Perfil Epidemiológico dos Casos de Violência Infantil em Escolas Municipais de Ensino Básico

Autores

  • Cléa Adas Saliba Garbin Programa de Pós-graduação em Odontologia Preventiva e Social, UNESP – Universidade Estadual Paulista, 16015-050 Araçatuba - SP, Brasil
  • Tânia Adas Saliba Programa de Pós-graduação em Odontologia Preventiva e Social, UNESP – Universidade Estadual Paulista, 16015-050 Araçatuba - SP, Brasil
  • Naiana de Melo Belila Programa de Pós-graduação em Odontologia Preventiva e Social, UNESP – Universidade Estadual Paulista, 16015-050 Araçatuba - SP, Brasil
  • Ana Victória Butarelo Programa de Pós-graduação em Odontologia Preventiva e Social, UNESP – Universidade Estadual Paulista, 16015-050 Araçatuba - SP, Brasil
  • Maria Clara Faria Poli Programa de Pós-graduação em Odontologia Preventiva e Social, UNESP – Universidade Estadual Paulista, 16015-050 Araçatuba - SP, Brasil https://orcid.org/0000-0003-4601-4160
  • Artênio José Ísper Garbin Programa de Pós-graduação em Odontologia Preventiva e Social, UNESP – Universidade Estadual Paulista, 16015-050 Araçatuba - SP, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.21270/archi.v11i1.5139

Palavras-chave:

Maus-Tratos Infantis, Violência, Educação Infantil

Resumo

Introdução: A violência infantil é praticada das mais diversas formas, entre elas a física, a psicológica, a sexual e as situações de negligência. Os sinais e sintomas das vítimas podem ser vistos também em ambientes extrafamiliares, como por exemplo, na escola, uma vez que o contato com criança é maior do que em qualquer outro serviço. Objetivo: Identificar casos suspeitos e/ou confirmados de violência contra crianças em escolas municipais de Ensino Básico em um município de médio porte do Estado de São Paulo. Metodologia: Trata-se de um estudo descritivo, de caráter transversal e abordagem quantitativa realizado em 5 escolas no período de agosto de 2018 a abril de 2019. A identificação dos casos suspeitos e/ou confirmados de violência contra crianças foi efetuada por meio de um inquérito, respondido pelos professores das instituições. Resultados: Identificaram-se 90 casos de agressão, onde 57,8% ocorrem em crianças do sexo masculino, com idade de 5 anos (27,8%). A maioria dos agressores foram os pais (72%), onde 74% foram casos de negligência, sendo o piolho (42,2%) e a cárie dentária (34,5%) como as principais causas. Do total de casos, 46,7% foram reincidentes. Conclusão: Conclui-se que muitas crianças vêm sofrendo com algum tipo de agressão doméstica e que os sinais e sintomas das vítimas podem ser observados também em ambientes extrafamiliares, como por exemplo, a escola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Farias MS, Souza CDS, Carneseca EC, Passos ADC, Vieira EM. Caracterização das notificações de violência em crianças no município de Ribeirão Preto, São Paulo, no período 2006-2008. Epidemiol Serv Saúde, Brasília. 2016;25:799-806.

Lloyd M. Domestic Violence and Education: Examining the Impact of Domestic Violence on Young Children, Children, and Young People and the Potential Role of Schools. Front Psychol. 2018;9:2094.

Garbin CAS, Lima TJV, Garbin AJI, Rovida TAS, Saliba O. Conhecimento e percepção dos educadores do ensino infantil sobre violência. Rev Ciênc Plural. 2015;1:37-47.

Garbin CAS, Queiroz APDG, Costa AA, Garbin NA. Training and knowledge of childhood education teachers on family violence against children. Educar em revista. 2010;2:207-16.

Garbin CAS, Araújo PC, Rovida TAS, Rocha AC, Arcieri RM, Garbin AJI. Violence in child population: epidemiological profile of abuses seen in the school environment. Rev Ciênc Plural. 2016;2:41-54.

