Saúde auditiva e emissões otoacústicas evocadas em motoristas de uma cidade do interior do Paraná, Brasil

  • Carla Rafaela Correia Soares Departamento de Fonoaudiologia, Universidade Estadual do Centro Oeste, Unicentro, Campus Irati, 84505-677 Irati-PR, Brasil
  • Juliana de Conto Departamento de Fonoaudiologia, Universidade Estadual do Centro Oeste, Unicentro, Campus Irati, 84505-677 Irati-PR, Brasil
  • Dayane Domeneghini Didoné Departamento de Fonoaudiologia, Universidade Estadual do Centro Oeste, Unicentro, Campus Irati, 84505-677 Irati-PR, Brasil
  • Mariane Amaral Departamento de Fonoaudiologia, Universidade Estadual do Centro Oeste, Unicentro, Campus Irati, 84505-677 Irati-PR, Brasil
Palavras-chave: Saúde do Trabalhador, Ruído, Perda Auditiva

Resumo

Introdução: O ruído é um tipo de som que provoca sensação auditiva desagradável, podendo provocar efeitos auditivos e extra auditivos. Motoristas são profissionais que estão sujeitos a prejuízos de saúde geral e auditiva, pois precisam enfrentar o ruído diariamente em suas atividades profissionais. Objetivo: Verificar a presença ou ausência das emissões otoacústicas evocadas por produto de distorção, queixas auditivas e extra-auditivas, bem como promover uma ação educativa sobre saúde auditiva em um grupo de motoristas de uma cidade do interior do Paraná, Brasil. Métodos: Participaram 21 motoristas e o estudo foi dividido em três etapas, sendo na primeira, a aplicação de questionário, na segunda, inspeção visual do conduto auditivo externo e exame de emissões otoacústicas e na terceira etapa foi realizada ação educativa aos motoristas sobre cuidados em saúde auditiva. Resultados: O sintoma auditivo mais relatado foi a sensação de plenitude auricular e o sintoma extra-auditivo, foi a cefaleia. Quanto às emissões otoacústicas, foi observado que estavam presentes em mais de 70% das orelhas. Conclusão: Este grupo de motoristas apresenta poucas queixas relacionadas à saúde geral e à audição. No que se refere às emissões otoacústicas, foi observado que estavam presentes na maior parte das orelhas estudadas, exceto nas frequências mais agudas, de 4 e 5 KHz. Quanto à ação educativa realizada para esses profissionais, pode-se perceber que os mesmos apresentam poucos conhecimentos sobre os cuidados em saúde auditiva e higienização da orelha, sendo a orientação uma atividade imprescindível para essa população.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Teti BS, Cruz FM, Lago EMG, Zlatar T. Perdas auditivas induzidas pelo ruído no ambiente ocupacional da construção civil. REPA. 2019; 4(1):146-53.

Grudtner MJS, Fiorini AC. Ruído urbano e efeitos na saúde de taxistas do Município de São Paulo. Rev UNICET. 2018;1(1):1-17.

Andrade WTL, LIMA MAR, SOARES JFR. Queixas auditivas de trabalhadores de uma indústria cerâmica da cidade de João Pessoa/PB. Rev CEFAC. 2015;17(6):1874-81.

BRASIL. Ministério do Trabalho. Portaria nº 3214 de 08 de junho de 1978. Descreve a Norma Regulamentadora nº 15 (NR15) – Atividades e Operação Insalubres. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasilia (DF); 1978 Jun 08; Suplemento.

Coelho MSB, Ferraz JRS, Almeida EOC, Filho NA. As emissões otoacústicas no diagnóstico diferencial das perdas auditivas induzidas por ruído. Rev CEFAC. 2010;12(6):1050-58.

Lacerda A, Figueiredo G, Massarolo Neto J, Marques JM. Achados audiológicos e queixas relacionadas à audição dos motoristas de ônibus urbano. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2010;15(2):161-66.

Giuliani A. O nível de ruído próximo aos motoristas de ônibus urbano na cidade de Porto Alegre, RS. Rev Liberato. 2011;12(17):98-103.

