Cefaleia do tipo tensional: revisão de literatura

  • Marina Coimbra da Cruz
  • Lucas Coimbra da Cruz
  • Marlene Cabral Coimbra da Cruz
  • Renan Paes de Camargo

Resumo

Introdução: Cefaleia é uma dor de acometimento cefálico, sendo o sintoma neurológico mais comum e queixa médica muito frequente. Pode ser primária, quando é a patologia em si, ou secundária, quando representa um sintoma de outra patologia estrutural. Objetivo: Apresentar uma síntese das informações mais relevantes sobre a cefaleia tensional. Material e Método: Foi realizada uma revisão em livros e bases de dados eletrônicos, tendo como critério de inclusão artigos tidos como de grande relevância, publicados em português, inglês ou espanhol. Resultados: Destaca-se entre as primárias, a cefaleia tipo tensional, caracterizada por sensações dolorosas de caráter compressivo, leves ou moderadas, nas regiões frontal, parietal, temporal e/ou occipital, bilateralmente. É subclassificada de acordo com sua duração em episódica pouco frequente, episódica frequente e crônica. Sua fisiopatologia é complexa e envolve mecanismos periféricos e centrais de gênese da dor, devendo ser diferenciada de outros tipos de cefaleia. Exibe diversos fatores desencadeantes, em especial os de ordem psicológica, que na maioria dos casos podem ser evitados como forma de prevenção. Sua terapêutica pode ser farmacológica ou não, agindo de forma abortiva e/ou profilática. Conclusão: A cefaleia tensional, embora muito prevalente, é subdiagnosticada, geralmente pela falta de conhecimento de médicos generalistas, fato que pode resultar em adoção de planos terapêuticos indevidos e, consequentemente, culminar em prejuízo na qualidade de vida dos doentes. Este distúrbio é passível de prevenção, com mudanças de hábitos a fim de se minimizar ou extinguir fatores desencadeantes.

Descritores: Cefaleia; Cefaleia do Tipo Tensional; Manifestações Neurológicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Petersen CS, Nunes MLT. Cefaleia tensional crônica e psicopatologia. Psic. 2002; 3(2):30-43.

Flores AMN, Costa Junior AL. Modelo biopsicossocial e formulação comportamental: compreendendo a cefaleia do tipo tensional. Psicol estud. 2008; 13(1):143-51.

Flores AMN, Costa Junior ALC. O manejo psicológico da dor de cabeça tensional. Psicol ciênc prof. 2004; 24(3):24-33.

Varjão FM, Jorge JH, Nepelenbroek KH, Alencar Júnior FGP. Cefaleia, tipo tensional. Saúde e Pesquisa. 2008; 1(2):185-91.

Sanvito WL, Monzillo PH. cefaleias primárias: aspectos clínicos e terapêuticos. Medicina. 1997; 30:437-48.

World Health Organization (WHO). Fact sheet: headache disorders. Genebra, 2016. disponível em: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs277/en/. acesso em: 5 jul de 2016.

World Health Organization (WHO). ATLAS of Headache Disorders and Resources in the World 2011. Genebra, 2011. Disponível em: http://www.who.int/ entity/ mental_health/management/ who_atlas_headache_disorders.pdf?ua=1. Acesso em: 7 jul 2016.

Galdino GS, Albuquerque TIP, Medeiros JLA. Cefaleias primárias: Abordagem diagnóstica por médicos não-neurologistas. Arq Neuro-Psiquiatr. 2007; 65(3-A):681-4.

Gherpelli JLD. Tratamento das cefaleias. J Pediatr. 2002;78(supl.1):S3-S8.

Perla AS. Cefaleias: diagnóstico diferencial. In: Chaves MLF, Finkelsztejn A, Stefani MA (Eds.). Rotinas em neurologia e neurocirurgia. 1ª Ed. Porto Alegre: Artmed; 2008. p. 128-143.

Classification and diagnostic criteria for headache disorders, cranial neuralgias and facial pain. Headache Classification Committee of the International Headache Society. Cephalalgia. 1988; 8(Suppl 7):1-96.

