Adesão à terapia antirretroviral em pacientes HIV soropositivos no Brasil: uma revisão da literatura

Cléa Adas Saliba Garbin, Renata Colturato Joaquim Gatto, Artênio José Isper Garbin

Resumo


Introdução: As pessoas infectadas pelo vírus HIV têm acesso gratuito à terapia antirretroviral (TARV) no Brasil, no entanto, para que funcione é preciso que o paciente conduza a manutenção prolongada do tratamento, pois a efetividade da TARV depende diretamente da adesão do paciente. Objetivos: realizar uma revisão integrativa de literatura tendo como pergunta norteadora “Qual a taxa de não adesão à terapia antirretroviral de pacientes HIV soropositivos no Brasil?”. Metodologia: Foram consultadas as seguintes bases de dados: Bireme, Pubmed, Medline, Scielo, Scopus, Web Of Science e Cochrane Library, entre os meses de maio e junho de 2016. Após a aplicação dos critérios de inclusão e exclusão, os seguintes dados foram extraídos dos artigos que compuseram o estudo: ano de publicação, região em que foram realizados, população de estudo, método de verificação da adesão e taxa de não adesão à TARV. Resultados: 11 artigos foram selecionados para compor a presente revisão, que datam de 2009 a 2015. Os estudos têm uma tendência a polarização em algumas regiões do país e a população participante, em sua maioria era adulta. O método para verificação da adesão mais utilizado foi a retirada do medicamento nas farmácias, seguido pela aplicação de questionário validado. A taxa de não adesão a TARV variou de 18% à 74,3% nos artigos analisados. Conclusão: Houve um alto índice de não adesão à terapia antirretroviral nos estudos que participaram dessa revisão.

Descritores: Adesão à medicação; Antirretrovirais; HIV; Síndrome de Imunodeficiência Adquirida.


Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Boletim Epidemiológico - Aids e DST. Brasília 2015.

Brasil. LEI No 7.670, DE 8 DE SETEMBRO DE 1988. Brasília 1988. (Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l7670.htm)

Brasil. LEI Nº 12.984, DE 2 DE JUNHO DE 2014. Brasília 2014. (Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L12984.htm)

Nunn AS, Fonseca EM, Bastos FI, Gruskin S, Salomon JA. Evolution of Antiretroviral Drug Costs in Brazil in the Context of Free and Universal Access to AIDS Treatment. PLoS Med. 2007; 4(11): e305.

Schaurich D, Coelho DF, Motta MGC. A cronicidade no processo saúde-doença: repensando a epidemia da AIDS após os anti-retrovirais. Rev Enferm UERJ. 2006;14(3):455-62.

Drachler MdL, Drachler CW, Teixeira LB, de Carvalho Leite JC. The Scale of Self-Efficacy Expectations of Adherence to Antiretroviral Treatment: A Tool for Identifying Risk for Non-Adherence to Treatment for HIV. PLoS ONE. 2016; 11(2):e-0147443.

Baer M, Roberts J. Complex HIV treatment regimens and patient quality of life. Can Psychol. 2002; 43(2):115-21.

Seidl EMF, Melchíades A, Farias V, Brito A. Pessoas vivendo com HIV/AIDS: variáveis associadas à adesão ao tratamento anti-retroviral. Cad Saúde Pública. 2007; 23(10):2305-16.

Souza MT, Silva MD, Carvalho R. Integrative review: what is it? How to do it? Einstein. 2010; 8(1):102-6.

Sousa AIA de, Pinto Júnior VL. Análise espacial e temporal dos casos de aids no Brasil em 1996-2011: áreas de risco aumentado ao longo do tempo. Epidemiol Serv Saúde. 2016; 25(3):467-76.

Teixeira TRA, Gracie R, Malta MS, Bastos FI. Social geography of AIDS in Brazil: identifying patterns of regional inequalities. Cad Saúde Pública. 2014; 30(2):259-71.

Guanabara MAO, Araujo MAL, Barros VL, Gondima OS, Pinheiro PMR, Oliveira FA. Gestantes com HIV/Aids acompanhadas em serviços públicos. Rev Enferm UFPI. 2014; 3(2):25-32.

Felix G, Ceolim MF. O perfil da mulher portadora de HIV/AIDS e sua adesão à terapêutica antirretroviral. Rev esc enferm USP. 2012; 46(4): 884-91.

Affeldt AB, Silveira MF, Barcelos RS. Perfil de pessoas idosas vivendo com HIV/AIDS em Pelotas, sul do Brasil, 1998 a 2013. Epidemiol Serv Saúde. 2015; 24(1):79-86.

