), formados entre 0-5 anos (51,9), com menos de 5 anos de trabalho nas unidades (63%). A maioria (63%) julgou o prontuário eletrônico fácil de usar. Houve diferença estatisticamente relevante na questão sobre dificuldade do uso do PEC e o tempo de atuação na Unidade, entre o esforço utilizado para adaptação ao PEC e o tempo de formação e ainda entre achar o PEC de difícil uso em geral com a idade do participante. Conclusão: O PEC foi, em geral, bem aceito e amplamente utilizado pelos profissionais da saúde bucal, havendo algumas lacunas para melhoria do uso como o tempo de treinamento.

Descritores: Registros Eletrônicos de Saúde; Atenção Primária à Saúde; Sistemas de Informação.

Referências

  1. Morais AC. Prontuário Eletrônico do Paciente. Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 2006.
  2. Galvão MCB, Ricarte ILM. O prontuário eletrônico do paciente no século XXI: contribuições necessárias da ciência da informação. InCID Rev Ci Inf Doc. 2011;2(2):77-100. 
  3. Lopes VJ, Carvalho D. KDD Na avaliação da usabilidade do prontuário eletrônico do paciente por profissionais da enfermagem.  R Bras Inov Tecnol Saúde. 2016;6(3):21-31.
  4. Muylder CF, Carneiro SD, Barros LC, Oliveira JG. Prontuário eletrônico do paciente: aceitação de tecnologia por profissionais da saúde da região metropolitana de Belo Horizonte. RAHIS. 2017;14(1):40-52.
  5. Pinto VB. Prontuário eletrônico do paciente: documento técnico de informação e comunicação do dominio da saúde . Eletr Bibliotecon Ci Inf. 2006;2(21):34-48.
  6. Saraiva AS. A importância do prontuário odontológico – com ênfase nos documentos digitais. Rev Bras Odontol. 2011;68(2):157-60.
  7. Machado MJF. Prontuário Eletrônico do cidadão. Fortaleza: Encontros Universitários da UFC, v. 1, 2016.
  8. Brasil. Ministério da Saúde. Resolução nº 7, de 24 de novembro de 2016.
  9. Brasil. Ministério da Saúde. Departamento as Atenção Básica. Prontuário eletrônico do cidadão, 2016.
  10. Fraige A. Prontuário eletrônico do centro de atendimento a pacientes especiais: desenvolvimento e implementação [tese]. São Paulo: Faculdade de Odontologia da USP; 2007.
  11. Majewski CC. Pesquisa de satisfação de usuários do sistema de prontuário eletrônico do complexo hospitalar Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre [dissertação]. Porto Alegre: Escola de Engenharia, URGS; 2003.
  12. Davis JR, Fred D. A Technology acceptance model for empirically testing new end-userinformation system: theory and results – MIT, 1986.
  13. Beiguelman B. Curso prático de bioestatística – 4. ed. Ribeirão Preto: Sociedade Brasileira de Genética; 1996.
  14. Lolli LF. Documentos digitais em Odontologia – aspectos de legalidade, conhecimento e utilização por cirurgiões-dentistas. UNI Review. 2011;8(2):112-21.
  15. Souza RS. Prontuário eletrônico: ótica do profissional de saúde da atenção primária [dissertação]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Medicina, Programa de Pós-Graduação em Ensino na Saúde; 2017.
  16. Silveira LGG. Avaliação do uso da informática pelo CD e acadêmico em Odontologia. RGO. 2006;54(2):119-22.
  17. Fontanella V, Schardosim M, Lara M. Tecnologias de informação e comunicação no ensino da odontologia. Rev ABENO. 2007;7(1):76-81.
  18. Dotta EAV, Serra MC. Conhecimento e utilização da informática pelo cirurgião-dentista como ferramenta de trabalho. RGO (Porto Alegre). 2006;54(2):99-102.
  19. Santos RPS. Análise da competência em informação mediante a transição do prontuário físico para o eletrônico. Rev Cub Inf Cienc Salud. 2017;28(4):1-13.
  20. Greiver M, Barnsley J, Glazier RH, Moineddin R, Harvey BJ. Implementation of electronic medical records: effect on the provision of preventive services in a pay-for-performance environment. Can Fam Physician. 2011;57(10):e381-89.
  21. Soranz D, Pinto LP, Camacho LAB. Análise dos atributos dos cuidados primários em saúde utilizando os prontuários eletrônicos na cidade do Rio de Janeiro. Ciênc saúde coletiva. 2017;22(3):819-830.
  22. Silva CA, Pereira MR. Estudo e Análise das Tecnologias de Informação e Comunicação (tic) na Odontologia no Rio Grande do Sul [monografia]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS; 2013.
  23. Gregor P, Newell AF, Zagicek M. Designing for dynamic diversity - interfaces for older people. International ACM SIGCAPH Conference on Assistive Technologies. 2002:151-56.


Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-04-20
Como Citar
Barbosa, D. V., Nóbrega, W. F. S., Silva, G. C. B. da, Melo Neto, O. de M., & Feitosa, F. de S. Q. (2020). Prontuário eletrônico do cidadão: aceitação e facilidade de uso pelos cirurgiões-dentistas da atenção básica. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 9(5), 414-419. https://doi.org/10.21270/archi.v9i5.4795
Seção
Artigos Originais