Pistas diretas no tratamento de bruxismo infantil: relato de caso

  • Gíssia Santana Carmo Graduação em Odontologia, Unidade Acadêmica de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), 58708-110 Patos – PB, Brasil
  • Joyce Ferreira Nobre Cavalcante Graduação em Odontologia, Unidade Acadêmica de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), 58708-110 Patos – PB, Brasil
  • José Henrique de Araújo Cruz Cirurgião-Dentísta Curso de Odontologia, Unidade Acadêmica de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), 58708-110 Patos – PB, Brasil
  • Fátima Roneiva Alves Fonseca Professora Doutora, Curso de Odontologia, Unidade Acadêmica de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), 58708-110 Patos – PB, Brasil
  • Maria Carolina Bandeira Macena Professora Doutora, Curso de Odontologia, Unidade Acadêmica de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), 58708-110 Patos – PB, Brasil
Palavras-chave: Bruxismo, Ortodontia, Odontopediatria, Estresse

Resumo

Introdução: O bruxismo infantil é um ato inconsciente que pode estar atrelado a fatores hereditários e psicológicos, uma desordem funcional, que é caracterizada pelo típico ranger de dentes, com forças oclusais extremamente elevadas quando comparadas ao normal que são capazes de gerar, a médio e longo prazo, grandes consequências. Objetivo: Relatar um caso clínico de confecção e instalação de pistas diretas planas em paciente infantil, realizado na Clínica Escola de Odontologia da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), com intuito de considerar a eficácia do tratamento. Relato do caso: Este estudo apresenta o caso de um paciente infantil, 10 anos, que procurou atendimento odontológico com queixa de bruxismo. Através de anamnese e exame clínico, foi possível observar a presença dessa disfunção. O tratamento proposto foi instalação de pistas diretas planas em molares inferiores. O procedimento foi iniciado a partir da moldagem anatômica com moldeiras infantis 2 e alginato tipo ll, seguido de vazamento do molde em gesso. Com modelos vazados, utilizou-se resina composta e espátula de resina para confecção das pistas, foi realizado polimento das mesmas adaptadas no modelo com pedra pomes. A instalação, foi precedida por profilaxia, ataque ácido e enxague, inserção de adesivo e fotopolimerização. As pistas foram adaptadas individualmente com auxílio de resina flow e fotoativação nos elementos 74, 75, 84, 85. Conclusão: O tratamento escolhido baseou-se em técnica bastante prática e reversível, que demonstrou grande êxito e proporcionou relaxamento muscular com consequente ausência de sintomatologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Lipp Men, Souza EAPS, Romano ASF, Colovan MA. Como enfrentar o stress infantil. São Paulo: Ícone; 1991.

Kristensen CH, Schaefer LS, Busnello FB. Estratégias de coping e sintomas de stress na adolescência. Estud psicol. 2010;27(1):21-30.

Sbaraini CR, Schermann LB. Prevalence of childhood stress and associated factors: a study of schoolchildren in a city in Rio Grande do Sul State, Brazil. Cad Saúde Pública. 2008; 24(5):1082-88.

Attanasio, R. Nocturnal bruxism and its clinical management. Dent Clin North Am; 1991;35(1):245-52.

Vanderas A.P. Relationship between craniomandibular dysfunction and oral parafunctions in Caucasian children with and without unpleasant life events. J Oral Rehabil; 1995;22:289-94.

Loos PJ, Aaron GA. Standards for management of the pediatric patient with acute pain in the temporomandibular joint or muscles of mastication. Pediatr Dent; 1989;11(4):331.

Okeson, J. P. Fundamentos de oclusão e desordens têmporo-mandibulares. 2. ed. São Paulo: Artes Médicas; 1992, p.118-135.

Feitosa GMA, Félix RCR, Sampaio DC, Vieira ARG, Santos CCO, Fonseca ST. Bruxismo na infância: perfil de comportamento, características do sono e sintomatologia. Rev Bahiana Odontol. 2016;7(2):94-104.

Vieira ARG, Drumond CL, Martins PA Jr, Corrêa FP, Gonzaga GC, Marques LS, et al. Prevalence of sleep bruxism and associated factors in preschool children. Pediatr Dent. 2014;36(1):46-50.

