Condição oral de pacientes imunocomprometidos internados em Unidade de Terapia Intensiva

  • Nathalya Pontes Tejo Cirurgiã-Dentista pelo Centro Universitário de João Pessoa – UNIPÊ, João Pessoa (PB), 58053-000, João Pessoa – PB, Brasil
  • Kauana da Silva Andrade Curso de Graduação em Odontologia, Centro Universitário de João Pessoa – UNIPÊ, João Pessoa (PB), 58053-000, João Pessoa – PB, Brasil
  • Artemisa Fernanda Moura Ferreira Mestre em Clínica Odontológica pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Especialista em Radiologia Odontológica pelo Centro Universitário de João Pessoa (UNIPÊ) e Professora do Curso de Odontologia do Centro Universitário de João Pessoa – UNIPÊ, 58053-000 João Pessoa – PB, Brasil
Palavras-chave: Unidade de Terapia Intensiva, Imunossupressão, Saúde Bucal

Resumo

Introdução: As alterações na saúde oral dos pacientes internados em Unidades de Terapia Intensiva podem repercutir na condição sistêmica do paciente devido à instalação de processos patológicos como a cárie e a doença periodontal. Objetivo: Avaliar a condição oral de pacientes imunocomprometidos internados na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Clementino Fraga. Materiais e métodos: Trata-se de um estudo descritivo, documental e de corte transversal que foi realizado no Serviço de Arquivamento Médico e Estatístico (SAME) do referido hospital. A amostra foi obtida de forma não-probabilística, sendo constituída por 80 prontuários de pacientes com idades entre 9 e 86 anos. As informações obtidas foram registradas em um instrumento de coleta de dados para posterior tratamento estatístico no Statistical Package for Social Sciences – SPSS. Resultados: Entre os participantes da pesquisa, 57,5% possuíam a síndrome da imunodeficiência adquirida, 21,3% possuíam tuberculose e 21,3% apresentavam a associação das duas. As condições orais mais prevalentes foram: lábios ressecados (88,85%), língua saburrosa (87,55%) e biofilme com conotação 01 em 33,8% dos pacientes. Além disso, 68,8% apresentam gengiva hiperplásica, 26,3% tinham gengivorragia e 46,3% dos pacientes apresentavam sangramento de origem bucal. Conclusões: Os resultados mostram que a maior parte das alterações bucais observadas poderiam ser prevenidas por cuidados odontológicos básicos, o que confirma a importância da integração do cirurgião-dentista às equipes multiprofissionais das UTIs hospitalares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Vestby LK, Grønseth T, Simm R, Nesse LL. Bacterial Biofilm and its Role in the Pathogenesis of Disease. Antibiotics (Basel). 2020;9(2):59.

Ferreira EG, Yatsuda F, Pini M, Jarros IC, Veiga FF, de Oliveira AG et al. Implications of the presence of yeasts in tracheobronchial secretions of critically ill intubated patients. EXCLI J. 2019;18:801-11.

Bellissimo-Rodrigues WT, Menegueti MG, Gaspar GG, de Souza HCC, Auxiliadora-Martins M, Basile-Filho A et al. Is it necessary to have a dentist within an intensive care unit team? Report of a randomised clinical trial. Int Dent J. 2018;68(6):420-27.

de Camargo L, da Silva SN, Chambrone L. Efficacy of toothbrushing procedures performed in intensive care units in reducing the risk of ventilator-associated pneumonia: a systematic review. J Periodontal Res. 2019;54(6):601-11.

Kozhevnikova GM, Voznesenskiy SL, Ermak TN, Petrova EV, Golub VP, Barysheva IV. Opportunistic diseases in patients with HIV infection in the intensive care unit. Ter Arkh. 2018;90(11):13-7.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Políticas de Saúde. O que é HIV. Brasília (DF); 2018.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Políticas de Saúde. Tuberculose. Brasília (DF); 2017.

Greene JC, Vermillion JR - The simplified oral hygiene index. J Am Dent Assoc. 1964;68:7-13.

Santosa TB, Amaral MA, Amaral MA, Peralta NG, Almeida RS. Inserção da Odontologia em Unidades de Terapia Intensiva. Health Sci. 2017;19(2):83-8.

Blum DFC, Munaretto J, Baeder FM, Gomez J, Castro CPP, Bona AD. Influência da presença de profissionais em odontologia e protocolos para assistência à saúde bucal na equipe de enfermagem da unidade de terapia intensiva. Estudo de levantamento. Rev Bras Ter Intensiva. 2017;29(3):391-93.

Dos Santos Junior CJ, Rocha TJM, Soares VL. Aspectos clínicos e epidemiológicos da tuberculose em pacientes com HIV/aids. Medicina (Ribeirao Preto Online). 2019; 52(3):231-38.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde. Panorama daTuberculose no Brasil: a mortalidade em números. Brasília (DF); 2016.

Carneiro VSM, Adjuto RNP, Alves KAP. Saúde do homem: identificação e análise dos fatores relacionados à procura, ou não, dos serviços de atenção primária. Arq Cienc Saúde UNIPAR. 2019;23(1):35-40.

Austríaco-Leite HL, Lopes FF, Alves MS, Diniz-Souza LC. Avaliação odontológica de pacientes em unidade de terapia intensiva (UTI) pediátrica. CES Odontol. 2018;31(2):6-14.

Guerra F, De Martino F, Capocci M, Rinaldo F, Mannoci A, De Biase A et al. VAP and oral hygiene. A systematic review. Clin Ter. 2016; 167(6):198-205.

Aragão LDS, Dias KSPA. A doença periodontal como fator predisponente para o estabelecimento da pneumonia nosocomial: Revisão de Literatura. Id on Line Rev Mult Psic. 2019;13(47):924-39.

Tulio KSC, Stramandinoli-Zanicotti RT, Dirschnabel AJ, Schussel JL, Wasilewsk JHS, Krelling A et al. Alterações no perfil da microbiota bucal durante permanência na UTI: colonização por patógenos respiratórios potenciais. Arch Health Invest. 2018;7(9): 351-57.

Ibuquerque BN, Araújo MM, Silva TA, Cota LOM, Cortelli SC, Costa FO. Periodontal Condition and Immunological Aspects of Individuals Hospitalized in the Intensive Care Unit. Braz Dent J. 2018;29(3):301-8.

Ferreira JA, Londe LP, Miranda AF. A relevância do Cirurgião-Dentista na UTI: educação, prevenção e mínima intervenção. RCO. 2017;1(1):18-23.

Miranda AF, Haje GLC, De Paula RM, Costa PP, Biazevic MGH. Assessing the incidence of tongue coating in patients treated in intensive care units. Rev Bras Odontol. 2018;75:1-5.

Silva Neto JMA, Araújo Filho PCA, Cavalcante CR, Barros JVBRA, de Oliveira DR, Neto JFT. A atuação do cirurgião dentista no âmbito hospitalar: Uma revisão de literatura. REAS. 2019;35:1-10.

Publicado
2021-03-10
Como Citar
Tejo, N. P., Andrade, K. da S. ., & Ferreira, A. F. M. . (2021). Condição oral de pacientes imunocomprometidos internados em Unidade de Terapia Intensiva. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 10(4), 674-679. https://doi.org/10.21270/archi.v10i4.5186
Seção
Original Articles