Avaliação da prevalência da sintomatologia de disfunção temporomandibular em universitários de Odontologia de uma instituição pública de ensino

  • Amanda de Sá Barreto de Freitas Curso de Graduação em Odontologia, Centro de Saúde e Tecnologia Rural, Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) 58708-110 Patos - PB, Brasil
  • José Henrique Araújo Cruz Curso de Graduação em Odontologia, Centro de Saúde e Tecnologia Rural, Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) 58708-110 Patos - PB, Brasil
  • Fausta Maria Moura de Castro Curso de Graduação em Odontologia, Centro de Saúde e Tecnologia Rural, Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) 58708-110 Patos - PB, Brasil
  • Elizandra Silva da Penha Professora Doutora, Curso de Graduação em Odontologia, Centro de Saúde e Tecnologia Rural, Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) 58708-110 Patos - PB, Brasil
  • Abrahão Alves de Oliveira Filho Professor Doutor, Curso de Graduação em Odontologia, Centro de Saúde e Tecnologia Rural, Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) 58708-110 Patos - PB, Brasil
  • Gymenna Maria Tenório Guênes Professora Doutora, Curso de Graduação em Odontologia, Centro de Saúde e Tecnologia Rural, Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) 58708-110 Patos - PB, Brasil
Palavras-chave: Estudantes, Transtornos da Articulação Tem¬poromandibular, Odontologia

Resumo

Introdução: A disfunção temporomandibular é um conjunto de condições dolorosas reconhecida como a principal causa de dor não dental na região orofacial, afetando os músculos da mastigação, estruturas associadas e articulação temporomandibular, possuindo etiologia complexa e multifatorial. Objetivo: Determinar a prevalência da sintomatologia da disfunção temporomandibular em universitários. Material e método: Trata-se de um estudo do tipo transversal, observacional, com abordagem indutiva, adotando como estratégia de coleta de dados o Questionário de triagem para dor orofacial e desordens temporomandibulares proposto pela Academia Americana de Dor Orofacial. A amostra foi composta de 200 estudantes de Odontologia da Universidade Federal de Campina Grande, Patos, Brasil. Resultados: A maioria da amostra era composta pelo sexo feminino (62,5 %) com idade média de 20,3 anos com desvio padrão de 2,9. Além disso, 60,5% dos graduandos apresentaram sintomatologia da disfunção. Quando comparados os anos da graduação a maior prevalência ocorreu no 5° ano (67,5%) e o menor para o 2° ano (53,8%). Conclusão: Houve uma alta prevalência dos sinais e sintomas da Disfunção Temporomandibular nesta população, destacando-se a importância da busca detalhada dos sinais e sintomas para a realização da pré-triagem dos pacientes e medidas que possam auxiliar na prevenção e tratamento da DTM.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Al-Khotani A, Naimi-Akbar A, Albadawi E, Ernberg M, Hedenberg-Magnusson B, Christidis N. Prevalence of diagnosed temporomandibular disorders among Saudi Arabian children and adolescents. J Headache Pain. 2016;17(1):41.

Giro G, Policastro VB, Scavassin PM, Leite AR, Mendoza Marin DO, Gonçalves DA, et al. Mandibular kinesiographic pattern of women with chronic TMD after management with educational and self-care therapies: A double-blind, randomized clinical trial. The Journal of prosthetic dentistry. 2019;116(5):749-55.

Buescher JJ. Temporomandibular joint disorders. Am Fam Physician. 2007;76(10):1477-82.

Paulino MR, Moreira VG, Lemos GA, Silva PLPD, Bonan PRF, Batista AUD. Prevalência de sinais e sintomas de disfunção temporomandibular em estudantes pré-vestibulandos: associação de fatores emocionais, hábitos parafuncionais e impacto na qualidade de vida. Ciênc Saúde Coletiva. 2018;23:173-86.

