Florais de Bach na Odontologia: uma breve revisão da literatura

  • Ayra Raissa da Silva Santos
  • Laís Sousa Maia
  • Luiza Queiroz Rosado de Souza
  • Heloisa Mara Batista Fernandes de Oliveira
  • Elizandra Silva da Penha
  • Abrahão Alves de Oliveira Filho
Palavras-chave: Odontologia, Terapêutica, Essências Florais

Resumo

Introdução: Dentre as PICS empregadas em saúde, a terapia com florais de Bach mostra-se útil de diversas formas e para diversos fins, podendo ser aplicada, segundo alguns estudos, em várias especialidades incluindo a odontologia. Os Florais de Bach, desenvolvidos pelo médico inglês Dr. Edward Bach são substâncias extraídas de espécies de flores cuja vibração é compatível com algum tipo de disfunção que afeta a saúde dos indivíduos. No total foram extraídos 38 florais os quais foram distribuídos em sete grupos de acordo com sua finalidade. Objetivo: Avaliar o emprego dos florais de Bach na odontologia. Material e método: Trata-se de uma revisão narrativa de literatura. Os dados foram coletados durante o mês de outubro de 2019 nas plataformas Google Acadêmico, SciELO, e PubMed utilizando os descritores: Florais de Bach, odontologia, terapia. Os artigos que preencheram os critérios de elegibilidade foram selecionados e analisados. Resultados e discussão: Apesar de poucas pesquisas sobre o tema, sabe-se que os Florais de Bach são uma excelente opção no tratamento de várias condições psíquicas e físicas que aparecem no dia-a-dia da clínica odontológica. Estudos mostram que seu principal uso na odontologia se dá no combate do medo e ansiedade, no alívio de dores em lesões bucais e ainda é um potente antimicrobiano no combate do streptococoos mutans. Conclusão: Conclui-se que além de uma ótima opção terapêutica, os florais possuem propriedades as quais podem ser aplicadas em diversas áreas no tratamento odontológico, oferecendo uma eficácia excelente, custo acessível, facilidade de utilização, assim, otimizando a prática clinica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria n° 702, de 21 de março de 2018. Altera a Portaria de Consolidação nº 2/GM/MS, de 28 de setembro de 2017, para incluir novas práticas na Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares - PNPIC. Brasília: Ministério da Saúde, 2018b.

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 971 de 03 de maio de 2006. Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

Santos T, Silva CM, Possuelo LG, Morsch LM. Práticas integrativas e complementares na atenção básica: qual o conhecimento, aceitação e interesse dos usuários de um município do interior do RS?. Anais do Salão de Ensino e de Extensão;2018:7.

Telesi Júnior E. Práticas integrativas e complementares em saúde, uma nova eficácia para o SUS. Estud av. 2016;30(86):99-112.

Conselho Federal de Odontologia (CFO). Resolução nº 82 de 25 de setembro de 2008. Reconhece e regulamenta o uso pelo cirurgião-dentista de práticas integrativas e complementares à saúde bucal. Rio de Janeiro, 2008.

Facioli F, Soares AL, Nicolau RA. Terapia floral na odontologia no controle de medo e ansiedade–revisão de literatura. XIV Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e X Encontro Latino Americano de Pós-Graduação–Universidade do Vale do Paraíba, 2010.

Bueno N, FeesA, Franco LLMM, Reis LBM. Práticas integrativas e complementares: implantação nos serviços público e privado de saúde na Odontologia. Anais da Jornada Odontológica de Anápolis-JOA, 2019.

Salles LF, Da Silva MJP. Efeito das essências florais em indivíduos ansiosos. Acta paul enferm; 2012;25(2):238-42.

De Morais, Luan Caio Andrade; De Araújo Costa, Osvaldo Irineu Lopes; Araújo, Lia. O uso dos Florais de Bach nos últimos 10 anos: uma revisão integrativa. Anais Congrepics. 2019.

Gonçalves LTC, Miranda CC, Monteiro ABS, Dipp EC, Camargo GACG. Avaliação da eficácia de florais de bach na inibição do crescimento de streptococcus mutans: estudo in vitro. Rev Bras Odontol. 2018;75:(Supl.2):8

García Milanés M, Corona Carpio MH, Martínez Ramos MR, Medina Magluen C, Bruzón VC. Comportamiento clínico del miedo infantil al estomatólogo con tratamiento de flores de Bach. Rev Cubana Estomatol. 2007;44(3)

Moreno Peña BL. Miedo y ansiedad tratado con flores de Bach en la Clínica de Odontopediatría [dissertação]. Monterrey: Universidad Autónoma de Nuevo León;2016.

Peña Sisto M, de Silva Milagros C, Peña Sisto LA, González HE, Villalona Rodríguez J. Flores de Bach para el tratamiento de niños con gingivoestomatitis herpética aguda. MEDISAN. 2019;23(5):778-90.

Fernandes Neto JA, Simões TMS, Lacerda-Santos JT, Lira AMM, Catão MHCV. Habilitação em terapia floral para cirurgiões-dentistas: uma análise por estados e regiões brasileiras. Arch Health Invest. 2019;8(10): 576-79

Publicado
2020-10-22
Como Citar
Santos, A. R. da S. ., Maia, L. S., Souza, L. Q. R. de, Oliveira, H. M. B. F. de, Penha, E. S. da, & Oliveira Filho, A. A. de. (2020). Florais de Bach na Odontologia: uma breve revisão da literatura. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 10(2), 315-317. https://doi.org/10.21270/archi.v10i2.4852
Seção
Original Articles