Efeitos da música na comunicação do idoso: panorama das pesquisas brasileiras

  • Lígia Silva Pinheiro Graduanda em Fonoaudiologia pelo Centro Universitário Planalto do Distrito Federal
  • Andreza Carla Maria da Silva Mansur Docente do Centro Universitário Planalto do Distrito Federal, Especialista em Disfagia
  • Vanessa Luisa Destro Fidêncio Docente do Centro Universitário Planalto do Distrito Federal, Doutora em Ciências pela FOB-USP
  • Luciana Paula Maximino Livre-docente do curso de Fonoaudiologia, da Faculdade de Odontologia de Bauru – USP
  • Camila de Castro Corrêa Docente da Universidade de Brasília e do Centro Universitário Planalto do Distrito Federal, Doutora em Bases Gerais da Cirurgia pela FMB-UNESP
Palavras-chave: Música, Comunicação, Idoso, Fonoaudiologia

Resumo

Introdução: A fonoterapia pode auxiliar na comunicação de quadros neurológicos, como Acidente Vascular Cerebral, Alzheimer, Parkinson, Esclerose Lateral Amiotrófica e Demências, podendo ser potencializada com a utilização de música associada. Objetivo: Investigar os efeitos da música na comunicação do idoso, baseado nos achados brasileiros. Métodos: A revisão bibliográfica foi estabelecida a partir de buscas realizadas nas bases de dados Google Acadêmico e Portal Regional Virtual Health Library, por meio dos cruzamentos dos seguintes descritores música, idoso e reabilitação. Resultados: As referências pesquisadas expressaram dentre os efeitos na comunicação, a melhora na sequencialização, verbalização, atenção, entonação, prosódia, e a estimulação neuronal, melhorando lateralização, sequência lógica, espaço temporal e memória. Verificou-se também a utilização de métodos como a terapia de entonação melódica, como instrumento de potencialização das habilidades comunicativas comportamentais e consideráveis ativações neuronais. Conclusão: Foi possível verificar que a música traz benefícios nas terapias fonoaudiológicas, em relação à reabilitação na comunicação, canto, fala, linguagem, melhora a prosódia, estimula a memória e a aprendizagem. Sugere-se que futuros estudos busquem padronizar protocolos para o acompanhamento a curto e longo prazo desses possíveis efeitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

IBGE (Brasil). Estatísticas Sociais, 24 set. 2018. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/20980-numero-de-idosos-cresce-18-em-5-anos-e-ultrapassa-30-milhoes-em-2017. Acesso em: 07 fev 2020.

Ambrosini E, Cid M, de Isla CG, Salamanca P, Borghese NA, Ferrante S, et al. Automatic speech analysis to early detect functional cognitive decline in elderly population. Conf Proc IEEE Eng Med Biol Soc. 2019;212-16.

Oesch N. Music and Language in Social Interaction: Synchrony, Antiphony, and Functional Origins. Front Psychol. 2019;10:1514.

Feast AR, White N, Candy B, Kupeli N, Sampson EL. The effectiveness of interventions to improve the care and management of people with dementia in general hospitals: a systematic review. Int J Geriatr Psychiatry. 2020;35(5):463-88.

Clare A, Camic PM, Crutch SJ, West J, Harding E, Brotherhood E. Using music to develop a multisensory communicative environment for people with late-stage dementia. Gerontologist. 2020;60(6):1115-25.

Brotons M, Koger SM. The impact of music therapy on language functioning in dementia. J Music Ther. 2000;37(3):183-95.

Santos CMC, Pimenta CAM, Nobre MRC. A estratégia PICO para a construção da pergunta de pesquisa e busca de evidências. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2007;15(3):508-11.

Pederiva PLM, Tristão RM. Música e Cognição. Ciência E Cognição. 2006;9:83-90.

Sales CA, Silva VA, Pilger C, Marcon SS. A música na terminalidade humana: concepções dos familiares. Rev Esc Enferm. USP. 2011;45(1):138-45.

Degani M, Mercadante EF. Os benefícios da música e do canto na maturidade. Kairós Gerontologia. 2010;13(2):149-66.

Rocha VC, Boggio OS. A música por uma óptica neurocientífica. Per Musi.2013;27:132-40.

Rodrigues AC, Loureiro M, Caramelli P: Efeitos do treinamento musical no cerébro: aspectos neurais e cognitivos. Neuropsicologia Latinoamericana. 2013;5(4):15-31.

Fontoura DR, Rodrigues JC, Brandão L, Monção AM, Salles JF. Eficácia da terapia da entonação melódica adaptada: estudo de caso de paciente com afasia de Broca. Rev Dist Comunic. 2014;26(4):641-55.

Torres LV, Freitas EF. Fonoaudiologia e Musicoterapia na Clínica de Linguagem: uma prática clínica. Estudos Vida e Saúde-EVS. 2015;42(3):45-57.

Araújo LF, Santos LMS, Amaral EB, Cardoso ACA, Negreiros F. A Musicoterapia no fortalecimento da comunicação entre os idosos institucionalizados. Rev Kairós. 2016; 19(22,n.esp):191-205.

Granja PC, Carmo CF. Música e Exercícios Fonoaudiológicos para tratamento de Alzheimer. Perspectivas Online Biologia e Saúde. 2017;7(23):34-43.

Lima GB. Terapia Melódica para Reabilitação da Comunicação na Afasia Revisão Bibliográfica: UNB-DF;2018.

Fleming D, Belleville S, Peretz I, West G, Zendel BR. The effects of short-term musical training on the neural processing of speech-in-noise in older adults. Brain Cogn. 2019;136:103592.

Fraile E, Bernon D, Rouch I, Pongan E, Tillmann B, Lévêque Y. The effect of learning an individualized song on autobiographical memory recall in individuals with Alzheimer's disease: A pilot study. J Clin Exp Neuropsychol. 2019;41(7):760-68.

Lima JP, Iervolino SMS, Schochat E. Musical and temporal auditory skills in cochlear implant users after music therapy. Codas. 2018;30(6):e20180006.

Clark IN, Taylor NF, Baker F. Music interventions and physical activity in older adults: a systematic literature review and meta-analysis. J Rehabil Med. 2012;44(9):710-19.

Publicado
2021-04-07
Como Citar
Pinheiro, L. S., Mansur, A. C. M. da S., Fidêncio, V. L. D., Maximino, L. P., & Corrêa, C. de C. (2021). Efeitos da música na comunicação do idoso: panorama das pesquisas brasileiras. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 10(4), 626-630. https://doi.org/10.21270/archi.v10i4.4918
Seção
Original Articles