Síndrome de Guillain-Barré: relato de caso

  • Ana Gabriela Beraldo Castillo
  • Isabela Gonçalves Pirola
  • Janaine Mara Terezo Garcia
  • Gabriel Pina Paiva

Resumo

A síndrome de Guillain-Barré (SGB) é uma doença neurológica rara, de caráter autoimune, mais frequente no sexo masculino e com o aumento da idade, podendo ser precedida por processo infeccioso. Apresenta-se em 4 subtipos, os quais variam quanto ao curso e gravidade da doença, sendo o mais comum: a polineuropatia inflamatória desmielinizante aguda (PIDA), descrito neste relato de caso. A proposição do trabalho é mostrar a evolução precoce do quadro, que pode cursar com manifestações clínicas motoras, sensitivas e possivelmente autonômicas, podendo levar o paciente à insuficiência respiratória e posterior óbito. Discute-se também o diagnóstico e o tratamento preconizados. O primeiro envolve a obrigatoriedade de critérios essenciais, a presença de alguns critérios clínicos sugestivos, ausência de critérios que reduzem ou excluem a possibilidade da doença, além de exames laboratoriais (liquor) e eletroneuromiografia. Enquanto o tratamento é feito com Imunoglobulina humana intravenosa (IgIv) ou plasmaférese (Px), no intuito de evitar a progressão rápida e total dos sinais e sintomas, refletindo em um menor tempo de recuperação e minimização de déficits motores no paciente; além de cuidados de suporte multidisciplinares para prevenir possíveis complicações. Conclui-se, portanto, que o reconhecimento do quadro clínico, formas variantes, critérios diagnósticos e achados laboratoriais ou neurofisiológicos para diagnostico ou exclusão da doença se faz necessário para todos que atuam na emergência, visto que a doença é grave e de alta morbimortalidade.

Descritores: Síndrome de Guillain-Barré; Imunoterapia; Plasmaférese.

Referências

  1. van den Berg B, Walgaard C, Drenthen J, Fokke C, Jacobs BC, van Doorn PA. Guillain-Barré syndrome: pathogenesis, diagnosis, treatment and prognosis. Nat Rev Neurol. 2014;10(8):469-82. 
  2. Costa ACD. Síndrome de Guillain-Barré: uma revisão integrativa de literatura e de dados do Sistema Único de Saúde [monografia]. Brasília: Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade de Brasília (Unb); 2016.
  3. Bolan RS, Dal Bó K, Vargas FR, Moretti GRF, Almeida LP, Almeida GKP et al. Síndrome de Guillain-Barré. Rev AMRIGS. 2007; 51(1):58-61.
  4. Shy ME. Neuropatias periféricas: Síndrome de Guillain-Barré. In: Goldman L, Schafer, AI. Cecil Medicina. v.2, 24 ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2014. cap. 428, p. 2784-85.
  5. Hauser SL, Amato AA. Síndrome de Guillain-Barré e outras neuropatias mediadas imunologicamente. In: Jameson JL, Fauci AS, Kasper DL, Hauser SL, Longo DL, Loscalzo J. Medicina Interna de Harrison. v.2, 18ºed. Porto Alegre, Editora AMGH; 2013. cap. 385, p.3473- 79
  6. Marx A, Glass JD, Sutter RW. Differential diagnosis of acute flaccid paralysis and its role in poliomyelitis surveillance. Epidemiol Rev. 2000;22(2):298-316. 
  7. Brasil. Ministério da Saúde. Síndrome de Guillain-Barré: Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas. Portaria SAS/MS n 497, 2009, 14 p. [Acesso em: 28 mar. 2019] Disponível em: <http://neurologiahu.ufsc.br/files/2012/08/Protocolo-MS_Guillain-Barr%C3%A9-2009.pdf>.
  8. Oliveira E, Monteiro N, Sequeira M, Saraiva JP. Síndrome de Guillain-Barré: experiência de uma Unidade de Cuidados Intensivos e revisão da literatura. Medicina Interna. 2012; 19(3):130-39.
  9. Araujo AM, Dias LC, Silva CMS, Gaspar LC, Anjos JLM. Treinamento Muscular Inspiratório na Síndrome de Guillain-Barré: Relato de Caso. RPF. 2016;6(4):448-54.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-09-28
Como Citar
Castillo, A. G. B., Pirola, I. G., Garcia, J. M. T., & Paiva, G. P. (2020). Síndrome de Guillain-Barré: relato de caso. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 9(5), 453-456. https://doi.org/10.21270/archi.v9i5.5003
Seção
Relatos de Caso