Prevalência e fatores associados da disfunção sexual em mulheres após mastectomia: estudo transversal

  • Caroline Mendes dos Santos Universidade Cesumar (UniCesumar), 87050-900 Maringá - PR, Brasil
  • Gisely Fernandes da Silva Universidade Cesumar (UniCesumar), 87050-900 Maringá - PR, Brasil
  • Mateus Dias Antunes Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional FM/MFT, 05360-160 São Paulo – SP, Brasil
  • Michelle Cardoso Machado dos Santos 1Universidade Cesumar (UniCesumar), 87050-900 Maringá - PR, Brasil
  • Paulo Tsuneta Universidade Cesumar (UniCesumar), 87050-900 Maringá - PR, Brasil
  • Kelley Cristina Coelho Universidade Cesumar (UniCesumar), 87050-900 Maringá - PR, Brasil
Palavras-chave: Câncer de Mama, Saúde da Mulher, Promoção da Saúde

Resumo

O câncer de mama é um dos tumores mais incidentes entre as mulheres ocasionando acometimentos cardiovasculares, motores e sexuais. O objetivo do estudo foi identificar a prevalência de disfunção sexual em mulheres mastectomizadas e analisar a correlação entre os domínios da resposta sexual nas fases da resposta sexual feminina. Trata-se de um estudo transversal com 54 mulheres que realizaram a cirurgia de mastectomia com idades entre 30 a 59 anos. Para avaliar a disfunção sexual foi utilizado o instrumento Female Sexual Function Index. Foi possível verificar que a prevalência de disfunção sexual entre as mulheres mastectomizadas foi de 77,7%. As fases da resposta sexual que mostraram-se significantemente afetadas foram: excitação (r = 0,86), lubrificação (r = 0,80), orgasmo (r =0,86), satisfação ( r = 0,81), dor (r =0,80) e a primeira fase da resposta sexual que é o desejo (r = 0,41) apresentou correlação moderada. Em relação ao desempenho sexual, nenhuma mulher obteve desempenho excelente, somente 12 apresentaram resultado bom e 42 tiveram resultado ruim. Houve uma alta prevalência de disfunção sexual entre as mulheres mastectomizadas e apresentando alteração nos aspectos relacionados com a excitação, lubrificação, orgasmo, satisfação e dor. Sugerimos, portanto, que novos estudos que abordem essa temática sejam realizados, para elucidar a relação entre os domínios da resposta sexual e a disfunção sexual em mulheres submetidas à mastectomia. Fica evidente a importância de promover estratégias, ações e intervenções de promoção da saúde para mulheres mastectomizadas no contexto da interdisciplinaridade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Bastianello MR, Hutz CS. Otimismo e suporte social em mulheres com câncer de mama: uma revisão sistemática. Psicol Teor Prat. 2016;18(2):19-33.

Ministério da Saúde; Instituto Nacional de Câncer- INCA.Biblioteca On-Line. Acesso em: 11 dez. 2010. Disponível em: https://www.inca.gov.br/controle-do-cancer-de-mama/conceito-e-magnitude

Fagundes, MKV Vaccaro MM. Mastectomia radical e sua influência sobre a vivência da sexualidade feminina. Uningá Review. 2016; 25(1):79-86.

Cesnik VM, Santos MA. Mastectomia e sexualidade: uma revisão integrativa. Psicologia: Reflex Crit. 2012;25(2):339-49.

Almeida TRD, Guerra MR, Filgueiras MST. Repercussões do câncer de mama na imagem corporal da mulher: uma revisão sistemática. Physis. 2012;22(3):1003-29.

Auwad WA, Hagi SK. Female sexual dysfunction: what Arab gynecologists think and know. Int Urogynecol J. 2012;23(1):919-27.

Santos DBS, Santos MA, Vieira EM. Sexualidade e câncer de mama: Uma revisão sistemática da literatura. Saúde Soc. 2014;23(4):1342-55.

Raposo JV, Moreira TL, Arbinaga F, Teixeira CM. Satisfação sexual em pacientes com câncer. Acta Colomb Psicol. 2017;20(2):84-94.

Macedo JB, Brondani AS, Costa GS, Messias BES, Nardi LLD, Braz MM. Occurrence of sexual dysfunctions in mastectomized females with or without breast reconstruction. Acta Scientiarum. 2018;40(1):e34544.

Antunes MD, Nishida FS. Morbidade hospitalar em idosos do paraná durante o ano de 2016. Encicl Biosf. 2017;14(26):1166-74.

Pacagnella RDC, Vieira EM, Rodrigues JOM, Souza CD. Adaptação transcultural do female sexual function index. Cad Saúde Pública. 2008;24(2):416-26.

Canário ACG, Paiva LC, Florêncio GLD, Melo CMLN, Gonçalves AK. Prevalência de disfunção sexual em mulheres sobreviventes de câncer de mama. Anais CIEH. 2015;2(1):1-7.

Sreelakshmy K, Velayudhan R, Kuriakose D, Nair R. Sexual dysfunction in females with depression: a cross- sectional study. Trends Psychiatry Psychother. 2017;39(2):106-9.

Pegorare ABGS, Silveira KR, No Ana PS, Barbosa SRM. Assessment of female sexual function and quality of life among breast cancer survivors who underwent hormone therapy. Mastology. 2017;27(3):237-44.

Siegel R, DeSantis C, Virgo K, Stein K, Mariotto A, Smith T et al. Cancer treatment and survivorship statistics, 2012. CA Cancer J Clin. 2012;62(4):220-41.

Souza ACS. Antidepressivos e disfunções sexuais. Rev Psychiatrv. 2017;17(8):1-10.

Siegel R, DeSantis C, Virgo K, Stein K, Mariotto A, Smith T et al. Cancer treatment and survivorship statistics, 2012. CA Cancer J Clin. 2012;62(4):220-41.

Araújo, A. C. G. C.; Nascimento, C. M. L.; Neto, P. F. A.; Silva,B. R. C.; Araújo, K. Q. M. A.; Gonçalves, A. K. Prevalência de disfunção sexual em mulheres sobreviventes de câncer de mama. Top Cienc Saude. 2019;11(1):107-16.

Berghmans B. Physiotherapy for pelvic pain and female sexual dysfunction: an untapped resource. Inter Urogynecol J. 2018;29(1):631-38.

Publicado
2021-05-04
Como Citar
Mendes dos Santos, C. ., Silva, G. . F. da ., Antunes, M. D., Santos, M. C. M. dos, Tsuneta, P. ., & Coelho, K. C. (2021). Prevalência e fatores associados da disfunção sexual em mulheres após mastectomia: estudo transversal. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 10(5), 813-817. https://doi.org/10.21270/archi.v10i5.5278
Seção
Original Articles