Desgastes dentários em praticantes de exercícios físicos de musculação

  • Mariana Silva de Bessa
  • Erik Vinícius Martins Jácome
  • Marquiony Marques dos Santos
  • Daniela Mendes da Veiga Pessoa
  • Gilmara Celli Maia de Almeida
  • Jamile Marinho Bezerra de Oliveira Moura
Palavras-chave: Anormalidades Dentárias, Comportamento Alimentar, Desgaste dos Dentes, Treinamento de Resistência

Resumo

Os desgastes dentários conhecidos como atrição, abfração, erosão e abrasão, são considerados alterações fisiológicas ou patológicas, levando em consideração seus fatores etiológicos. Desta forma, o presente estudo objetivou avaliar a frequência de desgastes dentários em praticantes de exercícios físicos de musculação do município de Caicó, Rio Grande do Norte e o conhecimento dos mesmos sobre estes desgastes. A amostra foi constituída por 260 praticantes de musculação de 5 academias do município e para a coleta dos dados utilizou-se questionários e exame clínico intraoral. Foi realizada análise descritiva dos dados e para avaliar a relação entre os desgastes dentários e as variáveis independentes foram utilizados os testes estatísticos: t de Student, Qui-quadrado de Pearson e Correlação de Pearson, considerando um nível de significância de 5%. A presença de pelo menos um tipo de desgaste foi observada em 78,9% dos praticantes de musculação. Destes, 65,8% tinham apenas um tipo de desgaste, 12,3% dois tipos e 0,8% três tipos. Dos desgastes dentários estudados, a atrição e a abfração foram os mais frequentes, sendo 80,9% e 15,8% respectivamente. Dos praticantes, 91,9% não tinham conhecimento sobre os desgastes dentários. Concluiu-se que com o avanço da idade, maior a frequência de atrição e abfração. A abfração foi mais frequente naqueles que praticavam musculação até 4 vezes na semana. A atrição e a abfração foram as lesões dentárias de desgaste mais desconhecidas, podendo implicar em deficiências na prevenção dessas lesões.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Amaral SM, Abad EC, Maia KD, Weyne S, Oliveira MPRPB, Tunãs ITC. Lesões não cariosas: o desafio do diagnóstico multidisciplinar. Arq Int Otorrinolaringol. 2012;16(1):96-102.

Brentegani LG, Lacerda SA, Campos AA. Alterações regressivas dos dentes: abfração; abrasão, atrição e erosão. Rev Bras Teleodonto. 2006;1(1):11-7.

Soares EMS, Silva KMA. Prevalência de lesões em praticantes de musculação em academias do município de Morada Nova/CE. BIUS. 2018;9(1):67-78.

Cordeiro JBF, Forte LB, Neri JR, Santos SE, Gomes FA, Lima DLF. Fatores etiológicos e prevalência de lesões bucofaciais em surfistas de Fortaleza. Rev Bras Ciênc Esporte. 2018;42:e2002.

Silva AMG, Bonis R. Odontologia desportiva: a influência da saúde bucal na performance dos atletas da Vila Olímpica de Manaus. BIUS. 2018;9(1):79-91.

Lemos LFC, Oliveira RS. Odontologia desportiva: uma breve revisão sobre essa nova tendência no esporte. Rev Digital. 2007; 12(113).

Zandim DL, Gilio C, Rossa Júnior C, Sampaio JEC. Influência de bebidas isotônicas na remoção de smear layer de superfícies radiculares após raspagem. Estudo in vitro. Rev Odontol UNESP. 2008; 37(3):267-73.

Cavalcanti AL, Xavier AFC, Souto RQ, Oliveira MC, Santos JA, Vieira FF. Avaliação in vitro do potencial erosivo de bebidas isotônicas. Rev Bras Med Esporte. 2010; 16(6):455-58.

Alves MSC, Lucena SC, Araujo SG, Carvalho ALA. Diagnóstico clínico e protocolo de tratamento do desgaste dental não fisiológico na sociedade contemporânea. Odontol Clín-Cient. 2012;11(3): 247-51.

Oliveira ACS, Damascena NP, Souza CS. Análise clínica de pacientes portadores de lesões cervicais não cariosas e sua relação com hábitos. Rev Sul-Bras Odontol. 2010; 7(2):182-92.

Sousa AMT, Prado RA, Filho AAC. Fatores de risco oclusais e sua influência na etiologia das lesões cervicais não-cariosas. Revista Dentística online. 2012; 23:19-25.

Pegoraro LF, Scolaro JM, Conti PC, Telles D, Pegoraro TA. Noncarious cervical lesions in adults: prevalence and occlusal aspects. J Am Dent Assoc. 2005;136(12):1694-700.

Molena CCL, Rapoport A, Rezende CP, Queiroz CM, Denardin OVP. Relação entre lesões cervicais não cariosas e hábitos. Rev Bras Cir Cabeça Pescoço. 2008;37(4):206-11.

Santos TS, Moura AD, Piva MR, Carvalho LPM, Filho PRSM. Relação dos desgastes dentários com as disfunções temporomandibulares. Rev cir traumatol buco-maxilo-facial. 2009;9(2):73-80.

Ribeiro VSCR, Almeida EL, Leal IC, Bizerril DO, Saintrain MVL, Ferreira RGLA et al. Diagnóstico e tratamento de lesões não cariosas: a visão do cirurgião-dentista do sistema público de saúde. J Health Biol Sci. 2019;7(2):204-10.

Peres MA, Iser BPM, Boing AF, Yokota RTC, Malta DC, Peres KG. Desigualdades no acesso e na utilização de serviços odontológicos no Brasil: análise do Sistema de Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico (VIGITEL 2009). Cad Saúde Pública. 2012;28(Supl):S90-100.

Gonçalves PE, Deusdará ST. Lesões cervicais não cariosas na prática odontológica atual: diagnóstico e prevenção. Rev Ciênc Méd. 2011;20(5-6):145-52.

Pastore GU, Moreira M, Bastos R, Galotti M, Leonardi MFP. Odontologia do Esporte- uma proposta inovadora. Rev Bras Med Esporte. 2017;23(2):147-51.

Publicado
2021-02-21
Como Citar
Bessa, M. S. de, Jácome, E. V. M., Santos, M. M. dos, Pessoa, D. M. da V., Almeida, G. C. M. de, & Moura, J. M. B. de O. (2021). Desgastes dentários em praticantes de exercícios físicos de musculação. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 10(2), 301-306. https://doi.org/10.21270/archi.v10i2.5148
Seção
Original Articles