Itinerários terapêuticos dos pacientes com câncer de cabeça e pescoço: revisão integrativa da literatura

  • Cíntia Hein de Oliveira Cunha Acadêmica do Curso de Odontologia – ULBRA Univ. Luterana do Brasil, 92425-020 Canoas - RS, Brasil
  • Rafaela Hartmann Kasper Acadêmica do Curso de Odontologia – ULBRA Univ. Luterana do Brasil, 92425-020 Canoas - RS, Brasil
  • Gabriela Moraes Machado Acadêmica do Curso de Odontologia – ULBRA Univ. Luterana do Brasil, 92425-020 Canoas - RS, Brasil
  • Caren Serra Bavaresco Cirurgiã Dentista. Doutora em Ciências Biológicas: Bioquímica – UFRGS, Professora do Curso de Graduação em Odontologia ULBRA Univ. Luterana do Brasil, 92425-020 Canoas - RS, Brasil
Palavras-chave: Neoplasias de Cabeça e Pescoço, Acesso aos Serviços de Saúde, Sistema Único de Saúde

Resumo

Introdução: No Brasil, pacientes com câncer de cabeça e pescoço percorrem diversas instâncias de saúde de forma equivocada. Conseguindo a adesão ao tratamento apropriado, em muitos casos, de forma tardia. Objetivo: Realizar uma revisão integrativa sobre o itinerário terapêutico de pacientes com câncer de cabeça e pescoço na rede de atenção básica. Material e método: Foram realizadas buscas na base de dados MEDLINE, PubMed, LILACS, Scielo e Google Acadêmico, tendo como descritores os termos: “therapeutic itinerary”, “head and neck cancer”, “Health Unic System”. Foram excluídas revisões de literatura e artigos sem relação com o tema. Resultados: Todos artigos selecionados observaram a demora no diagnóstico e tratamento. Na maioria dos casos de carcinoma de cabeça e pescoço que são atendidos dentro da rede de atenção básica à saúde, o diagnostico ocorre tardiamente e/ou erroneamente. Conclusão: Observou-se que a demora do diagnóstico e tratamento está ligada basicamente a dois fatores: à falhas no sistema de saúde e a reação e decisões do paciente frente a sua saúde. Pudemos observar que existem grandes falhas no sistema de saúde, como a comunicação. Essas falhas contribuem para o atraso no diagnóstico gerando certo descaso com a vida dos pacientes. Por outro lado, notamos que outra boa parte do processo de cura e descobrimento da doença está ligado com o interesse e reação dos usuários diante do seu diagnóstico, suas decisões de curas alternativas ou desinteresse de busca por saúde agravam o seu estado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. INCA - Instituto Nacional do Câncer. O que é Câncer? Disponível em: https://www.inca.gov.br/o-que-e-cancer. Acesso em: 29 de março 2019

Casati MFM, Vasconcelos JA, Vergnhanini GS, Contreiro PF, Graça T, Kanda JL, et al. Epidemiologia do câncer de cabeça e pescoço no Brasil: estudo transversal de base populacional. Rev Bras Cir Cabeça Pescoço. 2012;41(4):186-91.

Galbiatti ALS, Padovani-Junior JA, Maníglia JV, Rodrigues CDS, Pavarino ÉC, Goloni-Bertollo EM. Head and neck cancer: causes, prevention and treatment. Braz J Otorhinolaryngol. 2013;79(2):239-47.

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica Departamento de Atenção Básica. Brasília – DF: Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde, 2012.

Mendes EV. As Redes de Atenção à Saúde. Organização Pan-Americana de Saúde; 2011.MENDES, Eugênio Vilaça. As redes de atenção à saúde. Ciênc saúde coletiva. 2010; 15(5):2297-305.

Dubow C, Olivo VMF. Análise de fluxo de atenção no Sistema Único de Saúde: elementos para pensar a estruturação de linhas de cuidado em usuários acometidos por agravos neoplásicos de cabeça e pescoço [monografia]. Santa Maria: Centro de Ciências de Saúde, Universidade Federal de Santa Maria; 2011.

Berger IC, Willer TH. Itinerário terapêutico de usuários com neoplasia de cabeça e pescoço na rede municipal de atenção em saúde de Santa Maria – RS [monografia]. Santa Maria: Programa de Pós-graduação em Residência Multiprofissional Integrada em Sistema Público de Saúde, Universidade Federal de Santa Maria; 2014.

Debus PD, Perlini G, Oliveira NM, da Costa BV, Dalmolin A, Somavilla IM et al. “Entre uma consulta e outra”: itinerário terapêutico de pessoas com câncer de cabeça e pescoço. Rev pesqui cuid fundam. 2018;10(4):1032-40.

Ayres EC, Andrade MGG. Itinerários terapêuticos de pacientes com câncer de boca e orofaringe: acesso e integralidade do cuidado na Rede de Atenção à Saúde da região de Campinas [dissertação]. Campinas: Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas; 2014.

Souza ML, Ana LSFM. Rede de atenção à saúde bucal para diagnóstico e tratamento de câncer de boca no estado de Santa Catarina [tese]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2017.