Serra NJM, Paiva SM, Auad SM, Ramos JML, Pordeus IA. Signs, symptoms, parafunctions and associated factors of parent-reported sleep bruxism in children: a case-control study. Braz Dent J. 2012;23(6):746-52.

Castroflorio T, Bargellini A, Rossini G, Cugliari G, Rainoldi A, Deregibus A. Risk factors related to sleep bruxism in children: a systematic literature review. Arch Oral Biol. 2015; 60(11):1618-24.

Ahmad, R. Bruxism in children. J Pedodont; 1986, v.10, p.105-125.

Maciel, R. N. Oclusão e ATM: procedimentos clínicos. São Paulo: Santos; 1996.

Calderan MF, Silva TC, Honório DR, Oliveira TM, Machado MADAM. Fatores etiológicos do bruxismo do sono: revisão de literatura. Rev Odontol Univ Cid São Paulo.2017;26(3):243-49.

Halal CSE, Nunes ML. Education in children’s sleep hygiene: which approaches are effective? A systematic review. J Pediatr. 2014;90(5):449-56.

Alves VC, Moliterno LF, Ramos ME, Cruz RA, Campos V. Alguns aspectos do bruxismo de interesse do odontopediatra. Rev Odontopediatr; 1993;2:157-63.

Hachmann A, Martins EA, Araujo FB, Nunes R. Efficacy of the nocturnal bite plate in the control of bruxism for 3 to 5 year old children. J Clin Pediatr Dent; 1999;24:9-15.

Antonio AG, Pierro VS, Maia LC. Bruxism in children: a warning sign for psychological problems. J Can Dent Assoc; 2006;72:155-60.

Diniz, M.B., Silva, R.C., Zuanon, A.C.C. Childhood bruxism: a warning sign to pediatric dentists and pediatricians. Rev Paul Pediatr. 2009;27(3):329-34.

Gonçalves, L.P.V., Otero, S.A.M., Toledo, O.A. The relationship between bruxism, occlusal factors and oral habits. Dental Press J Orthod; 2010;15(2):97-104.

Macedo RC. Bruxismo do sono. R Dental Press Ortodon Ortop Facial; 2008;13(2).

Masuko AH, Villa TR, Pradella-Hallinan M, et al. Prevalence of bruxism in children with episodic migraine: a case-control study with polysomnography. BMC Res Notes.2014;7: 298.

Paiva T, Batista A, Martins P, Martins A. The relationship between headaches and sleep disturbances. Headache. 1995;35(10):590-96.

Planas, P. Terapia na primeira dentição: verdadeira terapia da “reabilitação neuro-oclusal”, Reabilitação Neuro-oclusal. Rio de Janeiro: Medsi; 1988.

Gribel, M.N. Tratamento de mordidas Cruzadas unilaterais posteriores com desvio postural mandibular com Pista Diretas planas. Rev dent press ortodon ortop maxilar. 1999;4(5):47-54.

Simões W A. Ortopedia funcional dos maxilares através da reabilitação neuro oclusal. 3. ed. São Paulo: Santos; 2003.

Valério, P.; Terçarolli, S.P.; Gribel, M.N. A Ortopedia Funcional na Prevenção de oclusopatias. In: Sakai, E.; Cotrim-Ferreira, F.A.; Martins, N.S. SPO 2012. Nova Visão em Ortodontia e Ortopedia Funcional dos Maxilares. 18. ed. São Paulo: Santos, 2012.

Garbin AJI, Wakayama B, Rovida TAS, Garbin CAS. A utilização da Pista Direta de Planas no tratamento precoce da mordida cruzada posterior: relato de caso. Arch Health Invest. 2016;5(4):182-85.

Publicado
2021-06-17
Como Citar
Carmo, G. S., Cavalcante, J. F. N., Cruz, J. H. de A., Fonseca, F. R. A., & Macena, M. C. B. (2021). Pistas diretas no tratamento de bruxismo infantil: relato de caso. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 10(6), 900-905. https://doi.org/10.21270/archi.v10i6.5001
Seção
Original Articles