Fratura exposta supracondiliana umeral e lesão vásculo-nervosa em paciente pediátrico

  • Amanda Oliva Spaziani Universidade Brasil, Medicina. Fernandópolis – SP, Brasil
  • Guilherme Ruiz Polatto Universidade Brasil, Medicina. Fernandópolis – SP, Brasil
  • Gustavo Faleiro Barbosa Universidade Brasil, Medicina. Fernandópolis – SP, Brasil
  • João Gabriel Goulart Zanon
  • Raulcilaine Érica dos Santos Universidade Brasil, Medicina. Fernandópolis – SP, Brasil
  • Talita Costa Barbosa Universidade Brasil, Medicina. Fernandópolis – SP, Brasil
  • Natasha Ohana Marinho Rosa Universidade Brasil, Medicina. Fernandópolis – SP, Brasil
  • Lindemberg Barbosa Júnior Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Medicina. Três Lagoas – MS, Brasil
  • Raissa Silva Frota Universidade de Rio Verde, Medicina. Goianésia – GO, Brasil
  • Flávio Henrique Nuevo Benez dos Santos Universidade Brasil, Médico, Esp. Ortopedia e Traumatologia, Esp. Medicina Física e Reabilitação, Me. Ciências da Saúde, MBA Gestão em Saúde. Fernandópolis-SP, Brasil
Palavras-chave: Fraturas Ósseas, Fixação de Fratura, Cotovelo

Resumo

Introdução: Fraturas e luxações na região do cotovelo são frequentes, principalmente na faixa etária pediátrica, correspondendo a 17% das fraturas deste grupo. Objetivo: O presente trabalho objetiva explanar a fratura exposta supracondiliana umeral com lesão vásculo-nervosa em paciente pediátrico por meio de relato de caso e estudos de embasamento teórico. Metodologia: Trabalho realizado por meio de coleta de dados do prontuário médico e de artigos científicos. Sexo masculino, 7 anos, atendido em emergência após queda de cavalo e traumatismo em cotovelo esquerdo com exposição óssea em um ferimento maior do que dez centímetros. Relato de caso: Sendo assim, uma fratura exposta supracondiliana em cotovelo esquerdo – grau 3C – com lesão da artéria braquial e dos nervos radial e ulnar. Foi encaminhado para centro cirúrgico, onde foi realizada lavagem, desbridamento cirúrgico, redução e fixação da fratura. Foi realizada a revascularização da artéria braquial e neurorrafia dos nervos radial e ulnar. Fechamento por planos, curativo, tala e antibióticoterapia. Evoluiu com retorno da perfusão e pulsos radial e ulnar. Após três semanas, houve consolidação da fratura com pulsos preservados, mas com déficits nos nervosos. Após dois meses de reabilitação, já apresentava arco total do movimento do cotovelo, com seis, esboço dos nervos radial e ulnar e com um ano retorno de suas funções normais. Conclusão: Ainda são muitas as contradições em relação ao tipo de tratamento que deve ser instituído, justamente por ser uma região delicada e repleta de estruturas anatômicas que referem a um complexo sistema integrado por ossos, ligamentos, músculos, sistema vascular e neurológico que propiciam muitas vezes o processo iatrogênico durante a intervenção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Carvalho R, Fernandes H, Brito J, Fernandes P, Monteiro J. Fratura supracondiliana do úmero complicada de lesão vascular. Rev Port Ortop Traum. 2013;21(1):77-83.

Kotzias Neto A, Belangero WD. Projeto Diretrizes: fratura supracondiliana do úmero na criança [Internet]. São Paulo: Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia; 2007 [acesso 2019 Ago 23]. 13 p. Disponível em: https://diretrizes.amb.org.br/_BibliotecaAntiga/fratura-supracondiliana-do-umero-na-crianca.pdf

Placzek JD, Boyce, DA. Segredos da fisioterapia ortopédica. Porto Alegre: Artmed; 2001.

Schwartsmann C, Lech O, Telöken M. Fraturas: princípios e prática. Porto Alegre: Artmed; 2003.

Gartland JJ. Management of supracondylar fractures of the humerus in children. Surg Gynecol Obstet. 1959;109(2):145-54.

Judas F, Matos P. Patologia cirúrgica do cotovelo, antebraço, punho e mão: conceitos essenciais [dissertação]. Coimbra: Universidade de Coimbra; 2011.

Zoppi Filho A, Kikuta FK, Mouraria GG, Zan RA. Via de acesso global ao cotovelo. Rev Ortop Ilustrada. 2012;3(1):14-9.

Henrikson B. Supracondylar fracture of the humerus in children. A late review of end-results with special reference to the cause of deformity, disability and complications. Acta Chir Scand Suppl. 1966;369:1-72.

Gandhi J, Horne G. Fraturas supracondilares tipo III do úmero em crianças: tratamento com braço reto. Acta ortop bras. 2010;18(3):132-34.

Patriota GSQA, Assunção Filho CA, Assunção CA. Qual a melhor técnica para fixação no tratamento de fratura supracondilar do úmero em crianças? Rev Bras Ortop [Internet]. 2017;52(4):428-34.

Moreira RFG, Nishimi AY, Zanon EM, Rama TS, Ciofi RPL, Dobashi ET. Estudo transversal sobre o tratamento das fraturas supracondilianas do úmero na infância dos tipos Gartland II e III: opinião do ortopedista brasileiro. Rev Bras Ortop. 2018;53(2):129-35.

Rocha ITS, Faria AS, Fontoura Filho C, Rocha MA. Reprodutibilidade das classificações AO/ASIF e Gartland para fraturas supracondilianas de úmero em crianças. Rev Bras Ortop. 2015;50(3):266-69.

Mubarak SJ, Carroll NC. Volkmann's contracture in children: aetiology and prevention. J Bone Joint Surg Br. 1979;61-B(3):285-93.

Publicado
2021-04-07
Como Citar
Spaziani, A. O., Polatto, G. R., Barbosa, G. F., Zanon, J. G. G., Santos, R. Érica dos, Barbosa, T. C., Rosa, N. O. M., Barbosa Júnior, L., Frota, R. S., & dos Santos, F. H. N. B. (2021). Fratura exposta supracondiliana umeral e lesão vásculo-nervosa em paciente pediátrico. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 10(4), 542-546. https://doi.org/10.21270/archi.v10i4.4833
Seção
Original Articles