Aplicativo móvel para diagnóstico das desordens temporomandibulares articulares: desenvolvimento do protótipo

  • Maritza Monçalves Viana Cortelletti Acadêmica do curso de Odontologia – ULBRA Univ. Luterana do Brasil, 92425-020 Canoas - RS, Brasil
  • Gabriela Moraes Machado Acadêmica do curso de Odontologia – ULBRA Univ. Luterana do Brasil, 92425-020 Canoas - RS, Brasil
  • Rafaela Hartmann Kasper Acadêmica do curso de Odontologia – ULBRA Univ. Luterana do Brasil, 92425-020 Canoas - RS, Brasil
  • Raul Antônio Cruz Professor do Curso de Graduação em Odontologia ULBRA Univ Luterana do Brasil, 92425-020 Canoas - RS, Brasil
  • Caren Serra Bavaresco Professora do Curso de Graduação em Odontologia ULBRA Univ. Luterana do Brasil, 92425-020 Canoas - RS, Brasil
Palavras-chave: Aplicativos Móveis, Síndrome da Disfunção da Articulação Temporomandibular, Diagnóstico

Resumo

Introdução: Em função da importância do diagnóstico precoce e correto das inúmeras patologias que podem afetar a Articulação Temporomandibular e das dificuldades em diagnosticar apresentadas pelos profissionais da Odontologia, mostra-se necessário propor mecanismos que sejam auxiliadores nesse procedimento. Objetivo: Desenvolver um aplicativo móvel com ênfase no diagnóstico das Disfunções Temporomandibulares Articulares, tendo como público alvo os profissionais de saúde bucal e graduandos em Odontologia. Material e Método: Foi desenvolvido um sistema caracterizado pelo preenchimento de um questionário contendo as principais características das DTMs segundo a Academia Americana de Dor. Em relação à plataforma, optou-se por utilizar o sistema Android, e, quanto ao gerenciador de dados, foi utilizado o MySQL. O questionário inicia-se com o Índice de Fonseca a fim de identificar se o paciente é portador de DTM. Caso o paciente seja portador de DTM, o questionário seguirá para questões relacionadas ao diagnóstico de DTMs articular. Neste primeiro momento do protótipo, foram introduzidas dez perguntas no questionário sobre o deslocamento do disco com redução. Resultados: O aplicativo móvel para diagnóstico das desordens temporomandibulares articulares apresentou funcionalidade capaz de disponibilizar um escore de severidade de DTMs articular do paciente e diagnóstico de deslocamento do disco com redução. Conclusão: O desenvolvimento de aplicativos móveis direcionados ao manejo da DTM é relevante, já que a prevalência desta patologia é crescente em termos populacionais, sendo necessário que o cirurgião-dentista esteja capacitado para realizar o diagnóstico correto e propor estratégias de tratamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Almeida AM, Fonseca F, Félix S. Dor orofacial e disfunções temporomandibulares: tratamento farmacológico. Portugal: Sociedade Portuguesa de Disfunção Temporomandibular e Dor Orofacial; 2016.

Teixeira SA, Almeida FM. A influência do tratamento ortodôntico nas disfunções temporomandibulares. Arq Bras Odontol. 2007;2:129-36.

Figueiredo VMG, Cavalcanti AL, de Farias AB, Nascimento SR. Prevalência de sinais, sintomas e fatores associados em portadores de disfunção temporomandibular de disfunção temporomandibular. Acta Sci. Health Sci. 2009;31(2):159-63.

Menezes MS, Bussadori SK, Fernandes KPS, Biasotto-Gonzalez DA. Correlação entre cefaleia e disfunção temporomandibulares. Fisioter pesq. 2008;15(2):183-87.

Tridapalli ALR, Salles BW. Tratamento fisioterápico das desordens temporomandibulares [monografia]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2012.

Okeson JP. Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusão. 7. ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2013.

Isidoro NV, Salles BW. Deslocamento do disco articular [monografia]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2005.

Mendes AG. Abortagem terapêutica da patologia inflamatória da articulação temporomandibular [dissertação]. Porto: Universidade Fernando Pessoa; 2012.

Santos PPA, Santos PRA, de Souza LB. Características gerais da disfunção temporomandibular: conceitos atuais. Rev Nav Odontol. 2009;3(1):10-3.