World Health Organization. Global status report on violence prevention (Internet). Geneva: World Health Organization; 2014.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes (Viva): 2009, 2010 e 2011. Brasília: MS; 2013.

Brino RF, Williams LCA. Capacitação do educador acerca do abuso sexual infantil. Interação psicol. 2003;7(2):1-10.

Garbin CAS, Rocha RS, Soares GB, Arcieri RM. Violência infantil e promoção de saúde com pré-escolares. Rev Bras Pesq Saúde. 2016;18:121-28.

Veloso LUP, Silva LCL, Sousa CR, Rodrigues PL. Perfil de violência em crianças de 0 a 9 anos atendidas em um hospital público. Rev Enferm UFPI. 2015;4:97-105.

Assis SG, Avanci JQ, Pesce RP, Pires TDO, Gomes DL. Notificações de violência doméstica, sexual e outras violências contra crianças no Brasil. Cienc saude coletiva. 2012;17:2305-17.

Mascarenhas MDM, Malta DC, Silva MMAD, Lima CM, Carvalho MGOD, Oliveira VLAD. Violência contra a criança: revelando o perfil dos atendimentos em serviços de emergência, Brasil, 2006 e 2007. Cad Saúde Publica. 2010; 26:347-57.

Rates SMM, Melo EMD, Mascarenhas MDM, Malta DC. Violência infantil: uma análise das notificações compulsórias, Brasil 2011. Ciênc saúde coletiva. 2015;20:655-65.

Apostólico MR, Nóbrega CR, Guedes RN, Fonseca RMGS, Egry EY. Características da violência contra a criança em uma capital brasileira. Rev Latina-Am Enfermagem. 2012;20:266-273.

Maia JN, Ferrari RAP, Gabani FL, Tacla MTGM, Reis TB, Fernandes MLC. Violência contra criança: cotidiano de profissionais na atenção primária à saúde. Rev Rene. 2016;17:593-601.

Egry EY, Apostolico MR, Morais TCP, Lisboa CCR. Coping with child violencein primary care: how do professionals perceive it?. Rev Bras Enferm. 2017;70:113-19.

Barros ASD, Freitas MFQ. Violência doméstica contra crianças e adolescentes: consequências e estratégias de prevenção com pais agressores. Pensando Fam. 2015;19:102-114.

Pfeiffer L, Rosário NA, Nunes LC. Violência contra crianças e adolescentes - proposta de classificação dos níveis de gravidade. Rev Paul Ped. 2011;29:477-482.

Gawryszewski VP, Valencich DMDO, Carnevalle CV, Marcopito LF. Maus-tratos contra a criança e o adolescente no Estado de São Paulo, 2009.Rev assoc méd bras. 2012;58:659-65.

Carvalho ACR, Barros SGD, Alves AC, Gurgel CA. Maus-tratos: estudo através da perspectiva da delegacia de proteção à criança e ao adolescente em Salvador, Bahia. Cienc saude coletiva. 2009;14:539-46.

Silva LS, Mendonça KML. A violência escolar em matérias de jornal: um imaginário construído em Belém-PA. Comun Educ. 2015;20:39-49.

Egry E, Silva M, So K, Apostólico M. Limites e potencialidades dos profissionais, instituições e políticas públicas para o enfrentamento da violência doméstica infantil na Atenção Primária de Saúde: visão dos gestores. CIAIQ. 2016;02.

Abreu PTR, Souza Costa IF, Galvão A, Paula Souza AC, Zocratto KBF, Oliveira CAS. Abuso físico infantil: vivências e atitudes de estudantes de Odontologia. Rev ABENO. 2017;17:107-19.

Publicado

2021-08-02

Como Citar

Garbin, C. A. S., Saliba, T. A., Belila, N. de M., Butarelo, A. V., Poli, M. C. F., & Garbin, A. J. Ísper. (2021). Perfil Epidemiológico dos Casos de Violência Infantil em Escolas Municipais de Ensino Básico . ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 11(1), 102–106. https://doi.org/10.21270/archi.v11i1.5139

Edição

Seção

Original Articles

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.