Análise temporal da incidência da tuberculose na população privada de liberdade

Resumo

Objetivo: verificar o comportamento da incidência da tuberculose na população privada de liberdade e estimando sua tendência. Materiais e métodos: Trata-se de um estudo ecológico de série temporal com análise de tendência da incidência da tuberculose na população privada de liberdade. Utilizou-se de dados secundários provenientes do Sistema de Informações e Agravos de Notificação. A população foi composta por todas as notificações de Tuberculose da população privada de liberdade de unidades masculinas e femininas no período de 2007 a 2016. Na análise de tendência temporal foi realizada através da criação de modelos de regressão polinomial e testados os modelos linear; quadrático; exponencial. Resultados: A tendência da incidência na população privada de liberdade geral e no sexo masculino foi considerada estável, ambas com (p=0,180), e no sexo feminino decrescente (p= 0,040). Conclusão: É necessário avanços na condução do controle da tuberculose nas unidades prisionais.

Descritores: Tuberculose; Epidemiologia; Prisioneiros; Incidência; Saúde Pública.

Referências

  1. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de recomendação para o controle da tuberculose no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde. 2018.
  2. World Heatlh Organization. 2017 Fer.Disponívelem: http://www.who.int/tb/areas-of-work/population-groups/prisons-facts/en/. Acesso em : 20 Jan. 2017.
  3. Kayomo MK, Hasker E, Aloni M, Nkuku L, Kazadi M, Kabengele T, et al. Outbreak of Tuberculosis and Multidrug-Resistant Tuberculosis, Mbuji-Mayi Central Prison, Democratic Republic of the Congo. Emerg Infect Dis. 2018;24(11):2029-35.
  4. Schwitters A, Kaggwa M, Omiel P, Nagadya G, Kisa N, Dalal S. Tuberculosis incidence and treatment completion among Ugandan prison Int J Tuberc Lung Dis. 2014;18(7):781-86.
  5. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim epidemiológico. Brasília: Ministério da Saúde, 2018;49(8).
  6. Alinaghi SAS, Farhoudi B, Najafi Z, Jafari S. Comparing Tuberculosis incidence in a prison with the society, Tehran, Iran. Arch Clin Infect Dis. 2018;E60247:1-3.
  7. Sacramento DS, Gonçalves MJF. Situação da tuberculose em pessoas privadas de liberdade no período de 2007 a 2012 . J Nurs UFPE on line. 2017;11(1):140-51.
  8. Valença MS, Possuelo LG, Cezar-Vaz MR, Silva PE. Tuberculose em presídios brasileiros: uma revisão integrativa da literatura. Cien Saude Colet. 2016;21(7):2147-60.
  9. Sánchez A, Larouzé B. Tuberculosis control in prisons, from research to action: the Rio de Janeiro, Brazil, experience. Cien Saude Colet. 2016;21(7):2071-80. 
  10. Martins ELC, Martins LG, Silveira AM, Melo EM. The contradictory right to health of people deprived of liberty: the case of a prison in Minas Gerais , Brazil. Saúde soc. 2014;23(4):1222-34.
  11. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Brasil livre da tuberculose. Plano nacional pelo fim da tuberculose como problema de saúde pública [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2017 [citado 2018 mar 8]. 52 p. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/0B0CE2wqdEaR-eVc5V3cyMVFPcTA/view.
  12. Macedo LR, Maciel ELN, Struchiner CJ. Tuberculose na população privada de liberdade do Brasil, 2007-2013*. Epidemiol Serv Saúde. 2017;26(4):783-94.
  13. Silva PF, Moura GS, Caldas AJM. Fatores associados ao abandono do tratamento da tuberculose pulmonar no Maranhão, Brasil, no período de 2001 a 2010. Cad Saúde Pública. 2014;30(8):1745-54.
