Prevalência das alterações sistêmicas dos pacientes atendidos pela Clínica de Odontologia do Centro Universitário Ruy Barbosa

Autores

  • Kaíque Carvalho de Souza Curso de Odontologia, Centro Universitário Ruy Barbosa Wyden – UNIRUY, 41730-101 Salvador – BA, Brasil http://orcid.org/0000-0002-8895-9923
  • Anna Raquel Gomes de Araújo Queiroz Curso de Odontologia, Centro Universitário Ruy Barbosa Wyden – UNIRUY, 41730-101 Salvador – BA, Brasil
  • Rosane Borges Dias Curso de Odontologia, Centro Universitário Ruy Barbosa Wyden – UNIRUY, 41730-101 Salvador – BA, Brasil
  • Daniele Veiga da Silva Siqueira Curso de Odontologia, Centro Universitário Ruy Barbosa Wyden – UNIRUY, 41730-101 Salvador – BA, Brasil
  • Thaís Feitosa de Oliveira Leitão Curso de Odontologia, Centro Universitário Ruy Barbosa Wyden – UNIRUY, 41730-101 Salvador – BA, Brasil
  • Virgínia Dias Uzêda e Silva Curso de Odontologia, Centro Universitário Ruy Barbosa Wyden – UNIRUY, 41730-101 Salvador – BA, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.21270/archi.v10i8.5094

Palavras-chave:

Doença, Comorbidade, Epidemiologia, Assistência Odontológica

Resumo

Complicações médicas, apesar de raras, podem ocorrer durante o atendimento odontológico, os pacientes portadores de alterações sistêmicas são os mais propensos a esta ocorrência, portanto requerem um atendimento especial pelo cirurgião-dentista. Objetivo: Avaliar o perfil das condições sistêmicas dos pacientes atendidos na clínica de Odontologia do Centro Universitário Ruy Barbosa. Metodologia: Foi realizado o levantamento dos pacientes atendidos na Clínica de Odontologia do Centro Universitário Ruy Barbosa - Wyden no período de 2016.2-2019.1. Os dados foram coletados a partir dos prontuários clínicos dos pacientes que se submeteram a atendimento no serviço da Faculdade e foram originalmente preenchidos pelos alunos de Graduação dessa instituição totalizando 719 prontuários. Os prontuários preenchidos incorretamente ou com dados incompletos foram contabilizados como incompletos. Os resultados foram analisados descritivamente, por porcentagem na presença de alterações sistêmicas dos pacientes encontrados no prontuário. Resultados: Do total dos prontuários analisados as condições sistêmicas mais prevalentes foi a hipertensão com 81 (27,55%) casos encontrados, seguido por anemia com 69 (23,55%) casos, alergia medicamentosa com 41 (17,9%) casos, diabetes e coagulopatia com 29 (9,9%) casos cada encontrados. Conclusão: As alterações mais prevalentes foram a hipertensão, anemia, alergia medicamentosa e diabetes, assim, predominando nas mulheres e na faixa etária entre 40 a 49 anos. Sendo de fundamental importância a avaliação criteriosa dos pacientes durante a consulta odontológica para identificação de possíveis problemas que possam alterar o plano de tratamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Malta DC, Merhy EE. O percurso da linha do cuidado sob a perspectiva das doenças crônicas não transmissíveis. Interface. 2010;14(34):593-605.

Gaetti-Jardim EC, Pereira FP, Fattah CMRS, Aranega AM. Prevalência e perfil epidemiológico das alterações sistêmicas em pacientes atendidos pelo serviço de cirurgia e traumatologia buco-maxilo-facial da Faculdade de Odontologia do Campus de Araçatuba – UNESP. Rev Odontol UNESP. 2008;37(2):191-96.

Chapper A, Goldadni MZ. A participação de odontólogos em equipes multidisciplinares. Revista Fac Odontol Porto Alegre 2004;45:3-5.

Gadelha LA, Silva RC, Lima VN, Momesso GAC, Queiroz SBF, Souza FA. Prevalência de doenças sistêmicas entre os pacientes atendidos na Clínica Odontológica da Faculdade Católica Rainha do Sertão no município de Quixadá-CE. Arch Health Invest. 2017;6(7):293-97

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022 Brasília, p. 30. 2011.

Guênes GMT, Guênes GT, Ribeiro AIAM, Dantas DCRE, Bento PM, Lins RDAU et al. Análise da condição periodontal e da necessidade de tratamento em pacientes cardiopatas. Scientia Medica. 2011;21(2):49-54.

Kreuger MR, Diegoli NM, Pedrini RM, Porfério VP, Silva F. Consulta odontológica e doença sistêmica: análise do conhecimento dos cirurgiões dentistas em itajaí-sc. Rev Fac Odontol Lins. 2009;21(2):15-22.

Achutti A, Azambuka MIR. Doenças crônicas não-transmissíveis no Brasil: repercussões do modelo de atenção à saúde sobre a seguridade social. Ciênc saúde coletiva. 2004;9(4):833-40.

Menin C, Bortoloto FG, Farah GJ, Iwaki Filho L, Iwaki LCV, Leite PCC et al. Avaliação de pacientes hipertensos na clínica de cirurgia do terceiro ano do curso de odontologia do Cesumar. Iniciação Científica CESUMAR. 2006;8(2):147-56.

Queiroz TP, Marques DO, Santos PM, Saraiva HC, Esteves JC, Vieira EH. Prevalência de alterações sistêmicas em pacientes atendidos na disciplina de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial do curso de Odontologia da UNIARA. Rev Odontol UNESP. 2012;41(3):154-59.

Gomes ER, Pichler WJ, Demoly P, Aberer, Frew AJ, Weck A, et al. The drug ambassador project: The diversity of diagnostic procedure for drug allergy around Europe. Allergy Clin Immunol Int – J World Allergy Org 2004; 17:9-18.

Publicado

2021-07-16

Como Citar

Souza, K. C. de, Queiroz, A. R. G. de A., Dias, R. B., Siqueira, D. V. da S., Leitão, T. F. de O., & Silva, V. D. U. e. (2021). Prevalência das alterações sistêmicas dos pacientes atendidos pela Clínica de Odontologia do Centro Universitário Ruy Barbosa. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 10(8), 1225–1230. https://doi.org/10.21270/archi.v10i8.5094

Edição

Seção

Original Articles

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.