Donnarumma MC, Muzilli CA, Ferreira C, Nemr K. Temporomandibular Disorders: signs, symptoms and multidisciplinary approach. Rev CEFAC. 2010;12(5):788-94

Dantas AM, Santos EJ, Vilela RM, Lucena LB. Perfil epidemiológico de pacientes atendidos em um serviço de controle da dor orofacial. Rev Odontol UNESP. 2015;44(6):313-19.

Garbelotti TO, Turci AM, Serigato JM, Pizzol K, Franco-Micheloni AL. Effectiveness of acupuncture for temporomandibular disorders and associated symptoms. Rev Dor. 2016;17(3):223-27.

Conti PC, Pinto-Fiamengui LM, Cunha CO, Conti AC. Orofacial pain and temporomandibular disorders: the impact on oral health and quality of life. Braz Oral Res. 2012;26(Suppl 1):120-23

Nishiyama A, Kino K, Sugisaki M, Tsukagoshi K. Influence of Psychosocial Factors and Habitual Behavior in Temporomandibular Disorder-Related Symptoms in a Working Population in Japan. Open Dent J. 2012;6:240-47

Piccin CF, Pozzebon D, Chiodelli L, Boufleus J Pasinato F, Corrêa EC. Aspectos clínicos e psicossociais avaliados por critérios de diagnóstico para disfunção temporomandibular. Rev CEFAC. 2016;18(1):113-19.

Winocur E, Gavish A, Finkelstein T, Halachmi M, Gazit E. Oral habits among adolescent girls and their association with symptoms of TMD. J Oral Reabil. 2001;28(7):624-29.

Carvalho LPMD, Piva MR, Santos TDS, Ribeiro CF, Araújo CRFD, Souza LBD. Estadiamento clínico da disfunção temporomandibular: estudo de 30 casos. Odontol clín.-cient. 2008;7(1): 47-52.

Medeiros SP, Batista AUD, Forte FDS. Prevalência de sintomas de disfunção temporomandibular e hábitos parafuncionais em estudantes universitários. RGO Rev Gaúch Odontol. 2011;59(2):201-18.

Alves-Rezende MCR, Silva JS, Soares BS, Bertoz FA, Oliveira DTN, Alves-Claro APR. Estudo da prevalência de sintomatologia temporomandibular em universitários brasileiros de Odontologia. Rev Odontol Araçatuba. 2009;30(1):9-14

Barbosa JA, Swerts AA. Prevalência da disfunção temporomandibular em graduandos do curso de Odontologia da Universidade José de Rosário Vellano - UNIFENAS, MG. Rev CROMG. 2011;12(2):65-8.

Melchior MO, Mazzetto MO, Felício CM. Temporomandibular disorders and parafunctional oral habits: an anamnestic study. Dental Press J Orthod. 2012;17(2):83-9.

Pinto RG, Leite WM, Sampaio LS, Sanchez MO. Association between temporomandibular signs and symptoms and depression in undergraduate students: descriptive study. Rev Dor. 2017;18(3):217-24.

Fonseca DM, Bonfante G, Valle AL, Freitas SFT. Diagnóstico pela anamnese da disfunção craniomandibular.RGO.1994;42(1):23-8.

Feteih RM. Signs and symptoms of temporomandibular disorders and oral parafunctions in urban Saudi Arabian adolescents: a research report. Head Face Med. 2006;2:25.

Ichesco E, Quintero A, Clauw DJ, Scott P, Pia S, Geoffrey EG, et al. Altered functional connectivity between the insula and the cingulated cortex in patients with temporomandibular disorder: a pilot study. Headache. 2012;52(3):441-54.

Augusto VG, Perina KCB, Penha DSG, Santos DCAD, Oliveira VAS. Temporomandibular dysfunction, stress and common mental disorder in university students. Acta Ortop Bras. 2016;24(6):330-33.