  14. Montgomery DC, Jennings CL, Kulahci M. Introductionto Time Series Analysis and Forecasting. 2th ed. Hoken, NJ: John Wiley&Sons; 2015.
  15. Cavalcante GMS, de Macedo Bernardino Í, da Nóbrega LM, Ferreira RC, Ferreira E Ferreira E, d'Avila S. Temporal trends in physical violence, gender differences and spatial vulnerability of the location of victim's residences. Spat Spatiotemporal Epidemiol. 2018;25:49-56. 
  16. Alves JP, Brazil JM, Nery AA, Vilela ABA, Filho IEM. Perfil Epidemiológico de pessoas privadas de liberdade. Rev enferm UFPE on line. 2017;11(supl.10):4036-44.
  17. Lambert LA, Armstrong LR, Lobato MN, Ho C, France AM, Haddad MB. Tuberculosis in Jails and Prisons: United States. AJPH Res. 2016;106(12):2231-37.
  18. Orlando S, Triulzi I, Ciccacci F, Palla I, Palombi L, Marazzi MC et al. Delayed diagnosis and treatment of tuberculosis in HIV+ patients in Mozambique: A cost-effectiveness analysis of screening protocols based on four symptom screening, smear microscopy, urine LAM test and Xpert MTB/RIF. PLoS One. 2018;13(7):1-16.
  19. World HeatlhOrganization.The end TB strategy [Internet]. Geneva: World HeatlhOrganization; 2015. 20 p. Available in: http://www.who.int/tb/End_TB_brochure.pdf
  20. Belo MTCT, Luiz RR, Hanson SL, Teixeira EG, Chalfoun T, Trajman A. Tuberculose e gênero em um município prioritário no estado do Rio de Janeiro. J Bras Pneumol. 2010;36(5):621-25.
  21. Sá LD, Santos ARBN, Oliveira AAV, Nogueira JA, Tavares LM, Villa TCS. O cuidado á saúde da mulher com tuberculose na perspectiva do enfoque familiar. Texto contexto - enferm. 2012;21(2):409-17.
  22. Minayo MCS, Ribeiro AP. Condições de saúde dos presos do estado do Rio de Janeiro, Brasil Health conditions of prisoners in the state of Rio de Janeiro , Brazil. Ciênc saúde coletiva. 2016;21(7):2031-40.
  23. Ministério da Justiça e Segurança Pública. Departamento Penitenciário Nacional. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias: INFOPEN atualização junho de 2016. Org. Tandhara Santos; Colaboração. Marlene Inês da Rosa, et al. Brasília – DF, 2017, p. 65
  24. Winter BCA, Grazinoli Garrido R. A tuberculose no cárcere: um retrato das mazelas do sistema prisional brasileiro. Med leg Costa Rica. 2017;34(2):20-31.
  25. Soares Filho MM, Bueno PMMG. Demography, vulnerabilities and right to health to Brazilian prison population. Cien Saude Colet. 2016;21(7):1999-2010.
  26. Santos MNA, Sá AMM. Viver com tuberculose em prisões: O desafio de curar-se. Texto contexto - enferm. 2014;23(4):854-61.
  27. Ilievska-Poposka B, Zakoska M, Pilovska-Spasovska K, Simonovska L, Mitreski V. Tuberculosis in the Prisons in the Republic of Macedonia, 2008-2017. Maced J Med Sci. 2018;6(7):1300-4.
  28. Oliveira LGD, Natal S, Camacho LAB. Contextos de implantação do Programa de Controle da Tuberculose nas prisões brasileiras. Rev Saúde Pública. 2015;49:66.
  29. da Silva RD, de Luna FDT, de Araújo AJ, Camêlo ELS, Bertolozzi MR, Hino P, Lacerda SNB, Fook SML, de Figueiredo TMRM. Patients' perception regarding the influence of individual and social vulnerabilities on the adherence to tuberculosis treatment: a qualitative study. BMC Public Health. 2017;17(1):725. 

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-12-28
Como Citar
Alves, K. K. A. F., Borralho, L. M., Bernardino, Ítalo de M., & Figueiredo, T. M. R. M. de. (2020). Análise temporal da incidência da tuberculose na população privada de liberdade. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 9(6), 655-660. https://doi.org/10.21270/archi.v9i6.4907
Seção
Artigos Originais