Speciali JG. Classificação das cefaleias. Medicina. 1997;30: 421-7.

Santos CMT, Pereira CU, Lima PTMR, Santos EAS, Monteiro JTS. Cefaleia tensional. RBM. 2008; 65(5):112-7.

Headache Classification Committee of the International Headache Society (IHS). The International Classification of Headache Disorders, 3rd edition (beta version). Cephalalgia. 2013; 33(9): 629-808.

Goadsby PJ, Raskin NH. Cefaleia. In: Hauser SL, Josephson SA. Neurologia clínica de Harrison. 3. Ed (Edição Digital). Porto Alegre: AMGH; 2015. p. 41-56.

Siqueira LFM. Cefaleias na infância e adolescência. Pediatr Mod. 2011; 47(1):5-12.

World Health Organization. International Statistical Classification of Diseases and Related Health Problems. 10th revision, Fifth edition, 2016. Disponível em: http://apps.who.int/classifications/icd10/browse/2016/en

Gómez MV. Cefaleia tipo tensional: diagnóstico, fisiopatologia y tratamento. Acta Neurol Colomb. 2008; 24(3) Supl. (3:1).

Stancioli FG, Vasconcelos LPB, Leal JC, Silva Júnior AA, Gomez RS, Teixeira AL. Cefaleia Crônica Diária. RBM. 2007; 64(1/2):5-10.

Aquino JHW, Fortes FM. Cefaleias na adolescência. Adolesc Saúde. 2009: 6(3):35-40.

World Headache Alliance (WHA). Tension Type Headache, 2016. Disponível em: http://www.w-h-a.org/. Acesso em 5 jul 2016

Fragoso YD, Carvalho R, Ferrero F, Lourenço DM, Paulino ER. Crying as a precipitating factor for migraine and tension-type headache. Sao Paulo Med. J. 2003: 121(1): 31-3.

Saueressig IB, Xavier MKA, Oliveira VMA, Pitangui ACR, Araújo RC. Primary headaches among adolescents and their association with excessive computer use. Rev Dor. 2015; 16(4):244-8.

Matta APC, Moreira Filho, PF. Cefaléia do Tipo Tensional Episódica: Avaliação clínica de 50 pacientes. Arq Neuro-Psiquiatr. 2006; 64(1):95-9.

Torelli P, Cologno D, Manzoni GC. Weekend headache: a retrospective study in migraine without aura and episodic tension type headache. Headache 1999; 39(1):11-20.

Figuerola ML. Cefaleas primarias. In: Micheli F, Pardal MF. Neurología. 2. ed. Buenos Aires: Médica Panamericana; 2010. Cap. 6, p. 131-142.

Mathew NT, Frishberg BM, Gawel M, Dimitrova R, Gibson J, Turkel C, BOTOX CDH. Study Group. Botulinum toxin type A (BOTOX) for the prophylactic treatment of chronic daily headache: a randomized, double-blind, placebo-controlled trial. Headache. 2005; 45(4):293-307.

Silberstein SD, Stark SR, Lucas SM, Christie SN, Degryse RE, Turkel CC, BoNTA-039 Study Group. Botulinum toxin type A for the prophylactic treatment of chronic daily headache: a randomized, double-blind, placebo-controlled trial. Mayo Clin Proc. 2005; 80(9):1126-37.

Schulte-Mattler WJ, Martinez-Castrillo JC. Botulinum toxin therapy of migraine and tension-type headache: comparing different botulinum toxin preparations. Eur J Neurol. 2006; 13(Suppl 1):51-4.

Borges RN, Melo M, Barcelos BA, Carvalho Júnior H, Santos ARBR, Honorato ISS. Efeito da toxina botulinica na terapeutica da cefaleia tipo tensional. Rev Odontol Bras Central 2013;21(61): 85-9.

Publicado
2017-02-22
Como Citar
Cruz, M. C. da, Cruz, L. C. da, Cruz, M. C. C. da, & Camargo, R. P. de. (2017). Cefaleia do tipo tensional: revisão de literatura. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, 6(2). https://doi.org/10.21270/archi.v6i2.1778
Seção
Artigos