Godinho RD, Mourão RF, Castro LA, Pouzas RS, Rocha LLv. Ruído Ambiental e a Saúde do Motorista. BJSCR. 2016;13(4):96-100.

Oliveira RC, Santos JN, Rabelo ATV, Magalhães MC. O impacto do ruído em trabalhadores de Unidades de Suporte Móveis. Rev CODAS. 2015;27(3):215-22.

Sousa LCA, Piza MRT, Alvarenga KF, Cóser PL. Eletrofisiologia da audição e emissões otoacústicas: princípios e aplicações clínicas. Ribeirão Preto: Novo Conceito; 2010.

Lopes AC, Otowiz VG, Lopes BMP, Lauris JRP, Santos CC. Prevalência de perda auditiva induzida por ruído em motoristas. Rev Int Arch Otorhinolaryngol. 2012;16(4):509-14.

Guardiano JS, Chagas TZ, Slomp Junior H. Avaliação da perda auditiva em motoristas de ônibus de Curitiba. Rev CEFAC.2014;16(1):50-4.

Souza LPS, Silva JJ, Silva CSO, Pinto IK. Prevalência e fatores associados à hipertensão em trabalhadores do transporte coletivo urbano no Brasil. Rev bras med trab. 2017;15(1):80-7.

Tonello, EF. Estúdio sobre o perfil audiológico em motoristas de ônibus de uma empresa de transporte coletivo na grande Curitiba-PR [ dissertação] Curitiba: Departamento de Saúde Comunitária, Universidade Federal do Paraná (UFPR); 2014.

Bertuol B, Scremin ALX, MarquesPM, Ferreira L, Araújo TM, Biaggio EPV. Zumbido, qualidade de vida e questões emocionais de sujeitos usuários de próteses auditivas. Disturb Comun. 2018;30(1):80-9.

Steinmetz LG, Zeigelboim BS, Lacerda AB, Morata TC, Marques JM. Características do zumbido em trabalhadores expostos a ruído. Rev Bras Otorrinolaringol.2009;75(1):7-14.

Batista APL, Rodrigues GAA, Aquino KO, Silva WT. Sintomas auditivos e não auditivos em motoristas de transporte rodoviário. Rev Bionorte. 2015;4(1):86-97.

Fiorini AC, Moran MESP. Emissões otoacústicas–produto de distorção: estudo de diferentes relações de níveis sonoros no teste em indivíduos com e sem perdas auditivas. Distúrb Comum. 2005;17(3)385-96.

Morata TC, Lemasters GK. Considerações epidemiológicas para o estudo de perdas auditivas ocupacionais. In: Nudelmann AA, Costa EA, Seligman J, Ibagñez RN. PAIR: perda auditiva induzida pelo ruído. Revinter. 2001(2):1-16.

Biron EJM. A detecção precoce da perda auditiva induzida pelo ruído com o uso das emissões otoacústicas produto de distorção. Curitiba-PR [dissertação]. Curitiba: Departamento de Saúde Comunitária, Universidade Federal do Paraná (UFPR); 2016.

Costa JB, Rosa SAB, Borges LL, Camarano MRH. Caracterização do perfil audiológico em trabalhadores expostos a ruídos ocupacionais. EVS. 2015;42(3):273-87.

Gonçalves CGO, Guida HL. Saúde Ambiental: Ação em vigilância em saúde do trabalhador exposto a agentes otoagressivos. In: Boéchat EM, Menezes PL, Couto CM, Frizzo ACF, Scharlach RC, Anastasio ART. Tratado de Audiologia. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan, 2015.

Lacerda ABM, Soares VMN, Goncalves CGO, Lopes FC, Testono R. Oficinas educativas como estratégia de promoção da saúde auditiva do adolescente: estudo exploratório. Rev ACR. 2013;18(2):85-92.

Publicado
2021-04-07
Como Citar
Soares, C. R. C., Conto, J. de, Didoné, D. D. ., & Amaral, M. (2021). Saúde auditiva e emissões otoacústicas evocadas em motoristas de uma cidade do interior do Paraná, Brasil. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 10(4), 631-636. https://doi.org/10.21270/archi.v10i4.4924
Seção
Original Articles