Bertoncini BZ, Moraes KS, Kulkamp IC. Comportamento sexual em adultos maiores de 50 anos infectados pelo HIV. J Bras Doenças Sex Trans. 2007; 19(2):75-9.

Alencar RA, Ciosak SI. O diagnóstico tardio e as vulnerabilidadesdos idosos vivendo com HIV/aids. Rev esc enferm USP. 2014; 49(2):229-35.

Gomes RRFM, Machado CJ, Acurcio FA, Guimarães MDC. Utilização dos registros de dispensação da farmácia como indicador da não-adesão à terapia anti-retroviral em indivíduos infectados pelo HIV. Cad Saúde Pública. 2009; 25(3):495-506.

Rocha GM, Machado CJ, Acurcio FA, Guimarães MDC. Monitoring Adherence to antiretroviral treatment in Brazil: an urgent challenge. Cad Saúde Pública. 2011; 27(1):67-78.

Camargo LA, Capitão CG, Filipe EMV. Mental health, family support and treatment adherence: associations in the context of HIV/aids. Psico-USF. 2014;19(2):221-32.

Silva JAG, Dourado I, Brito AM, Silva CAL. Fatores associados à não adesão aos antirretrovirais em adultos com AIDS nos seis primeiros meses da terapia em Salvador, Bahia, Brasil. Cad Saúde Pública. 2015; 31(6):1188-98.

Polejack L, Seidl EMF. Monitoramento e avaliação da adesão ao tratamento antirretroviral para HIV/aids: desafios e possibilidades. Ciênc saúde coletiva. 2010; 15(supl 1):1201-08.

Trombini ES, Schermann LB. Prevalência e fatores associados à adesão de crianças na terapia antirretroviral em três centros urbanos do sul do Brasil. Ciênc saúde coletiva. 2010; 15(2):419-25.

Sankar A, Golin C, Simoni J, Luborsky M, Pearson C. How Qualitative Methods Contribute to Understanding Combination Antiretroviral Therapy Adherence. J Acquir Immune Defic Syndr. 2006; 43(Suppl 1):S54-68.

Remor E, Milner-Moskovics J, Preussler G. Adaptação brasileira do “Cuestionario para la Evaluación de la Adhesión al Tratamiento Antiretroviral” Rev Saúde Pública. 2007;41(5):685-94.

Jacques IJAA, Santana JM, Moraes DCA, Souza AFM, Abrão FMS, Oliveira RC. Avaliação da Adesão à Terapia Antirretroviral entre Pacientes em Atendimento Ambulatorial. Rev bras cienc saúde. 2014; 18(4):303-8.

Silva ACO, Reis RK, Nogueira JA, Gir E. Quality of life, clinical characteristics and treatment adherence of people living with HIV/AIDS. Rev Latino-Am Enfermagem. 2014; 22(6):994-1000.

Moraes DCA, Oliveira RC, Costa SFG. Adesão de homens vivendo com HIV/AIDS ao tratamento antirretroviral. Esc Anna Nery. 2014; 18(4):676-81.

Tufano CS, Amaral RA, Cardoso LRD, Malbergier A. The influence of depressive symptoms and substance use on adherence to antiretroviral therapy. A cross-sectional prevalence study. Sao Paulo Med J. 2015; 133(3):179-86.

Leite LHM, Papa A, Valentini RC. Insatisfação com imagem corporal e adesão à terapiaantirretroviral entre indivíduos com HIV/AIDS. Rev Nutr. 2011; 24(6):873-82.

Bonolo PF, Gomes RRFM, Guimarães MDC. Adesão à terapêutica anti-retroviral (HIV/AIDS): fatores associados e medidas de adesão. Epidemiol Serv Saúde. 2007; 16(4):267-78.

Rossi OS, Pereira PPG. O remédio é o menor dos problemas: seguindo redes na adesão ao tratamento de AIDS. Saúde Soc São Paulo. 2014; 23(2): 484-95.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde Programa Nacional de DST e AIDS. Manual de adesão ao tratamento para pessoas vivendo com HIV e AIDS. 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.21270/archi.v6i2.1787

Indexação em Base de Dados (Catálogo de Revistas Científicas)
  • BBO - Bibliografia Brasileira de Odontologia
  • BVS – Biblioteca Virtual em Saúde
  • BIREME - Portal de Revistas Científicas em Ciências da Saúde
  • LATINDEX - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe
  • SEER - Diretório de Revistas Brasileiras em SEER
  • DIADORIM - Diretório de Políticas de Acesso Aberto das Revistas Científicas Brasileiras
  • PKP - Public Knowledge Project
  • SCHOLAR GOOGLE