Conhecimentos básicos de pais de crianças submetidas a tratamento fonoaudiológico quanto à audição e linguagem

  • Vanessa Luisa Destro Fidêncio Professora Titular do Curso de Fonoaudiologia, Centro Universitário Planalto do Distrito Federal - UNIPLAN, 70297-400, Brasília-DF, Brasil
  • Isabela de Jesus Azevedo Curso de graduação em Fonoaudiologia, Centro Universitário Planalto do Distrito Federal - UNIPLAN, 70297-400, Brasília-DF, Brasil
  • Estefaniely dos Santos Menezes Curso de graduação em Fonoaudiologia, Centro Universitário Planalto do Distrito Federal - UNIPLAN, 70297-400, Brasília-DF, Brasil
  • Kayce Tuanne Silva Campos Curso de graduação em Fonoaudiologia, Centro Universitário Planalto do Distrito Federal - UNIPLAN, 70297-400, Brasília-DF, Brasil
  • Camila de Castro Corrêa Professora Titular do Curso de Fonoaudiologia, Centro Universitário Planalto do Distrito Federal - UNIPLAN, 70297-400, Brasília-DF, Brasil
Palavras-chave: Inquéritos e Questionários, Pais, Criança, Linguagem Infantil, Audição

Resumo

Introdução: Acredita-se que pais de crianças pequenas apresentam poucos conhecimentos a respeito do desenvolvimento normal do comportamento auditivo e de linguagem. Ao mesmo tempo, este conhecimento é indispensável para que, ao perceberem o menor sinal de alteração no comportamento de seu filho quanto a essas habilidades, os pais possam procurar auxílio profissional imediato, de forma a favorecer o diagnóstico e intervenção precoces. Objetivo: Investigar o conhecimento de pais de crianças submetidas a tratamento fonoaudiológico quanto ao desenvolvimento auditivo e de linguagem oral. Método: Foram entrevistados 23 pais de crianças em atendimento fonoaudiológico em uma Clínica Escola. Resultados: O total de 69,5% demonstrou desconhecimento sobre a época em que a criança deve começar a reagir aos sons. A maioria dos entrevistados acredita que a deficiência auditiva pode acarretar em problemas na fala, voz, comportamento, problemas escolares e emocionais. Grande parte demonstrou ter conhecimento sobre a idade em que a criança deve apresentar as primeiras palavras. No entanto, o mesmo não pôde ser observado quanto à questão da data limite para ocorrência de trocas fonológicas. Do total da amostra, 82,6% relatou não ter recebido orientações sobre o desenvolvimento da audição e linguagem oral. Conclusão: Conclui-se que os pais de crianças menores de cinco anos apresentam pouco conhecimento sobre os marcos do desenvolvimento da linguagem oral e comportamento auditivo e que há falha quanto à orientação por parte dos profissionais sobre essas questões, reforçando a necessidade da criação de métodos efetivos para esse fim.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Costa MPR. Análise comparativa da linguagem oral de crianças ouvintes e surdas usuárias de implante coclear. Rev CEFAC. 2009;11(4):662-72.

Nascimento GB, Kessler TM, Souza APR, Costa I, Moraes AB. Risk indicators for hearing loss and language acquisition and their relationship with socioeconomic, demographic and obstetric variables in preterm and term babies. Codas. 2020;10;32(1):e20180278.

Friederici AD. The neural basis of language development and its impairment. Neuron. 2006; 52(6):941-52.

Panes ACS, Corrêa CC, Maximino LP. Checklist para identificação de crianças de risco para alterações de linguagem oral: nova proposta. Distúrb Comum. 2018;30(2):278-87.

Pujol R, Lavigne-Rebillard M. Development of neurosensory structures in the human cochlea. Acta Otolaryngol. 1992;112(2):259-64.

Brasil. Presidência da República Lei 12.303 de 2 de agosto de 2010. Dispõe sobre a obrigatoriedade de realização do exame denominado Emissões Otoacústicas Evocadas. [Internet]. Brasília, DF; 2010. [acesso em 2018 nov. 10]. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2010/lei-12303-2-agosto-2010-607594-publicacaooriginal-128606-pl.html

Onoda RM, Azevedo MF, Santos AMN. Neonatal hearing screening: failures, hearing loss and risk indicators. BJORL. 2011;77(6): 775-83.

American Academy of Pediatrics, Joint Committee on Infant Hearing. Year 2007 position statement: Principles and guidelines for early hearing detection and intervention programs. Pediatrics. 2007;120(4):898-921.

Wolff GS, Goulart BNG. Percepção dos pais sobre os distúrbios fonoaudiológicos na infância. Rev bras crescimento desenvolv. 2013;23(2):177-83.

Maximino LP, Ferreira MV, Oliveira DT, Lamônica DAC, Feniman MR, Spinardi ACP, Lopes-Herrera SA. Conhecimentos, atitudes e práticas dos médicos pediatras quanto ao desenvolvimento da comunicação oral. Rev CEFAC. 2009;11(Supl2):267-74.