Instituto Nacional do Câncer. Julho Verde: INCA debate linha de cuidado e diagnóstico precoce de tumores de cabeça e pescoço. Instituto Nacional do Câncer; 2019. Disponível em: https://www.inca.gov.br/noticias/julho-verde-inca-debate-linha-de-cuidado-e-diagnostico-precoce-de-tumores-de-cabeca-e. Acesso em: 10 de outubro de 2019.

Felippu D, Wady A, Cesar Freire E, de Arruda Silva R, Guimarães AV, Dedivitis RA. Impacto da demora no diagnóstico e tratamento no câncer de cabeça e pescoço. Braz J Otorhinolaryngol. 2016;82(2):140-43.

Cecilio LCO, Andreazza R, Carapinheiro G, Araújo EC, Oliveira LA, Andrade de MGG et al. A Atenção Básica à Saúde e a construção das redes temáticas de saúde: qual pode ser o seu papel? Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(11):2893-902.

De Carvalho FFB, Cohen SC, Akerman M. Refletindo sobre o instituído na Promoção da Saúde para problematizar ‘dogmas’. Saúde em Debate. 2017;41(3):265-76.

Simões ALA, Rodrigues FR, Tavares DMS, Rodrigues LR. Humanização na saúde: enfoque na atenção primária. Texto Contexto Enferm. 2007;16(3):439-44.

Erdmann AL, de Andrade SR, de Mello ALSF, Drago LC. A atenção secundária em saúde: melhores práticas na rede de serviços. Rev Latino-Am Enfermagem. 2013;21(Spe):131-39.

Figueiredo N, Goes PSAA. Construção da atenção secundária em saúde bucal: um estudo sobre os Centros de Especialidades Odontológicas em Pernambuco, Brasil. Cad Saúde Pública. 2009;25(2):259-67.

de Souza RP, Cordeiro FB, Gonzalez FM, Yamashiro I, Junior AJOP, Tornin OS, et al. Carcinoma de seio maxilar: análise de dez casos. Radiol Bras. 2006;39(6):397-400.

Câncer no Brasil: presente e futuro. Rev Assoc Med Bras. 20004;50(1):1.

Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. UNESCO Brasil, Ministério da Saúde; 2004.

Oncoguia I. Tratamento do Câncer de Cavidade Nasal e Seios Paranasais por Estágio. Instituto Oncoguia; 2017. Disponível em: http://www.oncoguia.org.br/conteudo/tratamento-do-cancer-de-cavidadenasal-e-seios-paranasais-por-estagio/8444/506/. Acesso em: 20 de outubro 2019

Brehmer LCF, Verdi M. Acolhimento na Atenção Básica: reflexões éticas sobre a Atenção à Saúde dos usuários. Ciên saúde coletiva. 2010;159(3):3569–578.

Coutinho LRP, Barbieri AR, Santos MLM. Acolhimento na Atenção Primária à Saúde: revisão integrativa. Saúde em debate. 2015;39(105):514-24.

Hennington ÉA. Acolhimento como prática interdisciplinar num programa de extensão universitária. Cad Saúde Pública. 2005;21(1): 256-65.

Carvalho CA, Marsicano JA, Carvalho FS, Sales-Peres A, Bastos JRM, Sales-Peres SH. Acolhimento aos usuários: uma revisão sistemática do atendimento no Sistema Único de Saúde. Arq Ciênc Saúde. 2008;15(2):93-5.

Cardoso LS, Cezar-Vaz MR, Costa VZ, Soares JFdS. Acolhimento no trabalho em saúde da família: um estudo qualitativo. CuidArte Enferm. 2009;3(2):149– 155.

Brasil. Ministério da Saúde. Acolhimento nas práticas de produção de saúde. Brasília – DF: Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde, 2010.

Goes PSA, Figueiredo N, Neves JC, Silveira FMM, Costa JFR, Pucca GAJ, et al. Avaliação da atenção secundária em saúde bucal: uma investigação nos centros de especialidades do Brasil. Cad Saúde Pública. 2012;28(Spe):81-9.

Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Hospitalar. MINISTÉRIO DA SAÚDE; 2017. Disponível em: http://www.saude.gov.br/atencao-especializada-e-hospitalar/assistenci a-hospitalar/politica-nacional-de-atencao-hospitalar-pnhosp. Acesso em: 11 de setembro de 2019

Brasil. Conselho Nacional de Secretários de Saúde – CONASS. Assistência de média e alta complexidade no SUS. vol 9. Brasília. 2007.

Brasil. Ministério da Saúde. Manual de Implantação e Implementação NIR - Núcleo interno de regulação para Hospitais Gerais Especializados. Brasília – DF: Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde, 2017.

Brasil. Ministério da Saúde. Sistema Único de Saúde (SUS): estrutura, princípios e como funciona. Brasília – DF: Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde, 2013. Disponível em: http://www.saude.gov.br/sistema-unico-de-saude. Acesso em: 23 de outubro.

Publicado
2021-06-21
Como Citar
Cunha, C. H. de O., Kasper, R. H., Machado, G. M., & Bavaresco, C. S. (2021). Itinerários terapêuticos dos pacientes com câncer de cabeça e pescoço: revisão integrativa da literatura. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 10(6), 1008-1014. https://doi.org/10.21270/archi.v10i6.5019
Seção
Original Articles