Epidemiologia da doença meningocócica no Estado de Goiás, Brasil no período de 2010 a 2016

  • Raissa Silva Frota
  • Beatriz Zieri Leone
  • Stephanie Guardabassio de Oliveira
  • João Carlos Bizinotto Leal de Lima
  • Amanda Oliva Spaziani
  • Gustavo Faleiro Barbosa
  • Raulcilaine Érica dos Santos
  • Talita Costa Barbosa
  • Lindemberg Barbosa Júnior
  • Flávio Henrique Nuevo Benez dos Santos
  • Maurício José Medeiros

Resumo

A doença meningocócica (DM) é uma infecção bacteriana aguda, potencialmente fatal causada pela bactéria Neisseria meningitidis, apresenta grande potencial epidêmico devido as suas características de evolução clínica rápida, gravidade e letalidade. O objetivo deste trabalho foi descrever a situação epidemiológica da doença meningocócica no Estado de Goiás, Brasil entre os anos de 2010 e 2016. Foi realizado levantamento de estudos descritivos dos casos confirmados de doença meningocócica registrados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), datando de 1º de janeiro de 2010 a 31 de outubro de 2016 com taxas de incidência, mortalidade e projeções anuais populacionais calculadas com base nos registros do Sinan e Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O processamento e a análise de dados foi realizado com os programas: EpiInfoTM, TabWin e TabNet. No Estado de Goiás foram registrados 2.483 casos da doença. Houve, variação da taxa de incidência entre os anos de 2007 e 2011, tendo um decréscimo significativo igual a 33,3% em relação ao ano de 2010. Foram registrados 573 óbitos, com maior incidência em crianças menores de 1 ano. A maioria dos casos registrados é de residentes da zona urbana. O sorogrupo C foi mais incidente. Os principais achados foram: redução da taxa de incidência da doença meningocócica, constância da taxa de mortalidade geral, aumento na taxa de letalidade e predominância do sorogrupo C. A epidemiologia permite analisar o impacto da vacina sobre a carga da doença e a necessidade de estratégias de intervenção.

Descritores: Meningite; Sepse; Epidemiologia.

Referências

  1. Brasil. Ministério da Saúde. Influenza, Doença Meningocócica e Outras Meningites: Doença Meningocócica. In: SAÚDE, Ministério da. Guia de Vigilância em Saúde2. ed. Brasília: MS, 2017. Cap. 1. p. 33-44. 
  2. Brasil. Ministério da Saúde. Influenza, Doença Meningocócica e Outras Meningites: Doença Meningocócica. In: SAÚDE, Guia de Vigilância em Saúde. 3. ed. Brasília: MS, 2019. Cap. 1. p. 33-44. 
  3. Berezin EN. Doença meningocócica: epidemiologia da infecção meningocócica. SBP. Sociedade Brasileira de Pediatria. São Paulo. 2015.
  4. Santos ML, Ruffino-Netto A. Doença meningocócica: situação epidemiológica no Município de Manaus, Amazonas, Brasil, 1998/2002. Cad Saúde Pública. 2005;21(3):823-29.
  5. Castiñeiras TMPP, Pedro LGF, Martins FSV. Doença meningocócica. 2006. CIVES- Centro de Informação em Saúde para Viajantes - UFRJ. Rio de Janeiro. 2006
  6. Barroso DE, Carvalho DM, Nogueira SA, Solari CA. Doença meningocócica: epidemiologia e controle de casos secundários. Rev Saúde Pública. 1998;32(1):89-97.
  7. Teixeira AB, Cavalcante JCV, Moreno IC, Soares IA, Holanda FOA. Meningite bacteriana: uma atualização. RBAC. 2018;50(4):327-29.
  8. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico. Volume 50, nº 3, Brasília. 2019. 
  9. Emmerick ICM, Campos MR, Schramm JMA, Silva RS, Costa MFS.  Estimativas corrigidas de casos de meningite, Brasil 2008-2009. Epidemiol Serv Saúde. 2014;23(2):215-26.
  10. Brasil. Ministério da Saúde. Doenças Infecciosas e Parasitárias: Guia de Bolso. 3. ed. Brasília/DF; 2004.v.1.
  11. Harrison OB, Claus H, Jiang Y, Bennett JS, Bratcher HB, Jolley KA et al. Description and nomenclature of Neisseria meningitidis capsule locus. Emerg Infect Dis. 2013;19(4):566-73. 
  12. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria da Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico. Meningite bacteriana não especificada no Brasil 2007 - 2016. Brasília. 2016.
  13. Brasil. Ministério da Saúde. Casos de meningite em crianças brasileiras diminuíram nos últimos dois anos, 2012. Brasília. 2012.
  14. Brasil. Portaria nº 204, de 17 de fevereiro de 2016. Define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território nacional, nos termos do anexo, e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil; Seção 1:23.
  15. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de Vigilância em Saúde: volume único, 2 ed. Brasília. 2017. 
  16. Goias. Secretaria de Estado da Saúde (SES). Dia Mundial de combate às meningites é celebrado nesta quarta-feira. Governo do Estado de Goiás. 2019.
  17. Ministério da Saúde. Meningite. Sinan.Sistema de Informação de Agravos de Notificação. Brasília. 2019.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-04-20
Como Citar
Frota, R. S., Leone, B. Z., de Oliveira, S. G., Lima, J. C. B. L. de, Spaziani, A. O., Barbosa, G. F., dos Santos, R. Érica, Barbosa, T. C., Barbosa Júnior, L., Santos, F. H. N. B. dos, & Medeiros, M. J. (2020). Epidemiologia da doença meningocócica no Estado de Goiás, Brasil no período de 2010 a 2016. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 9(5), 403-409. https://doi.org/10.21270/archi.v9i5.4815
Seção
Artigos Originais