Hiperplasia fibrosa inflamatória em mucosa oral: relato de caso

  • Danielly Porphirio da Mata Santos
  • Juliana Mayumi Hiramatsu
  • Carla Oliveira Favretto
  • Jonathan Primo Pereira Silva
Palavras-chave: Manifestações Bucais, Hiperplasia, Mucosa Bucal

Resumo

A hiperplasia fibrosa inflamatória está entre as lesões mais frequentes de tecido mole decorrentes de traumas crônicos. Trata-se de um crescimento tecidual, por meio de um agente irritativo frequente e de baixa intensidade, a partir de traumas, podendo ser recorrente caso seu agente traumático não seja removido. Apresenta-se clinicamente como um aumento de volume, normocorada e de base pediculada ou séssil. Aponta maior prevalência no gênero feminino, em regiões como gengiva, bochecha, língua, palato e lábios. As opções de tratamento são variáveis, podem ser por meio de lasers, incisões, microabrasão ou crioterapia. O objetivo deste estudo é: Apresentar um caso clínico de uma paciente com hiperplasia fibrosa inflamatória, relatando as características histopatológicas e clínicas da referida lesão, enfatizando a importância de um diagnóstico correto. Paciente do gênero feminino, 36 anos, apresentou-se na clínica escola da Faculdade Morgana Potrich relatando um crescimento anormal na parte interna da bochecha. Após a anamnese, realizou-se o exame clínico, em que se observou um aumento tecidual, nodular na região de mucosa jugal. Como tratamento, decidiu-se fazer a remoção cirúrgica da hiperplasia e enviada para exame histopatológico, confirmando o diagnóstico de hiperplasia fibrose inflamatória. Frente às várias lesões com características clínicas muito semelhantes, é extremamente necessário conhecer os diagnósticos diferenciais, bem como realizar o diagnóstico precoce da lesão possibilitando a escolha do tratamento mais eficaz e adequado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Marcucci G. Fundamentos de Odontologia – Estomatologia. 2. ed. Santos; 2016.

Neville BW, Damm DD, Allen CM, Bouquot JE. Patologia oral e maxilofacial. 2. ed. Rio De Janeiro: Elsevier; 2004.

Santos MESM, Costa WRM, Silva Neto JC. Terapêutica cirúrgica da hiperplasia fibrosa inflamatória: relato de caso. R Cir Traumatol Buco-Maxilo-Fac. 2004;4(4):241-45.

Coutinho TCL, Santos MEO. Hiperplasia Fibrosa Inflamatória. RGO. 1998;46(1):27-34.

Barros RGM, Campos KSM, Cabral LM. Relato de caso clínico de hiperplasia fibrosa inflamatória. Rev Odontol Araçatuba. 2014;35(2);15-8.

Coelho CM, Sousa YT, Daré AM. Denture-related oral mucosal lesions in a Brazilian school of dentistry. J Oral Rehabil. 2004;31(2):135-39.

Torrão ACR et al. Levantamento epidemiológico de biópsias da região bucomaxilofacial, encaminhadas ao laboratório de patologia bucal da Faculdade de Odontologia de Pernambuco. Rev CROPE. 1999;2(2):119-25.

Bassi APF, Vieira EH, Gabrielli MAC. Hiperplasia fibrosa inflamatória. RGO. 1998; 46(4):209-11.

Coleman GC, Nelson JF. Princípios de diagnóstico bucal. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan;1996.

Bóraks S. Diagnóstico bucal. 3. ed. São Paulo: Artes Médicas; 2001.

Zegarelli EV, Kutscher AH, Hyman GA. Diagnóstico das doenças da boca e dos maxilares. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1982.

Kignel S. Hiperplasia Fibrosa Inflamatória. Revista Paulista Odontologia. 1999; 21(2):40-4.

Botelho GA, Vieira EM, Pedro FLM. Prevalência dos Casos de Hiperplasia Fibrosa Inflamatória em Mucosa Bucal. UNICiências. 2010;14(1):9-22.

Coelho CMP, Zucoloto S, Lopes RA. Dentureinduced fibrous inflammatory hyperplasia: a retroscpective study in a school of dentistry. Int J Prosthodont. 2000;13(2):148-51.

Publicado
2020-10-22
Como Citar
Santos, D. P. da M., Hiramatsu, J. M., Favretto, C. O., & Pereira Silva, J. P. (2020). Hiperplasia fibrosa inflamatória em mucosa oral: relato de caso. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 10(2), 292-295. https://doi.org/10.21270/archi.v10i2.4879
Seção
Original Articles