Francesquini LJ, Francesquini AM, Daruge E, Gonçalves RJ, Ambrosano GMB, Barbosa CMR et al. Disfunçäo de ATM: verificaçäo do conhecimento do cirurgiäo-dentista sobre etiologia, incidência e diagnóstico. J bras ortodon ortop facial. 1999; 4(19):67-79.

Moana EJF. Levantamento das atitudes e crenças dos ortodontistas com relação à disfunção têmporo-mandibular e dor orofacial. Rev Dent Press Ortodon Ortop Facial. 2005; 10(4):60-75.

Manfredi APS, Silva AA, Vendite LL. Avaliação da sensibilidade do questionário de triagem para dor orofacial e desordens temporomandibulares recomendado pela Academia Americana de Dor Orofacial. Rev Bras Otorrinolaringol. 2001; 67(6):763-68.

Google Painéis [homepage na internet]. Estatísticas de instalação do Google Play [acesso 10 mai 2018]. Disponível em: https:// developer.android.com/about/dashboards/

Faculdades de Informática de Taquara [homepage na internet]. SGBD MySQL [acesso em 12 mai 2018]. Disponível em: https://fit.faccat.br/~jonis/Artigo_mySQL.pdf

Google [homepage na internet]. Desenvolvedores Android [acesso em 12 mai 2018]. Disponível em: https://material.io/design/layout/understanding-layout.html

Fonseca DM, Bonfante G, Valle A, Freitas SFT. Diagnóstico pela anamnese da disfunção craniomandibular. Rev Gaúcha Odontol. 1994;42(1):23-8.

Rocha RG. Clínica integrada em odontologia. São Paulo: Artes Médicas; 2013.

Kohn K, de Moraes CH. O impacto das novas tecnologias na sociedade: conceitos e características da Sociedade da Informação e da Sociedade In: XXX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação; 2007, 29 de agosto a 2 de setembro; Santos (SP). Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação.

Lemos SGD, Maria MC, Carloto EET. Recursos utilizados por graduandos de odontologia e cirurgiões-dentistas do SUS para estudar e resolver dúvidas surgidas durante o trabalho. Rev Abeno. 2014;14(1):3-16.

Tomasi E, Facchini LA, Osorio A, Fassa AG. Aplicativo para sistematizar informações no planejamento de ações de saúde pública. Rev Saúde Pública. 2003;37(6):800-806.

Arús NA. Desenvolvimento e teste de um objeto digital de aprendizagem para interpretação das imagens por ressonância magnética da articulação temporomandibular [tese]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2012.

De Siqueira JTT, Teixeira MJ. Dores orofaciais: diagnóstico e tratamento. São Paulo: Artes Médicas; 2012.

Dantas AMX, dos Santos EJL Vilela RM, de Lucena LBS. Perfil epidemiológico de pacientes atendidos em um Serviço de Controle da Dor Orofacial. Rev Odontol UNESP. 2015; 44(6):313-19.

Maydana AV, Tesch RDD, Denardin OVP, Ursi WJdS, Dworkin SF. Possíveis fatores etiológicos para desordens temporomandibulares de origem articular com implicações para diagnóstico e tratamento. Dental Press J. Orthod. 2010;15(3):78-86.

Chaves TC, de Oliveira AS, Grossi DB, Chaves TC. Main instruments for assessing temporomandibular disorders, part I: indices and questionnaires; a contribution to clinicians and researchers. Fisioter Pesq. 2008;15(1):92-100.

Pedrosa AS. Propriedades de medida do índice Anamnésico de Fonseca. São Paulo [dissertação]. São Paulo: Faculdade de Fisioterapia da Universidade de São Paulo; 2011.

Adams BW. Automation and apps for clinical dental biomechanics. Cranio. 2016;34(5):343-47.

Silva LA. Desenvolvimento de aplicativo como objeto de aprendizagem: atlas virtual e interativo para ensino da anatomia cabeça e pescoço direcionado à Odontopediatria. Dissertação. Bauru: Faculdade de Odontologia de Bauru da Universidade de São Paulo; 2016.

Publicado
2021-06-21
Como Citar
Cortelletti, M. M. V., Machado, G. M., Kasper, R. H., Cruz, R. A., & Bavaresco, C. S. (2021). Aplicativo móvel para diagnóstico das desordens temporomandibulares articulares: desenvolvimento do protótipo. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 10(6), 892-899. https://doi.org/10.21270/archi.v10i6.5028
Seção
Original Articles