Disfunção craniocervicomandibular ascendente de origem postural: relato de caso

  • Bárbara Nathalia Marques de Lima
  • Lioney Nobre Cabral
Palavras-chave: Síndrome da Disfunção da Articulação Temporomandibular, Postura, Dor Facial

Resumo

A disfunção craniocervicomandibular ascendente acontece quando alterações situadas abaixo do complexo craniomandibular são os fatores desencadeantes de uma desordem temporomandibular. Os sinais e sintomas mais comumente encontrados nessa disfunção são: dor localizada nos músculos mastigatórios ou na região da articulação temporomandibular, cefaléia, ruídos articulares e limitações dos movimentos mandibulares. O objetivo do presente estudo é relatar um caso de disfunção craniocervicomandibular ascendente causada por uma condição postural inadequada decorrente de maus hábitos ergonômicos. Um paciente procurou a Policlínica Odontológica da Universidade do Estado do Amazonas queixando-se de dor intermitente na região lateral da face associada à otalgia. Ao exame clínico, observou-se estalidos na articulação temporomandibular, presença de pontos-gatilhos nos músculos cervicais e retificação cervical, sendo assim diagnosticado com a disfunção, causada pela alteração postural. Após o diagnóstico, optou-se por uma modalidade de tratamento conservadora baseada na realização de exercícios fisioterapêuticos associados ao uso de uma placa estabilizadora miorrelaxante. Após um mês de tratamento, o paciente já apresentou um estado postural mais adequado, sem sintomatologia dolorosa. Após três anos de proservação, o paciente manteve o quadro estabilizado, sem queixas de dor. Concluímos que o correto diagnóstico da condição é a chave para a escolha e o sucesso do tratamento, sendo este realizado através de uma avaliação minuciosa e integral do indivíduo durante o exame clínico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Rocabado M. Relaciones biomecânicas de las regiones craneales, cervicales e hioideas. Ortodoncia. 1994;58(115):51-6.

Barbosa VCS, Barbosa FS. Abordagem fisioterápica. In: Barbosa VCS, Barbosa FS. Fisioterapia nas disfunções temporomandibulares. São Paulo: Phorte; 2009. p.106-190.

Amantéa DV, Novaes AP, Campolongo GD, Barros TP. A importância da avaliação postural no paciente com disfunção da articulação temporomandibular. Acta ortop bras. 2004;12(3):155-59.

Iunes DH. Análise da postura crânio-cervical em pacientes com disfunção temporomandibular [Tese]. Ribeirão Preto: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo; 2007.

Cuccia A, Caradonna C. The relationship between the stomatognathic system and body posture. Clinics (Sao Paulo). 2009;64(1):61-6.

Gonzalez HE, Manns A. Forward head posture: its structural and functional influence on the stomatognathic system, a conceptual study. Cranio. 1996;14(1):71-80.

Weber P, Correa ECR, Ferreira FS, Soares JC, Bolzan GP, Silva AMT. Frequência de sinais e sintomas de disfunção cervical em indivíduos com disfunção temporomandibular. J Soc Bras Fonoaudiol. 2012;24(2):134-39.

Nicolakis P, Nicolakis M, Piehslinger E, Ebenbichler G, Vachuda M, Kirtley C et al. Relationship between craniomandibular disorders and poor posture. Cranio. 2000;18(2):106-12.

Portero PP, Kern R, Kusma SZ, Grau-Grullón P. Placas oclusais no tratamento da disfunção temporomandibular (DTM): revisão de literatura. Rev Gestão & Saúde. 2009;1(1):36-40.

Barreto DC, Barbosa ARC, Frizzo ACF. Relação entre disfunção temporomandibular e alterações auditivas. Rev CEFAC. 2010;12(6):1067-1076.

Polo V. Avaliação da terapia de aplicação de calor seco em portadores de dor orofacial, disfunção temporomandibular e crânio cervical. [monografia]. Piracicaba, SP: Faculdade de Odontologia de Piracicaba - UNICAMP; 2013.

Donnarumma MC, Muzilli CA, Ferreira C, Nemr K. Disfunções temporomandibulares: sinais, sintomas e abordagem multidisciplinar. Rev CEFAC. 2010;12(5):788-94.

Borel KC, Silva VCC, Barbosa FS. Prevalência de sinais e sintomas de disfunção temporomandibulares em universitários de Muriaé, MG. Rev Cient FAMINAS. 2008;3(2):61-70.

Cerdeira DQ, Nunes TTV, Santiago ASN, Lima AC. Disfunção temporomandibular: a vivência fisioterapêutica na clínica de dor orofacial. Fisioter Bras. 2012;13(2):96-102.

Tridapalli ALR. Tratamento Fisioterápico das Desordens Temporomandibulares. [monografia]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC; 2012.

Maluf AS, Moreno BGD, Alfredo PP, Marques AP, Rodrigues G. Exercícios terapêuticos nas desordens temporomandibulares: uma revisão de literatura. Fisioter Pesq. 2008;15(4):408-15.

Tedeschi MF, Marques AP, Marzola C. Contribuição da fisioterapia para a Odontologia nas disfunções da articulação temporomandibular. Rev odonto ciênc. 2002;17(36):119-34.

Grade R, Caramês J, Pragosa A, Carvalhão J, Sousa S. Postura e disfunção temporomandibular: controvérsias atuais. Rev Port Estomatol Cir Maxilofac. 2008;49(2):111-17.

Okeson JP. Considerações gerais no tratamento das desordens temporomandibulares. In: Okeson JP. Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusão. 6. Ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2008. p. 269-301.

McNeely ML, Armijo OS, Magee DJ. A systematic review of the effectiveness of physical therapy interventions for temporomandibular disorders. Phys Ther. 2006;86(5):710-25.

Medlicott MS, Harris SR. A systematic review of the effectiveness of exercise, manual therapy, electrotherapy, relaxation training, and biofeedback in the management of temporomandibular disorder. Phys Ther. 2006;86(7):955-73.

McNamara JA, Seligman DA, Okeson JP. Occlusion, orthodontic treatment, and temporomandibular disorders: a review. J Orofac Pain. 1995;9(1):73-90.

Publicado
2020-10-22
Como Citar
de Lima, B. N. M., & Cabral, L. N. (2020). Disfunção craniocervicomandibular ascendente de origem postural: relato de caso. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 10(1), 163-169. https://doi.org/10.21270/archi.v10i1.4883
Seção
Original Articles