Pizolato RA, Fonseca LMM, Bastos RS, Fernandes AY, Lefévre F, Maximino LP. Vigilância do desenvolvimento da linguagem da criança: conhecimentos e práticas de profissionais da atenção básica à saúde. Rev CEFAC. 2016;18(5):1109-112.

César AM, Maksud SS. Caracterização da demanda de fonoaudiologia no serviço público municipal de ribeirão das neves – MG. Rev CEFAC. 2007;9(1):133-38.

Diniz RD, Bordin R. Demanda em Fonoaudiologia em um serviço público municipal da região Sul do Brasil. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2011;16(2):126-31.

Mandrá PP, Diniz MV. Caracterização do perfil diagnóstico e fluxo de um ambulatório de Fonoaudiologia hospitalar na área de linguagem infantil. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2011;16(2):121-25.

Barros PML, Oliveira PN. Perfil dos pacientes atendidos no setor de Fonoaudiologia de um serviço público de recife – PE. Rev. CEFAC. 2010;12(1):128-33.

Van Riper C, Emerick L. Correção da linguagem. 8.ed. Porto Alegre: Artes Médicas; 1997.

Prates LPCS, Martins VO. Distúrbios da fala e da linguagem na infância. Rev méd Minas Gerais. 2011 21(4-S1):54-60.

Moon C. The role of early auditory development in attachment and communication. Clin Perionatol. 2011;38(4):657-69.

Alvarenga KF, Gadret JM, Araújo ES, Bevilacqua MC. Triagem auditiva neonatal: motivos da evasão das famílias no processo de detecção precoce. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2012;17(3):241-47.

Código de Ética da Fonoaudiologia. Brasília: 11º Colegiado do CFFa, 2016.

Ministério da Saúde. Diretrizes de Atenção da Triagem Auditiva Neonatal. Brasília: MS, 2012.

Nishino LK, Guilherme AS. Manual de audiologia pediátrica. São Paulo: Manole; 2015.

Souza SCMES. Esclarecimento de pais e/ou responsáveis quanto ao Tratamento fonoaudiológico realizado em crianças: enfoque bioético [monografia]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina-UFSC; 2015.

Ministério da Saúde. Saúde e doença: dois fenômenos da vida. Rio de Janeiro: MS, 2005.

Buss PM, Filho AP. A Saúde e seus Determinantes sociais. Rev Saúde Coletiva. 2007;17(1):77-93.

Souza DO, Silva SEV, Silva NO. Determinantes Sociais da Saúde: reflexões a partir das raízes da “questão social. Saúde Soc, 2013;22(1):44-56.

Ceballos AGC, Cardoso C. Determinantes sociais de alterações fonoaudiológicas. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2009;14(3):441-45.

Alves D, Belluzzo W. Infant mortality and child health in Brazil. Econ Hum Biol. 2004;2(3): 391-410.

Santos AMA, Tejada CAO, Ewerling F. Os determinantes socioeconômicos do estado de saúde das crianças do Brasil rural. RESR. 2012;50(3):473-92.

Ribas JRRC, Moura MLS, Bornstein MH. Cognições maternas acerca da maternidade e do desenvolvimento humano: uma contribuição ao estudo da psicologia parental. Rev Bras Cresc Desenvolv Hum. 2007;17(1):104-13.

Cardoso RM, Pedromonico MRM, Silva EMK, Puccini RF. Conhecimento de mães e auxiliares de desenvolvimento infantil referente ao desenvolvimento da linguagem de crianças de zero a 4 anos. Rev Bras Cresc Desenv Hum. 2003;13(2):83-91.

Peixoto MVS, Siqueira CGA, Silva AF, Pedruzzi CM, Santos AA. Caracterização da população assistida por um serviço de Fonoaudiologia em uma Unidade de Saúde. Distúrb Comum. 2010; 22(2):107-15.

Martinez CMS, Joaquim RHVT, Oliveira EB, Santos IC. Suporte informacional como elemento para orientação de pais de pré-termo: um guia para o serviço de acompanhamento do desenvolvimento no primeiro ano de vida. Rev Bras Fisioter. 2007;11(1):73-81.

Conselho Federal de Fonoaudiologia. Áreas de competência do fonoaudiólogo no Brasil. Documento Oficial, 2.ed. Mar. 2007.

Jakubovicz R. Avaliação, diagnóstico e tratamento em Fonoaudiologia: psicomotricidade, deficiência de audição, atraso de linguagem simples e gagueira infantil. 2.ed. Rio de Janeiro; Revinter: 2002.

Publicado
2021-05-01
Como Citar
Fidêncio, V. L. D., Azevedo, I. de J., Menezes, E. dos S., Campos, K. T. S., & Corrêa, C. de C. (2021). Conhecimentos básicos de pais de crianças submetidas a tratamento fonoaudiológico quanto à audição e linguagem. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 10(5), 783-789. https://doi.org/10.21270/archi.v10i5.5087
Seção
Original Articles