Frenectomia em Odontopediatria: relato de caso

  • Marcelle Danelon
  • Nayara Gonçalves Emerenciano
  • Francyenne Maira Castro Gonçalves
  • Cristiane de Fátima Gaiardo Vicioni
  • Laura Imbriani Bento
  • Robson Frederico Cunha

Resumo

O freio lingual é uma estrutura anatômica que desenvolve importante papel no ato da sucção, fala e alimentação. A anquiloglossia constitui uma anomalia congênita sendo caracterizada por alteração no freio da língua que resulta em limitações dos movimentos dessa estrutura, podendo ser identificada em diferentes faixas etárias. O presente trabalho tem como proposição relatar um caso clínico de frenectomia lingual em paciente pediátrico, bem como, a conduta clínica e cirúrgica para o presente caso. Paciente, GMF, do gênero masculino, 6 anos de idade, compareceu a Clínica de Odontopediatria da Faculdade de Odontologia de Araçatuba, FOA/UNESP, Brasil, para avaliação do freio lingual, o qual segundo a mãe o incomodava para falar e se alimentar de forma correta. O paciente foi submetido ao exame clínico, sendo verificada a presença de baixa inserção do freio lingual e dificuldade de pronúncia de palavras. Diante das características clínicas, o diagnóstico foi de anquiloglossia, e o plano de tratamento instituído foi a frenectomia lingual. O procedimento cirúrgico contou com as seguintes etapas: anestesia tópica, associada à anestesia terminal infiltrativa e secção do freio lingual com a utilização de tesoura de ponta reta. Após a realização do procedimento cirúrgico pode-se observar melhor mobilidade da língua do paciente. Conclui-se que a frenectomia mostrou-se eficiente para melhorar a postura e mobilidade da língua, funções orais e da comunicação.

Descritores: Odontopediatria; Freio Lingual; Criança.

Referências

  1. Corrêa M, Alvarez J, Corrêa F, Azevedo de G, Bonini V, Alves F. Anquiloglosia y amamantamiento: Revisión y reporte de caso. Rev estomatol Hered. 2008;18(2):121-27.
  2. Kotlow LA. Ankyloglossia (tongue-tie): a diagnostic and treatment quandary. Quintessence Int. 1999;30(4):259-62.
  3. Brito SF, Marchesan IQ, Bosco CM, Carrilho ACA, Rehder MI. Frênulo lingual: classificação e conduta segundo ótica fonoaudiológica, odontológica e otorrinolaringológica. Rev CEFAC. 2008;10(3):343-51.
  4. Braga LAS, Pantuzzo CA, Motta AR. Prevalência de alterações no frênulo lingual e suas implicações na fala de escolares. Rev CEFAC. 2009;11(Suppl 3):378-90.
  5. Guedes PAC. Odontopediatria. 7. ed. São Paulo: Santos; 2003.
  6. Borsatto MC, Torres CP, Assed S. Cirurgia em Odontopediatria. In: Sada S. Odontopediatria: bases científicas para a prática clínica/SadaAssed. São Paulo: Artes Médicas; 2005;239-89.
  7. Martinelli R, Marchesan I, Berretin FG. Estudo longitudinal das características anatômicas do frênulo lingual comparado com afirmações da literatura. Rev CEFAC. 2014;16:1202-07.
  8. Fujinaga C, Chaves J, Karkon I, Klossowski D, Silva F, Rodrigues A. Frênulo lingual e aleitamento materno: Estudo Descritivo. Audiol Commun Res. 2017;22:e1762.
  9. Puricelli E, Ponzoni D. Aspectos da cirurgia e traumatologia bucomaxi-lofacial em odontopediatria. In: Toledo OA. Odontopediatria: fundamentos para a prática clínica. Rio de Janeiro: MedBook; 2012;329-48.
  10. Ballard JL, Auer CE, Khoury JC. Ankyloglossia: assessment, incidence, and effect of frenuloplasty on the breastfeeding dyad. Pediatrics. 2002;110(5):e63. 
  11. Segal LM, Stephenson R, Dawes M, Feldman P. Prevalence, diagnosis, and treatment of ankyloglossia: methodologic review. Can Fam Physician. 2007;53(6):1027-33. 
  12. Baldani MH, Lopes CML, Scheidt WA. Prevalence of oral alterations in infants seen at the public pediatric dental clinics from Ponta Grossa - PR, Brazil. Pesqui. Odontol. Bras. 2001;15(4):302-7. 
  13. Marchesan I, Rehder M, Oliveira L, Lanboglia R, Araujo T, Costa M, Martinelli R. Incidência de alterações de frênulo da língua em uma população de crianças de 1ª a 3ª série de ensino fundamental. 16° Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia., Campos do Jordão-SP. 2008.
  14. Martinelli V, Martinelli R, Marchesan I, Berretin FG, Souza S. Elaboração e desenvolvimento de um website sobre o teste da linguinha. Rev CEFAC. 2017;19(2):260-64.
  15. Friggi MNP, Orsi RM, Chelotti A. Técnica cirúrgica pediátrica – frenectomia lingual. JBP j bras odontopediatr odontol bebê. 1998;1(3):101-15.
  16. Marquezan IQ, Martinelli RLC, Gusmão RJ. Frênulo lingual: modificações após frenectomia. J Soc Bras Fonoaudiol 2012;24(4):409-12.
  17. Veyssiere A, Kun-Darbois JD, Paulus C, Chatellier A, Caillot A, Bénateau H. Diagnostic et prise en charge de l'ankyloglossie chez le jeune enfant [Diagnosis and management of ankyloglossia in young children]. Rev Stomatol Chir Maxillofac Chir Orale. 2015;116(4):215-20. 
  18. Almeida RR, Garib DG, Almeida-Pedrin RR, Almeida MR, Pinzan A, Junqueira MHZ. Diastemas interincisivos centrais superiores: quando e como intervir? R Dental Press Ortodon Ortop Facial. 2004;9(3):137-56.
  19. Almeida LF. Freio labial superior: aspectos gerais e tratamentos [monografia]. Cuiabá: Curso de Especialização em Periodontia, Centro de Aperfeiçoamento e Especialização Sinodonto (caes - Mt); 2006.
  20. Silva M, Costa MLVCM, Nemr K, Marchesam IQ. Frênulo de língua alterado e interferência na mastigação. Rev CEFAC. 2009;11(Supl 3):363-69.
  21. Izolani Neto O, Molero VC, Goulart RM. Frenectomia: Revisão de literatura. Uningá Review. 2014;18(3):21-5.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-10-07
Como Citar
Danelon, M., Emerenciano, N. G. ., Gonçalves, F. M. C. ., Vicioni, C. de F. G. ., Bento, L. I. ., & Cunha, R. F. . (2020). Frenectomia em Odontopediatria: relato de caso. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 9(6), 522-526. https://doi.org/10.21270/archi.v9i6.4968
Seção
Artigos Originais