Bezerra BPN, Ribeiro AIAM, Farias ABL, Farias ABLF, Fontes LBC, Nascimento SR et al. Prevalência da disfunção temporomandibular e de diferentes níveis de ansiedade em estudantes universitários. Rev DOR. 2012;13(3):235-42

Oliveira AS, Grossi DB, Dias EM. Sinais e sintomas de disfunção temporomandibular nas diferentes regiões brasileiras. Fisioter Pesq. 2008;15(4):392-97.

Soares LFF, Coelho LM, Moreno A, Almeida DAF, Haddad MF. Ansiedade e depressão associados à dor e desconforto das desordens temporomandibulares. BrJP. 2020;3(2):147-52.

Turner K, McCarthy VL. Stress and anxiety among nursing students: a review of intervention strategies in literature between 2009 and 2015. Nurse Educ Pract. 2017;22:21-9

Haidar SA, de Vries NK, Karavetian M, El-Rassi R. Stress, anxiety, and weight gain among university and college students: a systematic review. J Acad Nutr Diet. 2018;118(2):261-74

Minghelli B, Morgado M, Caro T. Association of temporomandibular disorder symptoms with anxiety and depression in Portuguese college students. J Oral Sci. 2014;56(2):127-33

Paiva RC. A depressão e a disfunção temporomandibular – estudo clínico [dissertação]. Viseu: Universidade Católica Portuguesa; 2012.

Guerra C, Pinho IBS, Oliveira LTGC, Nicésio PHA, Rocha PBVF, Gomes JSR et al. Prevalência de sinais e sintomas da disfunção temporomandibular e sua relação com fatores psicológicos em acadêmicos de medicina de barbacena. Rev Interdisciplinar de Estudos Experimentais Animais e Humanos 2018; 10.Único.

Kostrzewa-Janicka J, Pietrzak B, Jurkowski P, Wielgos M, Binkowska M, Mierzwinska-Nastalska E. Effects of oral contraceptives on the treatment for internal derangements in temporomandibular joints in women. Neuro Endocrinol Lett. 2013;34(6):566-72.

Kim TY, Shin JS, Lee J, Lee YJ, Kim MR, Ahn YJ et al. Gender difference in associations between chronic temporomandibular disorders and general quality of life in Koreans: a cross sectional study. PLoSOne.2015;10(12): e0145002.

Chisnoiu AM, Picos AM, Popa S, Chisnoiu PD, Lascu L, Picos A et al. Factors involved in the etiology of temporomandibular disorders - a literature review. Clujul Med. 2015;88(4):473-78.

Souza Barbosa T, Gaviao MB, Castelo PM, Leme MS. Factors Associated with Oral Health-related Quality of Life in Children and Preadolescents: A Cross-sectional Study. Oral Health Prev Dent. 2016;14(2):137-49.

Sipilä K, Tolvanen M, Mitrirattanakul S, Sitthisomwong P, Järvelin MR, Taanila A, et al. Orofacial pain and symptoms of temporomandibular disorders in Finnish and Thai populations. Acta Odontol Scand. 2015; 73(5):330-35

Cruz JHA, Sousa LX, Oliveira BF, Andrade júnior FP, Alves ASG, Oliveira Filho AA. Disfunção Tempormandibular: Revisão sistematizada. Arch Healt Invest. 2020; 9(6):555-60

Manfredi APS, Silva AA, Vendite L. Avaliação da sensibilidade do questionário de triagem para dor orofacial e desordens temporomandibulares recomendado pela Academia Americana de Dor Orofacial. Rev Bras Otorrinolaringol. 2001;67(6):763-68.

Publicado
2021-04-06
Como Citar
Freitas, A. de S. B. de, Cruz, J. H. A., Castro, F. M. M. de, Penha, E. S. da, Oliveira Filho, A. A. de ., & Guênes, G. M. T. (2021). Avaliação da prevalência da sintomatologia de disfunção temporomandibular em universitários de Odontologia de uma instituição pública de ensino. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 10(5), 807-812. https://doi.org/10.21270/archi.v10i5.5242
Seção
Original Articles