Percepção de universitários de uma instituição de ensino superior do Alto Sertão da Paraíba - Brasil a respeito de agravos sistêmicos frente a infecções odontogênicas

Autores

  • Tharley Gomes DDS, Graduando, Departamento de Odontologia da Faculdade Santa Maria, FSM, 58900-000 Cajazeiras – PB, Brasil
  • Marcos Alexandre Casimiro Oliveira MS, Professor, Departamento de Odontologia da Faculdade Santa Maria (FSM) 58900-000 Cajazeiras – PB, Brasil https://orcid.org/0000-0002-7308-6779
  • Raulison Vieira Sousa PhD, Professor, Departamento de Odontologia da Faculdade Santa Maria, FSM, 58900-000 Cajazeiras – PB, Brasil https://orcid.org/0000-0003-1106-5259
  • Luan Éverton Galdino Barnabé Doutorando, Universidade Estadual da Paraíba, UEPB, 58429-500, Campina-Grande - PB, Brasil https://orcid.org/0000-0001-9657-5180
  • José Klidenberg de Oliveira Júnior MS, Professor, Departamento de Odontologia da Faculdade Santa Maria (FSM) 58900-000 Cajazeiras – PB, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.21270/archi.v10i9.5412

Palavras-chave:

Educação em Saúde, Infecções, Odontologia

Resumo

As infecções odontogênicas são processos causados por cárie dentária, infecções endodônticas, pericoronarite e doenças periodontais. Em casos evoluídos, pode ocorrer a disseminação para regiões importantes do corpo. O objetivo do presente estudo foi avaliar a percepção de universitários de uma Instituição de Ensino Superior (IES) do alto sertão paraibano sobre a evolução das infecções odontogênicas. O trabalho em questão refere-se a um estudo transversal, de natureza descritiva e quantitativa, o qual foi realizado com os universitários matriculados na Faculdade Santa Maria, de todos os cursos de graduação (exceto Odontologia) e de todos os períodos. Foi realizado por meio de um questionário on-line estruturado, aplicado através da plataforma Google Forms e composto de três etapas. Foram entrevistados 143 universitários de ambos os sexos, entre as idades de 18 a 54 anos, sendo a maior parte mulheres (83,9%) e a idade mais prevalente compreende os indivíduos entre os 18 a 30 anos (85%). Em relação ao conhecimento sobre cárie dentária, 97,2% responderam que conheciam a doença. Quando indagados sobre ao entendimento de como evitar a cárie e a gengivite, 77,6% dos alunos responderam que sabiam métodos para evitar o surgimento das doenças. Mais da metade dos alunos (55,9%) responderam que concordavam totalmente que a cárie dentária e um canal não tratado poderiam ocasionar a formação de conteúdo purulento. Os resultados sugerem que os alunos da Faculdade Santa Maria possuem um bom conhecimento relacionado a infecções odontogênicas e seus agravos. Porém, esse conhecimento é limitado, mostrando assim que o mesmo deve ser aprofundado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ogle OE. Odontogenic infections. Dent Clin North Am. 2017;61(2):235-52.

Rocha TAF, Cerqueira JDM, Carvalho ES. Infecções endodônticas persistente: causa, diagnóstico e tratamento. Rev Ciênc Méd Biol. 2018;17(1):78-83.

Farah GJ, Quinto JHS, Farah IG, Chistoffo MT, Luppi CR. Estudo epidemiológico de pacientes portadores de infecção do complexo bucomaxilofacial tratados no Hospital Universitário de Maringá: estudo retrospectivo ao longo de 8 anos. RFO UPF. 2018;23(3):280-83.

Oliveira RL, Raffaele RM, Baldo ME, Gaetti Jardim EC. Abscesso cerebral e infecção odontogênica. Rev Bras Ter Intensiva. 2020; 32(1):161-62

Pak S, Cha D, Meyer C, Dee CM, Fershko A. Ludwig’s Angina. Cureus. 2017;9(8):e1588.

Mialhe FL, Silva CMC. A educação em saúde e suas representações entre alunos de um curso de Odontologia. Ciênc Saúde Colet. 2011;16 (1):1555-61

Silva CHF, Carneiro SV, Melo EAC, Dantas ES. Avaliação dos efeitos da educação em saúde sobre o conhecimento e comportamento de higiene bucal de escolares. Rev bras cienc saúde. 2019;23(2):215-22.

Lakatos EM, Marconi MA. Fundamentos da Metodologia Científica. 7. ed. São Paulo: Atlas; 2010.

Chou TTA, Ferreira NS, Kubo CH, Silva EG, Huhtala MFR, Gonçalves SEP et al. Avaliação do conhecimento e comportamento dos pacientes em tratamento odontológico em relação à cárie, doença periodontal e higiene bucal. RPG Rev Pós Grad. 2011;18(3):140-47

Hakeberg M, Boman UW. Self-reported oral and general health in relation to socioeconomic position. BMC Public Health. 2018;18(63):123-30

Santos MO, Casotti CA, Queiroz APDG, Carneiro JAO, Uemura TF. Conhecimento e percepção sobre saúde bucal de professores e pré-escolares de um município baiano. RFO UPF. 2015;20(2):171-78

Cordeiro GA, Junior MFS, Daroz LGD, Daroz CBS. Conhecimento sobre cárie dentária entre docentes do ensino médio. Rev ABENO. 2019; 19(3):133-43

Pinheiro HHC, Cardoso DG, Araújo MVA, Araújo IC. Avaliação do nível de conhecimento sobre saúde bucal dos professores da creche Sorena, Belém, Pará. J Health Sci Inst. 2005; 23(4):297-303.

Matthew TJH, Hussein A. Atypical cavernous sinus thrombosis: a diagnosis challenge and dilemma. Cureus. 2018;10(12):3685

Martini MZ, Uyeda DKP, Neto OLM, Santos NA. Choque séptico por infecção odontogênica em paciente com diabetes melito tipo I. Rev Assoc Paul Cir Dent. 2015;69(2):190-93.

Roberto LL, Noronha DD, Souza TO, Miranda EJ, Martins AMEBL, de Paula AMB et al. Falta de acesso a informações sobre problemas bucais entre adultos: abordagem baseada no modelo teórico de alfabetização em saúde. Ciênc Saúde Colet. 2018;23(3):823-35.

Publicado

2021-07-16

Como Citar

Gomes, T., Oliveira, M. A. C., Sousa, R. V., Barnabé, L. Éverton G., & Oliveira Júnior, J. K. de. (2021). Percepção de universitários de uma instituição de ensino superior do Alto Sertão da Paraíba - Brasil a respeito de agravos sistêmicos frente a infecções odontogênicas. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 10(9), 1454–1460. https://doi.org/10.21270/archi.v10i9.5412

Edição

Seção

Original Articles

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.